Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconReligião
line break icon

Etiópia: padre alerta para perseguição aos cristãos pelo extremismo islâmico

Perseguição religiosa

Jeremiah Castelo | Shutterstock

Fundação AIS - publicado em 28/06/21

O padre Abiyot Desalegn descreve uma situação particularmente difícil para as mulheres cristãs

É mais um relato da violência e crise humanitária na Etiópia. O padre Abiyot Desalegn afirma que há “centenas de mortos” na região de Tigray, por causa do conflito entre forças governamentais e rebeldes nesta zona, situada a norte do país, mas afirma que “a crise já se estendeu a toda a Etiópia”. 

Em entrevista ao semanário católico da Diocese de Macau, o padre Desalegn [ele é pároco em Itang, junto à fronteira com o Sudão do Sul] denuncia também a existência de perseguição aos católicos por parte do Governo e pela Igreja Ortodoxa Etíope, e por grupos extremistas islâmicos. 

“Uma vez que o Governo mantém uma relação especial com a Igreja Ortodoxa Etíope, outras denominações – em particular os católicos, os evangélicos e os protestantes pentecostais – são perseguidas tanto pelo Estado, como pela Igreja Ortodoxa”, diz o padre em entrevista ao semanário “O Clarim”, esclarecendo que “as pessoas que abandonam a Igreja Ortodoxa são alvo de pressões por parte da própria família e da comunidade, e enfrentam maus-tratos significativos”. “Se isto não bastasse, as igrejas podem ser impedidas de conduzir celebrações religiosas”, diz ainda. 

Outro grande factor de perseguição na Etiópia – acrescenta o sacerdote – é o extremismo islâmico, em particular na parte oriental e na parte meridional do País. “Os fiéis que se convertem ao Catolicismo, provenientes do Islão, correm o risco de serem assediados e oprimidos pela família e pelos vizinhos. Em algumas regiões, os cristãos vêm-lhes ser recusado o acesso a recursos comunitários e são alvo de ostracismo e discriminação. Por outro lado, alguns cristãos estão vulneráveis à violência quando extremistas islâmicos atacam igrejas e habitações.”

O padre Abiyot Desalegn descreve uma situação particularmente difícil para as mulheres cristãs que, diz, “correm o risco de serem forçadas a casar com não-cristãos e o que se espera é que assumam a religião do marido”. “Se uma mulher se converte ao Catolicismo numa área não-cristã, o mais provável é que seja forçada a divorciar-se pelo marido e, muito possivelmente, perde a custódia dos próprios filhos”, acrescenta.

A situação das mulheres nesta região da Etiópia merece uma particular preocupação por parte deste sacerdote. “É doloroso ver mulheres trabalhar dezasseis horas por dia, todos os dias, sem a possibilidade de partilhar a responsabilidade de tomar conta da sua família”, diz, traçando um retrato duro do dia-a-dia das populações locais, a quem falta quase tudo para uma vida digna. “Trabalho no total com nove capelas e nove comunidades, sendo que estas não têm água potável, não têm escola, não têm moagens, não têm electricidade, não têm clínicas itinerantes. As pessoas adoecem com malária, não têm alimentos e as crianças não frequentam a escola. A vida é difícil tanto para os locais como para os refugiados. As pessoas pedem-me sempre que lhes ofereça alimentos e bebidas.”

Apesar de tudo, o padre Desalegn afirma que a Igreja está a crescer na região e que “há muita margem de manobra para a evangelização”, pois há muitos lugares “onde a Palavra de Deus ainda não chegou”. Uma situação que implica mais apoio ao esforço da Igreja. “Há muitas pessoas que necessitam da nossa presença, mas sem apoio financeiro é impossível. Pediram-me que abrisse novas capelas católicas em cinco lugares, mas sem apoio é difícil.”

A Fundação AIS tem vindo a acompanhar com preocupação a situação que se vive na Etiópia, especialmente na região de Tigray, a norte do país, onde tem vindo a ocorrer uma intervenção militar particularmente agressiva por parte do exército federal e de forças aliadas da Eritreia. Em Maio, a AIS dava eco da denúncia de um sacerdote, que por razões de segurança não podia ser identificado mas que falava em “fome e medo” entre as populações, descrevendo um cenário de profunda crise humanitária.

Tags:
Violência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia