Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 02 Março |
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Deus é um Pai que nunca abandona seus filhos

Santíssima Trindade

Dorotheum | Public Domain

Representação da Santíssima Trindade

Philip Kosloski - publicado em 24/06/21

Às vezes esquecemos que Deus é diferente de nossos próprios pais terrenos e continua sendo o principal exemplo da verdadeira paternidade

Quando chamamos Deus de “Pai”, é tentador comparar Deus à nossa própria experiência com nossos pais terrenos.

Essa perspectiva pode muitas vezes estar contaminada por pais que deixaram suas famílias, traíram suas esposas ou foram displicentes com os filhos.

Em casos extremos, uma pessoa pode até pensar: “Se Deus é ‘pai’, ele deve ser uma pessoa terrível!”

No entanto, essa não é a paternidade de Deus.

O Papa Bento XVI refletiu sobre essa verdade da fé cristã em uma audiência geral em 2013.

Hoje, nem sempre é fácil falar de paternidade. Sobretudo no mundo ocidental, as famílias desagregadas, os compromissos de trabalho cada vez mais exigentes, as preocupações e muitas vezes a dificuldade de adaptar os balanços familiares e a invasão distraída dos mass media no interior da vida quotidiana são alguns dos numerosos factores que podem impedir uma relação tranquila e construtiva entre pais e filhos.

Apesar do que vemos ao nosso redor, Deus continua sendo um Pai fiel.

Mas a revelação bíblica ajuda a superar estas dificuldades, falando-nos de um Deus que nos indica o que significa ser verdadeiramente «pai»; e é sobretudo o Evangelho que nos revela este rosto de Deus como Pai que ama até ao dom do próprio Filho, para a salvação da humanidade.

A paternidade de Deus deve ser o exemplo para todos os pais (não o contrário).

Deus é um Pai que nunca abandona os seus filhos, um Pai amoroso que sustenta, ajuda, acolhe, perdoa e salva, com uma fidelidade que ultrapassa imensamente a dos homens, para se abrir a dimensões de eternidade. «Porque o seu amor é para sempre», como continua a repetir de modo litânico, em cada versículo, o Salmo 136, repercorrendo a história da salvação. O amor de Deus Pai nunca esmorece, nem se cansa de nós; é amor que doa até ao extremo, até ao sacrifício do Filho. A fé doa-nos esta certeza, que se torna uma rocha segura na construção da nossa vida: nós podemos enfrentar todos os momentos de dificuldade e de perigo, a experiência da obscuridade da crise e do tempo da dor, sustentados pela confiança de que Deus não nos deixa sozinhos e está sempre próximo, para nos salvar e nos levar à vida eterna.

Embora possa parecer às vezes que Deus nos abandonou, isso não é verdade.

Deus está sempre ao nosso lado. Muitas vezes é a nossa própria negação de Deus que faz parecer que Ele está distante. Não deixamos Deus entrar em nossas vidas, nós O forçamos a sair com nossos pecados, fechando nosso coração ao Seu amor.

Se quisermos saber o que é a verdadeira paternidade, lembremo-nos da imagem do Filho Pródigo, que Jesus apresenta no Evangelho.

Deus é o Pai que nos espera e está pronto para nos abraçar e realizar uma festa em nossa honra.

Tags:
Bento XVIDeusEspiritualidade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia