Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 26 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Santa Sé agora é Estado observador permanente da OMS

World Health Organization (OMS WHO)

EQRoy | Shutterstock

Reportagem local - publicado em 02/06/21

A medida é um reconhecimento oficial do papel do Vaticano diante dos desafios globais da área da saúde

A 74ª Assembleia Mundial da Saúde nomeou a Santa Sé como “Estado observador não-membro da Organização Mundial da Saúde (OMS)”. A medida é um reconhecimento oficial do papel do Vaticano em questões ligadas à saúde no mundo.

De acordo com o Vatican News, a medida “testemunha o apreço da comunidade internacional pelas obras da Igreja no campo da saúde, da caridade e da assistência às pessoas necessitadas, e o compromisso da Santa Sé com a promoção do diálogo multilateral no mundo. Assim como o compromisso da família das nações de enfrentar, através do diálogo e da solidariedade internacional, os desafios globais de saúde que afligem a humanidade.”

Desde 1948, a Organização Mundial da Saúde dirige e coordena a política internacional de saúde dentro do sistema das Nações Unidas. A Assembleia da OMS afirma que seu objetivo principal é “a obtenção por todos os povos do mais alto nível de saúde possível”.

O que faz um observador permanente da OMS

resolução autoriza a Santa Sé a participar no debate geral da Assembleia Mundial de Saúde, a levantar questões de ordem relativas a quaisquer procedimentos que envolvam a Santa Sé e a co-patrocinar projetos de resoluções e decisões que façam referência à Santa Sé. No entanto, o Estado observador não-membro não tem direito a voto nem a apresentar candidatos para os cargos da OMS.

As contribuições da Santa Sé para a OMS

Na 73ª Assembleia Mundial da Saúde realizada em Genebra no ano passado, o arcebispo Ivan Jurkovič pediu à OMS uma renovada solidariedade e cooperação internacional para enfrentar as crises de saúde provocadas pela pandemia COVID-19 .

Em seu discurso, ele reiterou o apelo do Papa Francisco para que “os mais vulneráveis ​​de nossos irmãos e irmãs que vivem nas cidades e periferias de todas as partes do mundo, não sejam abandonados”.

Como representante da Santa Sé, ele pediu a flexibilização das sanções e embargos internacionais para permitir a assistência humanitária. Ele também pediu a distribuição equitativa de tratamentos e vacinas.

Clique aqui e leia mais sobre o assunto.

Tags:
MundoSaúdeVaticano
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia