Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Por que casar é melhor que se juntar?

MAŁŻEŃSTWO

MNStudio | DepositPhotos

Reportagem local - publicado em 09/07/21

O matrimônio é muito mais estável que a união livre, porque o compromisso de vida une o casal é bem diferente

A Igreja Católica enfrenta atualmente grandes desafios diante da erosão da figura do casamento em diversas sociedades, sobretudo ocidentais. A proliferação das uniões livres e dos divórcios é uma preocupação atual.

De acordo com estudos sociológicos, “observa-se uma queda muito importante da população que se casa, e um aumento importante das uniões livres. Há alguns países nos quais a situação já se inverteu: há mais uniões livres que casamentos”, afirma Fernando Pliego, pesquisador social em temas como a família.

“Esta é uma realidade muito importante diante de qualquer decisão que a Igreja Católica tomar sobre o casamento e a vida das famílias”, especificou Fernando, com base nas pesquisas internacionais que fundamentam seus estudos.

Os casamentos são mais sólidos

O especialista fez uma distinção entre o casamento e os motivos pelos quais a união livre frequentemente fracassa, e comentou que a proliferação deste tipo de uniões que se está dando atualmente com mais frequência entre os jovens “é um problema para a Igreja Católica e para todo aquele que estiver interessado em fortalecer o vínculo entre homem e mulher”.

O especialista comentou que, no casamento, “as pessoas têm um projeto claro de uma comunidade de ajuda e de amor, de cooperação; então, a expectativa e a esperança são muito fortes; por isso, ele é mais sólido, tem mais clareza e é muito mais estável que a união livre”.

Fernando acrescentou que “o casamento tem força porque tem uma expectativa, sempre e quando falamos de um matrimônio por uma religião – como a Igreja Católica. Os que entram pela união livre se separam muito mais facilmente que os que entram pelo matrimônio”.

O anterior se sustenta em que os matrimônios têm mais expectativas do que envolve um projeto de vida compartilhada, e têm uma comunidade solidária de cooperação, de carinho e de amor. “Então, como têm esta expectativa, a relação é muito mais sólida.”

O pesquisador destacou que “nem toda união livre é igual, e isso permitiria ter três estilos de trabalho com os jovens”.

Ele citou três tipos de união livre: a que é resultado de uma relação casual, sem expectativas nem projetos de futuro. Há outra que considera que é como um teste. E uma terceira na qual os jovens dizem: “Nós não nos casamos agora porque precisamos juntar dinheiro, comprar uma casa…” Nenhuma dessas três tem a força e o nível de comprometimento do casamento.

Tags:
CasamentoVirtudes
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia