Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 14 Junho |
Santo Eliseu
home iconReligião
line break icon

Evocação dos mortos e invocação dos santos

Bayeux war cemetery

Iain Cameron | Flickr CC BY 2.0

Vanderlei de Lima - publicado em 09/05/21

O Catecismo da Igreja Católica ensina que todas as formas de adivinhação hão de ser rejeitadas

A fé católica não aceita a evocação dos mortos, mas a invocação dos santos (cf. 2 Mc 15,11-16). Daí a oportunidade deste artigo que bem distingue as duas prática.

Dom Boaventura Kloppenburg, OFM, escreve: “Quando o espírita ‘evoca’ um espírito ele quer que o espírito desça, baixe e se comunique perceptivelmente com a gente; quando o católico ‘invoca’ um Santo, ele quer que o Santo, por assim dizer, suba ao trono de Deus para interceder por nós, para tornar-se o nosso intercessor e não que baixe e fale conosco. Não há, na devoção católica aos Santos, nem vestígio de mentalidade espírita” (O Espiritismo no Brasil: Orientações para os Católicos. 2ª ed., Petrópolis: Vozes, 1964, p. 183). Em termos muito sintéticos, quem evoca o espírito de um morto quer fazê-lo descer até nós; quem invoca, em oração, um ente querido falecido deseja apenas que ele suba até Deus para apresentar a Ele os nossos pedidos; que seja nosso intercessor.

Ainda: a prática da evocação dos mortos é condenada na Sagrada Escritura (cf. Ex 22,17; Lv 19,31; 20,6.27; Dt 18,10-14; 2Rs 17,17; 21,6; Is 8,19-20; 1Sm 28,3-25; At 13,6-12; 16,16-18; 19,11-20). Alguns poderiam retrucar lembrando que Saul consultou o falecido Samuel por meio de uma necromante (cf. l Sm 28,5-15). Dom Estêvão Bettencourt, OSB, esclarece o caso afirmando que o fato “não é paradigma, pois diz a própria Bíblia que Saul foi condenado por causa disso (cf. 1Cr 10,3). Deus permitiu que Saul recebesse de Samuel, naquele momento, a advertência de que estava no fim sua vida terrestre e no dia seguinte ia morrer; foi por causa da importância solene daquela hora que Deus permitiu a resposta de Samuel; ela não foi provocada pela arte da adivinha; esta apenas forneceu a ocasião ou as circunstâncias da manifestação de Samuel” (Por que não sou espírita? Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, s/d, p. 27, opúsculo 2).

Mais: “A proibição se deve não à suposição de que os mortos sejam incomodados pelos vivos, mas ao fato de que não há receita que garanta a comunicação entre vivos e mortos. A necromancia é superstição. A oração que os cristãos dirigem aos Santos, não se baseia em fórmulas ou receitas mágicas, mas unicamente na convicção de que Deus quer conservar a comunhão entre os membros do Corpo Místico de Cristo; por isso, Ele faz que os justos no céu tomem conhecimento das preces despretensiosas que lhes dirigimos na Terra e, em consequência, intercedam por nós” (Idem).

O Pe. Oscar Quevedo, SJ, assegura, por sua vez – como uma das conclusões da Parapsicologia – que “não há comunicação natural entre os vivos e os mortos. Nem os vivos têm força para intervir no mundo dos mortos, nem os mortos têm força para intervir no mundo dos vivos” (O que é parapsicologia. 32ª ed. São Paulo: Loyola, 2000, p. 105). As raríssimas comunicações – sempre espontâneas, nunca provocadas (cf. Lc 1,26-27) – entre o além e o aquém são ações livres e milagrosas de Deus (Lourdes, Fátima, Guadalupe…). Fora disso, os fenômenos ditos de “comunicação com os mortos” se devem ao inconsciente humano; portanto, tudo de vivo para vivo, nunca de morto para vivo (Idem).

Por fim, o Catecismo da Igreja Católica ensina que “todas as formas de adivinhação hão de ser rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demônios, evocação dos mortos ou outras práticas que erroneamente se supõe descobrir o futuro. A consulta aos horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságios e da sorte, os fenômenos de visão, o recurso a médiuns escondem uma vontade de poder sobre o tempo, sobre a história e, finalmente, sobre os homens, ao mesmo tempo que um desejo de ganhar para si os poderes ocultos. Essas práticas contradizem a honra e o respeito que, unidos ao amoroso temor, devemos exclusivamente a Deus” (Catecismo da Igreja Católica n. 2116 – itálico nosso). É, portanto, um pecado grave do qual devemos, com a graça de Deus, sempre fugir…

Tags:
MorteSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Reportagem local
Poderoso filme de 1 minuto sobre casamento rende prêmio a cineast...
3
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
4
POPE FRANCIS - PENTECOST MASS - SUNDAY
Comunidade Shalom
Depois da Comunhão, o que (e por quem) é mais aconselhável rezar?
5
Histórias com valor
Após coma, menino deixa a mãe aterrorizada ao dizer que conheceu ...
6
Reportagem local
Papa Francisco explica quais são os piores inimigos da oração
7
PASSION OF THE CHRIST
Cerith Gardiner
7 provações e tribulações que Jim Caviezel enfrentou ao interpret...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia