Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 21 Setembro |
home iconEstilo de vida
line break icon

Comunicação: o segredo da paz nas relações

COUPLE LAUGHING

George Rudy | Shutterstock

Psiconlinews - publicado em 06/06/21

Diga o que o incomoda quando se sentir incomodado. Nunca guarde tudo até explodir. Mas saiba fazer isso do jeito certo!

Às vezes, nos calamos demais. Por educação. Por medo de ofender. Por insegurança. Porque não sabemos se é a hora certa… O problema é que esses silêncios podem acabar se tornando uma bomba relógio prestes a explodir.

Se não dissermos o que nos incomoda, quando nos incomoda, em vez de usar nossas melhores palavras, acabaremos usando nossas “melhores” ofensas.

Os perigos de acumular muita frustração

Tendemos a acreditar que a raiva é o nosso pior inimigo, que é uma das emoções mais negativas que podemos experimentar, mas em muitos casos, na sua base está a frustração. Frustração geralmente é uma emoção que se acumula, por isso às vezes é difícil de detectar e estancá-la. Quando percebemos, já estamos tão frustrados que acabamos explodindo.

O paradoxo é que tendemos a ficar mais frustrados com as pessoas mais próximas e importantes para nós. Mesmo que amemos muito a pessoa, ela também pode gerar uma grande frustração em nós. Isso ocorre porque todos temos um certo nível de tolerância à frustração, que diminui com a exposição repetida a uma situação ou pessoa que consideramos ser a fonte de frustração.

Isso significa que no início de uma experiência difícil somos capazes de gerenciar facilmente a nossa frustração, mas com o passar do tempo e a repetição dessa experiência, nossa capacidade de gerenciá-la diminui consideravelmente. Até chegar o ponto em que simplesmente sentimos que somos incapazes de continuar a suportá-la.

Com pessoas próximas a nós, esse nível de tolerância pode diminuir ainda mais rapidamente, porque muitas vezes não temos um espaço mais privado e íntimo para nos isolar e recuperar a calma e o nosso nível de tolerância. O contato diário nos faz saturar mais rápido. O problema é que naquele momento perdemos o autocontrole, então acabamos explodindo, dizendo ou fazendo coisas que mais tarde nos arrependemos.

O risco de caricaturar outros

Quando nos submetemos a situações incômodas em silêncio, sem defender nossos direitos, o nosso diálogo interno é ativado, um mecanismo através do qual liberamos nossa imaginação para tentar resolver os conflitos do mundo real sem confrontações.

O problema é que, em muitas ocasiões, o diálogo interno acaba saindo de controle, então nós caricaturamos a outra pessoa. Acabamos destacando apenas as suas deficiências, assumindo um pensamento “preto e branco”, que não é o melhor aliado da conciliação, mas se torna mais combustível para o fogo.

Quando estamos muito frustrados, podemos perder a perspectiva e, de repente, paramos de ver as boas qualidades dos outros, de modo que palavras ou atitudes nocivas mexam ainda mais na ferida.

Por que devemos expressar o que nos incomoda?

Quando algo nos incomoda, normalmente é melhor fazer-se notar tão logo aconteça. Às vezes, não podemos nos expressar naquele momento, mas não é aconselhável adiá-lo indefinidamente, pois é provável que a outra pessoa nem perceba que suas palavras ou atitudes nos incomodam.

Quando tomamos consciência e comunicamos o que nos incomoda, não estamos apenas aplicando nossos direitos, mas também evitamos a ruminação posterior e a frustração que isso gera. Desta forma, conseguimos manter um relacionamento mais autêntico, sem acentuar o ressentimento. Você só precisa ter certeza de expressar o que sente sem acusar ou ferir o outro.

Quando tomamos como um hábito a expressão das nossas emoções de forma assertiva, conseguimos fazer sem nos irritar, em relação aos outros e a nós mesmos.

Sem dúvida, é uma maneira diferente de se relacionar, vale a pena.

(via Psiconlinews)

Tags:
AmizadeComunicaçãoPazRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
3
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
4
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
HOLY COMMUNION
Reportagem local
A Santa Missa não pode ser trocada por orações pessoais: sem ela,...
7
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia