Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 22 Outubro |
Santos Filipe e Hermes
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Cardeal peita a União Europeia: “Aborto não é um direito”

Cardeal Jean Claude Hollerich

Antoine Mekary | ALETEIA

Francisco Vêneto - publicado em 17/06/21

Além da imposição ideológica, o ativismo pró-aborto na UE viola as prerrogativas legislativas de cada país-membro

O aborto não é um direito, reiterou sem rodeios o arcebispo de Luxemburgo, cardeal dom Jean Claude Hollerich, em declarações à agência de notícias ACI Stampa.

Dom Hollerich preside a Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) e sua reafirmação da postura da Igreja no tocante ao aborto resiste às pressões ideológicas e econômicas da própria União Europeia, que acaba de lançar um relatório em que pede a descriminalização do aborto em todos os seus 27 países-membros. Além disso, o documento advoga pela classificação do aborto como um “direito da mulher”.

Trata-se do “Relatório sobre a situação da saúde e direitos sexuais e reprodutivos na UE, no âmbito da saúde da mulher”, ou, simplesmente, “Relatório Matić”, por ter sido proposto pelo eurodeputado croata Predrag Fred Matić, de centro-esquerda. O relatório será votado no Parlamento Europeu neste próximo dia 23 de junho e pede que a União Europeia reconheça o “direito ao aborto”, além de limitar a objeção de consciência entendida como “negação de assistência médica”.

Grupos pró-vida questionam a própria natureza do documento, que extrapola as competências da União Europeia e viola o que deveria ser respeitado como prerrogativa de cada país-membro.

O cardeal de Luxemburgo, que é jesuíta assim como o Papa Francisco, esteve em Roma e no Vaticano na última sexta-feira, dia 11, junto com outros bispos da COMECE, para uma audiência com o pontífice na qual este assunto entrou em pauta.

Em suas declarações à ACI Stampa por ocasião dessa passagem pela Itália, o cardeal afirmou:

“Devemos deixar claro que aprovar tal relatório vai contra a subsidiariedade, porque o aborto é uma questão de legislação nacional e não de legislação comunitária. Seria uma grande pena a União Europeia não respeitar a mesma subsidiariedade de que ela própria sempre fala”.

De fato, as eurodeputadas Margarita de la Pisa Carrión, da Espanha, e Jadwiga Wiśniewska, da Polônia, argumentam que o relatório não tem “rigor legal nem formal” porque “vai além das suas atribuições ao abordar questões como saúde, educação sexual e reprodução, assim como aborto e educação, que são prerrogativas legislativas dos países-membros”.

Dom Hollerich prossegue:

“A Doutrina Social voltou a entrar no debate graças ao Papa. Muitos políticos em Bruxelas falam da Laudato Si’ ou da Fratelli Tutti. Acho que eles o leram mais do que os cristãos. Há, certamente, um impulso, que também pode ser visto nas visitas a Roma: a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, esteve lá; o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, estará lá; e o presidente do grupo do Partido Popular quer vir com um grande grupo de parlamentares a Roma. Há um interesse. Mas cabe a nós dizer: se você quiser isso, tudo bem, mas há outros pontos na doutrina da Igreja que você não respeita”.

Um desses pontos é o aborto, mas não é o único. No tocante às discrepâncias, aliás, o arcebispo de Luxemburgo destaca:

“O problema da liberdade religiosa será o grande problema do futuro na Europa. Não há perseguição à Igreja: seria excessivo dizer isso. Mas, em alguns países, há, em diferentes níveis, sutis ataques à liberdade de religião e nós precisamos ficar atentos. Na Bélgica, o grupo de fiéis que pôde assistir à Missa é ínfimo. Na Irlanda não há Missas presenciais há um ano. Deve-se notar que são países onde a Igreja está com má reputação. Uma impressão justa sobre a Igreja precisa ser transmitida para se reconstruir a credibilidade. Após os casos de abuso sexual, isso é urgente para a sociedade, mas também para os fiéis, porque muitos perderam toda a esperança na Igreja. Isto tem que mudar: nós temos que nos tornar muito humildes e dar o melhor de nós com grande transparência”.

Tags:
AbortoIdeologiaJustiçaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
3
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
6
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
7
JESUS
O São Paulo
Que os mortos enterrem seus mortos: o que Jesus quis dizer com is...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia