Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconAtualidade
line break icon

Parlamento Europeu aprova moção ferrenhamente pró-aborto

Parlamento Europeu

By artjazz | Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 24/06/21 - atualizado em 25/06/21

Deputado pró-aborto: "Um grande dia para o mundo progressista. Não deixem a história nos recordar como retrógrados".

O Parlamento Europeu aprovou uma moção ferrenhamente pró-aborto em sessão plenária realizada nesta quinta-feira, 24 de junho – significativamente, é o dia de São João Batista, o precursor de Jesus Cristo que denunciava sem panos quentes a hipocrisia dos poderosos do seu tempo.

O texto aprovado é o “Relatório sobre a situação da saúde e direitos sexuais e reprodutivos na UE, no âmbito da saúde da mulher”, comumente “apelidado” de “Relatório Matić” em referência ao seu autor, Predrag Matić, representante da Croácia no Parlamento Europeu. Aliás, nesta quarta-feira, véspera da votação, Matić chegou a declarar:

“Amanhã é um grande dia para a Europa e para todo o mundo progressista. Amanhã decidimos se colocamos a Europa como uma comunidade que escolhe viver no século XXI ou no XVII. Não deixem a história nos recordar como retrógrados”.

O “progresso” celebrado por Matić e pelos demais deputados que aprovaram o relatório inclui o aborto entre os “cuidados essenciais de saúde” e, num estarrecedor ataque frontal à liberdade de consciência e à própria natureza da medicina, (des)qualifica a objeção de consciência das instituições de saúde contrárias ao aborto como “negação de cuidados médicos”.

Recorrendo a típicas narrativas eufemísticas e à falácia abortista de que o assassinato de um bebê em gestação é um “direito de saúde sexual e reprodutivo”, o documento também define as “violações” a esse “direito” como “uma forma de violência contra mulheres e meninas”.

Parlamento Europeu aprova moção ferrenhamente pró-aborto

Agressivamente ideológica, a moção foi aprovada por 378 votos a favor. Houve ainda 255 votos contrários e 42 abstenções.

O relatório foi apresentado como uma reação àquilo que seus defensores descreveram como “retrocesso dos direitos da mulher” e “erosão dos direitos adquiridos”, em referência aos esforços pró-vida por chamar cada coisa pelo nome e denunciar que o aborto não é um direito e sim um crime de assassinato.

Do lado contrário ao radicalismo abortista posicionaram-se várias deputadas e deputados europeus, como a espanhola Margarita de la Pisa Carrión e a polonesa Jadwiga Wiśniewska. Elas questionaram a falta de “rigor legal ou formal” do relatório e denunciaram que o documento extrapola as atribuições do Parlamento Europeu, já que as questões de saúde, educação sexual e reprodução, assim como o aborto e a educação, cabem aos poderes legislativos de cada país-membro da União Europeia.

As duas deputadas acrescentaram:

“[O relatório] trata o aborto como um suposto direito humano que não existe no direito internacional. Isto é uma violação da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos principais tratados vinculantes, assim como da jurisprudência do Tribunal Europeu de Direitos Humanos e do Tribunal de Justiça da União Europeia”.

A mesma ingerência foi destacada pelo cardeal Jean-Claude Hollerich, arcebispo de Luxemburgo e presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE). Ele foi enfático ao desmentir que o aborto seja um “direito humano”, além de reforçar a denúncia de que o relatório fere o princípio de subsidiariedade alardeado pela União Europeia como um de seus fundamentos.

A COMECE, ademais, declarou “eticamente insustentável” alegar que o aborto possa ser tratado como um serviço de saúde “essencial”.

Relatório “extremo” e “radical”

Também se manifestaram a Rede Parlamentar para Questões Críticas (PNCI, na sede em inglês), um lobby católico pró-vida sediado nos Estados Unidos, que deplorou o relatório e o descreveu como “extremo” e “radical”.

O Centro Europeu de Direito e Justiça (ECLJ pela sigla em inglês), ONG sediada em Estrasburgo, na França, alertou para o fato de que a aprovação do relatório não é vinculante, mas pode servir como precedente para “expressar uma intenção pré-legislativa que pode posteriormente ser utilizada para justificar atos vinculantes”. E reforçou o alerta:

“A escolha da instituição nesta estratégia não deve ser subestimada, pois as resoluções do Parlamento Europeu são a expressão de uma opinião que o Parlamento deseja dar a conhecer”.

Tags:
AbortoIdeologiaJustiça
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia