Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Julho |
Santa Marta
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

Irmã Raquel deixou o noivo porque encontrou outro melhor

SOR RAQUEL

Gentileza

Jesús V. Picón - publicado em 02/07/21

Ela teve vários namorados e largou do último quando descobriu o verdadeiro chamado de Deus

A Irmã Raquel tem rosto, olhos e sorriso cheios de luz. Ela se tornou uma influenciadora nas redes sociais e traz uma história fascinante, em que reconhece que o dom da beleza não é tudo nesta vida. Prepare-se, você vai conhecer esta freira que com seu carisma evangeliza as redes sociais do mundo. Você se apaixona facilmente? Essa história vai te encantar.

Aleteia: Irmã Raquel, muito obrigado por nos conceder essa entrevista. Você pode nos dizer seu nome completo, onde nasceu, quantos anos você tem e onde mora atualmente?

Irmã Raquel: Tenho 26 anos. Meu nome é Raquel Coss Negrete. Nasci na cidade de Morelia [México], Michoacán, e atualmente moro em Mexicali, Baixa Califórnia. Mas eu cresci no extremo norte, na fronteira de Chihuahua.

-Quais são os talentos que Deus lhe deu? Quais são suas habilidades? O que você considera suas maiores virtudes?

Descobri-me como uma mulher muito espontânea, muito feliz, o que penso ser algo que sempre me ajudou na minha vocação desde que tomei esta decisão. E muito otimista. Acredito que o otimismo é um dos dons mais importantes que me ajuda e me faz sentir realizada.

“Fiz tudo mas não fiz nada”

-Como era sua vida antes de ser consagrada? Que atividades você exerceu dentro da Igreja Católica?

Antes eu costumava estudar e trabalhar. Fazia parte de um grupo de jovens, fui catequista, coroinha e também trabalhava na rádio como locutora. Essa experiência de estar no rádio aconteceu alguns meses antes de eu vir para o convento. Era uma estação de rádio católica e eu fiz de tudo, mas não fazia nada. Quero dizer: fazia um monte de coisas, mas não fazia algo que transcendesse ou deixasse uma marca.

E eu estava na universidade. Eu estudava literatura, tinha um parceiro e era feliz. Eu estava muito confortável, honestamente.

-Há quanto tempo você foi catequista? E pode-se dizer que este foi um primeiro apelo a uma vocação religiosa?

Eu era um jovem catequista. Fiquei quase seis anos nisso. Eu me dedicava a formar crianças na fé, mas de forma espiritual. Na catequese existe sempre o ensino ou a doutrina da Igreja primeiro, depois a parte humana e também a espiritual. E sempre me confiaram a parte espiritual, que foi onde eu foquei.

Sempre o que você dá, o que você compartilha, como dizer “Deus te ama” ou falar sobre oração e recitar o Rosário, também te desafia. E eu me perguntava: “Estou acreditando no que estou dizendo?”… Ser catequista foi uma experiência forte.

Uma forte experiência como catequista

-Por que ser catequista foi uma experiência forte para você?

Como minha personalidade é muito espontânea, improviso demais. Aí eles me disseram que eu não deveria improvisar, mas que tinha que me preparar, e eu era muito nervosa, nada a ver com quem sou agora! Eu era super nervosa, muito tímida, roía as unhas. Eu não conseguia ter um bate-papo na frente de alguém porque minhas mãos suava. Então foi uma experiência muito forte.

-Agora a catequese já é um ministério dentro da Igreja Católica. O que você tem a dizer sobre esta iniciativa e ação de Francisco?

Eles nos mostraram justamente o documento que Francisco nos enviou depois de termos feito as Confirmações aqui na comunidade paroquial, e vi o trabalho dos catequistas e achei que deveria ser reconhecido. Por que ensinar uma criança de 5 a 7 anos, desde a pré – escola, pré-Eucaristia, Eucaristia e depois a Confirmação; ensinar-lhes o Pai Nosso e a Ave Maria, pode-se pensar: “São coisas super simples”. Mas não é verdade, não é verdade. Ou, por exemplo, ensinar-lhes os Mandamentos, ou ensinar-lhes o que é o pecado ou o amor de Deus… Não é fácil, muito menos se forem crianças.

SOR RAQUEL

Estou muito feliz que o trabalho dos catequistas seja reconhecido, porque é um trabalho incrível. E também porque é o primeiro contato católico que as crianças têm. Lembro-me dos meus antigos catequistas e penso: “Que lindo!” Eu tenho um impacto sobre eles; e as crianças em algum momento vão dizer: “Ai, meu catequista da época …!”. Por isso estou muito feliz que seu trabalho seja reconhecido.

-A que congregação pertence e qual é o seu carisma?

Eu sou um Dominicano da Doutrina Cristã. Estamos unidos à Ordem dos Pregadores, dos Dominicanos, e o carisma é a pregação e a evangelização através do trabalho socioeducativo, da missão e da ajuda aos mais pobres. Temos creches, temos escolas. Temos duas missões ad gentes, uma na África e outra no Peru. E estamos nos Estados Unidos, África, Peru, Colômbia e México.

-Onde você está e o que está fazendo?

Atualmente, para a região, pertenço à Província da América do Norte. Então, estou quase na fronteira dos Estados Unidos. Estou em Mexicali, trabalhando em uma paróquia que é uma comunidade muito grande e que tem três capelas.

SOR RAQUEL

E trabalhamos com os dominicanos; dedicamo-nos à formação de catequistas, ministros e de todos os grupos paroquiais existentes; mas também temos missões relacionadas com a promoção vocacional dos jovens. Isso é o que fazemos.

Por que mídia social?

-Te vemos muito ativa nas redes sociais, seu sorriso, sua luz, sua espontaneidade estão se tornando virais. Por que mídia social?

Muito disso começou com a pandemia; foi um ponto de partida muito forte. Lembro que no ano passado escrevi uma carta onde pedia para ser voluntária nos Estados Unidos, porque estavam solicitando pessoas para ajudar nos hospitais, fazer despensas ou colaborar devido à situação. Então escrevi minha carta para as irmãs, entreguei, e elas me falaram: “Não, não é só você, é a comunidade, é a sua família; você vai e estará em perigo, você vai se arriscar e vai arriscar a comunidade. O que você tem que fazer é encontrar uma forma de levar o Evangelho, mas não se arriscar ou arriscar sua vida; porque você não é só você, mas também sua comunidade ”. E eu disse a mim mesmo: “Sim, é verdade.”

Então imaginei o que poderia fazer e algumas irmãs e eu começamos a fazer alguns vídeos no Facebook. Nossa intenção era que as pessoas nos questionassem ou tentassem se relacionar conosco; queríamos que soubessem que estávamos lá, apoiando-as.

As três irmãs com quem eu estava eram meio tímidas; mas uma ficou com a edição, outra ficou com a estrutura e a terceiro também recebeu a edição. E eu recebi o verbo. Foi assim que começamos.

O que aconteceu com o namorado

-Voltando à sua vocação profissional, você nos disse que tinha um parceiro. Ele era seu parceiro e você morava com ele ou ele era seu namorado? Como foi isso?

Eu tinha um namorado. Tive muitos namorados. Sempre me apaixonei com muita facilidade, sempre fui muito sentimental e isso me ajudou muito a poder me relacionar com o sexo oposto. Isso estava me ajudando muito, a ponto de quando eu tinha 15 anos, quando tive uma experiência com uma congregação, disse: “Isso não é para mim, definitivamente não é para mim.

Então comecei o ensino médio e conheci alguém que foi meu relacionamento mais longo, quase três anos com ele. E já havia um compromisso envolvido.

Preparativos

– Fale conosco, irmã Raquel, sobre o vestido de noiva e todos os preparativos. Você deixou o menino “vestido e atrapalhado”?

Ficamos noivos em outubro e foi meio espontâneo. Como a relação já tinha dois anos, se não me engano, era como um “tem que ser como um daqueles casais jovens que se casam, se apoiam e começam juntos”. Esses eram os planos, e eu estava animada, muito animada.

Ficamos noivos em outubro, mas ninguém sabia de nada, nada, nada. O tempo passou e tínhamos a data de dezembro do outro ano para casar. Nesse processo, íamos ao cartório para ver o que precisávamos, já tínhamos os papéis. Mas minha família não sabia, nem a família dele.

Já tinha ideia do que ia vestir. Seria algo muito simples.

Mas eu conheci as irmãs, e surgiram crises existenciais, tipo: “o que vou fazer da minha vida” e “não quero, mas quero”. É aí que comecei a duvidar e a me perguntar: “Será que quero mesmo dividir a vida com um homem?” Ele é muito bom e sou muito grata a ele por todos os aprendizados, mas…

“Eu entendi que o casamento não era para mim”

Com isso entendi que o casamento não era para mim. E não porque disse: “Que experiência horrível!”, mas porque não me vejo partilhando a minha vida com alguém, com ele, mas antes me vejo partilhando a vida com muitas pessoas numa perspectiva missionária, teológica, cristocêntrica.

Quando eu encontrei as irmãs, logo pensei: “Quer saber? É isso”. E ele foi super fofo e me falou: “Ok, vá ter sua experiência e eu te espero”. Então eu disse: “Não, terminamos aqui”.

“Seu namorado chorou por você, irmã Raquel?”

Não sei, quando eu disse a ele, ele ficou triste, e eu também fiquei muito triste. Claro, porque já havia história, já havia comunicação. Mesmo depois que entrei no convento, ele me procurou uma vez. A verdade é que nos encontramos novamente três anos depois. E nunca conversamos sobre isso.

Você não sente mais nada por ele?

Não. Tem um filme chamado “Of Gods and Men”, que eu não vi, mas gostei do trailer. São religiosos, acho beneditinos ou cistercienses, não sei. A questão é que, no trailer, um padre muito idoso é questionado por uma menina: “Padre, por que você nunca se casou?” E ele diz: “Tive muitos amores, muitos, muitos amores, pelos quais me apaixonei. Mas apenas um Amor me fez decidir por Ele ”.

E aí me identifico totalmente. Tive muitos amores, com os quais aprendi, e sou muito grata. Mas apenas um poderia me fazer mover, não para estagnar, mas para sair de mim mesma.

Amor com letras maiúsculas

-E quem era esse amor?

Jesus. Certamente. Um amor com letra maiúscula.

-Mas Jesus não pode beijá-la ou abraçá-la …

É até uma questão complexa, porque você não pode sentir afeto físico, mas o carinho de carícias ou beijos ou intimidade com alguém não é tudo, e não o entendemos até que estejamos aqui. Porque talvez um sorriso da minha irmã, a conversa com minha irmã ou as risadas com minha irmã me cobrem de carinho.

SOR RAQUEL
.

– Irmã Raquel, como tem sido a vida em comunidade? Amor, amizade nos momentos difíceis em que não há mãe, pai ou irmãos, mas irmãs da comunidade. Como é viver em comunidade? Esse afeto consegue se assemelhar ao da família de sangue?

Muito mais! A família de sangue sempre será sua família e você sempre vai amá-la. Mas se assemelha, sim, se assemelha! Quando você entra na comunidade, o pior é deixar sua família. Mas quando você chegar aqui e começar a interagir com as suas irmãs, claro que não será a mesma coisa, porque em casa você pode ficar com raiva e pode atirar a porta na cara da sua mãe e vai pro seu quarto se despedir mundo. Mas aqui não posso atirar a porta na superior e ir para o meu quarto, tenho que dar origem aos problemas! Você pode fugir em casa, mas não aqui. Eles podem deixar você viver assim em casa, mas não aqui.

Então sim é parecido, mas aqui ensinam você a se enfrentar, a dizer: “O que está acontecendo? O que está acontecendo? Fale, mostre com respeito ”. E isso é forjar afeto e confiança. E o afeto é semelhante porque aqui, embora não haja laços de sangue, existem laços espirituais, laços de fé inquebráveis.

Planos para a vida

-O que a irmã Raquel espera da vida, que planos ou projetos ela tem nas mãos de sua comunidade?

Eu realmente não espero nada. Desde criança tenho ideias muito malucas, e desde criança prometi não esperar nada do futuro senão viver o presente, enchendo-o de amor e relembrando o passado com gratidão. Porque, se eu espero no futuro, é como dizer que vou fazer algo no futuro. Mas, e se não houver mais vida? E se não houver tempo?

É por isso que vivo meu presente, meu hoje. E se Deus me permite continuar amanhã, então continuo com o que tenho e com o que estou dando. Por isso te digo que sou uma mulher bem improvisada, tudo vem do nada! É assim que vivo e gosto disso.

-O Santo Rosário será o melhor remédio para a alma?

Sim. Creio que o Santo Rosário e os sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia são três bases importantes; todos os três, se unidos, são incrivelmente fortes para sustentar a fé.

-Se unirmos essas 3 coisas, milagres acontecem?

Sim. Talvez não sejam milagres você ver que uma pessoa se levantou ou foi curada. Mas acontecem no espírito, e é incrível. Sempre disse que uma boa confissão é melhor do que um exorcismo.

Uma mensagem para os jovens

-Sor Raquel, que mensagem você deixa para os jovens? 

O que sempre digo aos jovens que acompanho é: “Procure sempre o que te faz feliz, aqui ou lá fora ”. Porque o que te faz feliz e te dá alegria e verdadeira felicidade nunca vai fazer mal a ninguém, nem a ti mesmo.

O coração sabe o que quer, mas entre os desejos carnais, entre as paixões, entre a concupiscência da alma e do corpo, entre os prazeres de querer, poder e ter, esse desejo é sufocado.

Eu acredito que o importante é ouvir o coração, porque o coração nunca vai dar errado, nunca! A mente pode ser perturbada, cometer erros, estar em crise, tomar decisões ruins, mas não o coração. Não é que eu seja uma pessoa muito sentimental, mas porque verifiquei e vi. Em outras palavras, se você ouvir o coração, e o coração lhe disser: “Ei! Isso vai te fazer feliz ”, então pegue, porque o coração não é guiado pelo pensamento, é guiado pelo instinto. E o instinto é naturalmente o que você deseja, e é o que realmente o faz feliz.

É isso que eu te digo: motive-se a fazer o que seu coração manda.

-Como ouvir a voz de Deus naquele coração?

Devemos ficar em silêncio. Você tem que fazer silêncio interior, silêncio exterior e, evidentemente, estar segurando a mão do Senhor para ouvir. E, claro, não negligencie o guia espiritual, isso é importante, muito importante!

Tags:
ReligiososVocação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira reza todos os dias às 3h ...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
4
menino Lázaro curado câncer
Aleteia Brasil
Brasil: família testemunha cura de menino com câncer por interces...
5
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
6
Padre Zezinho
Reportagem local
Cura pela televisão é possível? Pe. Zezinho desmascara manipulaçõ...
7
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia