Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconEstilo de vida
line break icon

No casamento, é melhor conversar do que pensar mal do outro

ZDRADA

NDAB Creativity | Shutterstock

Orfa Astorga - publicado em 15/06/21

"Meu relacionamento tem sido um desastre desde o começo." Verdade ou impressão?

Um casamento em que marido e mulher alegam não ter diferenças entre eles, em que não há discussões, nem brigas pode denotar um sinal de indiferença que não é saudável. Essa situação visa evitar confrontos e faz mais mal do que bem. O casal busca uma zona de conforto falsa por não saber o valor que o outro tem como pessoa no desafio de construírem juntos a sua história de amor.

Como, nesta história, se deve ter um interesse autêntico na melhora do cônjuge e de tudo o que diz respeito ao projeto matrimonial, mais de uma vez é necessário discutir. Mas é preciso que esposo e esposa sejam claros, francos, diretos e saibam dizer o que se quer sem ferir os sentimentos do outro ou menosprezá-lo.

Pode ser uma aprendizagem árdua, em que é necessário aceitar as diferenças individuais como um benefício. Os defeitos e limitações do outro são uma oportunidade para desenvolver as próprias virtudes.

Mesmo que isso não seja “mamão com açúcar”, o certo é que “assim como sem vento a ave não pode voar”, sem as provas da convivência, o casamento não pode crescer. Por isso, as discussões moderadas no casamento são normais e necessárias.

Nessas discussões se devem evitar ou, pelo menos, esclarecer as presunções erradas que um cônjuge pode ter sobre o outro por sua maneira de dizer, pensar, fazer.

O que não pode é, ao invés de focar nos problemas, atacar a pessoa, afetando o respeito, a autoestima que sustenta o amor, fazendo brotar de tantas formas uma relação de violência que, quando entra em uma espiral ascendente, mata o amor.

As presunções – certas ou erradas – se fundem em experiências de vida que, em todas as pessoas, passam por uma estrutura de pensamento que filtra e dá forma a todas as ideias.

Os componentes desta estrutura são:

A percepção. É a forma como o cônjuge vê o outro com certa pretensão de verdade, com presunções como:

  • Meu esposo não se interessa pelo que falo.
  • Minha esposa não se veste como no começo.

A atribuição. Quando se constrói uma explicação sobre algo, atribuindo-lhe como causa determinados acontecimentos, estímulos, situações, contextos ou pessoas, fazendo julgamentos com presunções como:

  • Meu esposo não se interessa pelo que faço, por isso não lhe importao que eu falo.
  • Minha esposa já não me ama, por isso não se veste como no começo.

A expectativa. Quando, por certa experiência, esperamos que aconteçam coisas no futuro e se formam juízos como:

  • Meu esposo não se interessa pelo que falo, já não o entusiasmo mais e ele pode deixar de me amar.
  • Minha esposa não se veste como no começo, já não me ama da mesma forma, nosso casamento pode se transformar em uma desilusão.

A representação dos valores em uma situação correta. Quando se julga uma situação a partir de um único valor, as presunções podem ser:

  • Meu esposo não se interessa por tudo o que eu lhe falo e isso é muito ruim, pois um bom marido sempre deve se interessar por tudo o que uma mulher considera importante.
  • Minha esposa não se veste como no começo e manifesta fala de educação.

Como fazer presunções é a forma como todos aprendemos, os esposos devem abrir sua intimidade, expondo ambos seus pensamentos e dúvidas sobre o outro, pois só amamos o que bem conhecemos, mesmo que, ao fazê-lo, toquem a pobreza de suas humanidades.

Então, sabendo que seu amor está acima de tudo, isso se torna a maior motivação para se superar através do mútuo conselho e correção. E ser o mellhor presente um para o outro.

Um grande benefício ao amor conjugal é poder dizer o que pensamos, o que sentimos, o que nos afeta, o que consideramos atitudes erradas do cônjuge. Se as presunções estiverem certas, serão para corrigir e ajudar. Se estiverem erradas, para esclarecer e desculpar.

Em ambos os casos, é ajuda e crescimento mútuo.

Tags:
AmorCasamentoComunicação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia