Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 21 Fevereiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

A combinação que pode arruinar o seu sucesso profissional

BIZNES

Hunters Race/Unsplash | CC0

Orfa Astorga - publicado em 17/06/21

Algumas pessoas se concentram apenas no sucesso profissional, negligenciando a vida, sem perceber que, no destino inevitável da aposentadoria, precisam encontrar um triste equilíbrio humano fora do local de trabalho

O bom orgulho é humanamente positivo quando se origina de sentimentos nobres relacionados ao bem do ser da pessoa, como o nascimento de um filho, uma conquista acadêmica ou a estatura moral de um amigo ou parente, entre outros.

O desejo de competir também é bom quando obedece a nobres cuidados que colocam em jogo o melhor da natureza, sem prejuízo de qualquer valor.

No entanto, existe a má combinação do mau orgulho com o espírito competitivo, onde o desejo legítimo de auto-aperfeiçoamento daqueles que buscam realizar o melhor de sua natureza pessoal é substituído pelo desejo de ser e ter mais do que outros.

E o mau orgulho é insaciável.

O mau orgulho somado ao espírito competitivo

Levadas por esse sentimento, algumas pessoas se concentram apenas no sucesso profissional, negligenciando a vida, sem perceber que, no destino inevitável da aposentadoria, precisam encontrar um triste equilíbrio humano fora do local de trabalho.

São pessoas “bem-sucedidas” que, quando chegam a esse estágio, reclamam na forma de uma queixa àqueles que consideram que “devem a eles”, apegando-se a um desejo possessivo pelas coisas e pelas pessoas que as deixaram para trás.

Um sentimento que elas geralmente expressam em frases como “eles não me reconhecem ou me agradecem”, “trabalhei duro, mas foi para dar a minha família o melhor”, “aqueles amigos estavam me procurando apenas por interesse”.

A verdade é que eles fizeram tudo por orgulho e ganância, acreditando que o dinheiro ganha tudo, como o amor de uma família, o carinho e o reconhecimento de seus próprios pares.

Isso explica que, desde esse “sucesso”, eles não sabiam amar e esperavam apenas ser amados; eles não se abriram, mas exigiam tudo, desconfiados, irrepreensíveis.

Como começou o germe de seu mau orgulho?

Competitividade por orgulho

É provável que, como estudantes, eles não aspirassem a saber, mas a qualificar-se além do seu grupo, a serem os melhores, os mais destacados nisso e naquilo.

Então, na vida profissional, seus amigos, colegas de trabalho e até sua própria família tornaram-se degraus pelos quais eles subiam mais em seu sucesso pessoal.

Sucesso que significava ter a melhor casa, as melhores férias, coisas excelentes para comer e beber, tudo alimentado pelo orgulho de ser uma pessoa mais rica e poderosa que outra.

Bastava que o vizinho ou um conhecido comprasse um carro melhor, tivesse uma casa melhor ou obtivesse algum reconhecimento para que seu próprio carro, casa ou título parecesse repentinamente ameaçado.

Porque seu orgulho não se baseava no prazer de conseguir as coisas, mas em ter mais do que outros.

Para o competitivo por orgulho, é pelas comparações que ele admira suas realizações. No fundo, ele pode até ficar feliz em ver os outros em dificuldades.

Quando isso não acontece, geralmente é vítima de inveja e insatisfação.

E sempre joga para não perder. Mas aí tudo se perde, porque é precisamente no campo do amor humano que as comparações desabam.

Princípio de humildade

Nesse caminho, a passagem do tempo destaca um ser empobrecido, frustrado e intimamente angustiado pela perda de sentido que ele dera à vida.

No entanto, ele ainda tem a chance de corrigir o curso no trecho final que ainda lhe falta percorrer, uma vez que o verdadeiro significado da vida só é alcançado no final, chegando a um porto seguro por ter navegado bem.

E a virtude da humildade é como a estrela que guia o bom navegador na purificação de seu coração.

É necessário admitir que o mau orgulho diz respeito a todos nós; em maior ou menor grau, todos sofremos com esse mal e sofremos suas consequências.

Reconhecê-lo é metade da solução, uma vez que já implica um princípio de humildade, e a humildade é precisamente o seu antídoto mais eficaz.

Tags:
PecadoVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia