Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 23 Janeiro |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

O direito humano de educar

HOMESCHOOL

Shutterstock

Ângela Vidal Gandra da Silva Martins - publicado em 13/07/21

A proposta da educação domiciliar deriva de um direito, de um bem e da liberdade

Penso que nossa Nação tem acompanhado a saga das famílias que optaram pelo homeschooling, buscando obter a aprovação para seu exercício com a devida segurança jurídica, uma vez que, além de ser um direito humano, reconhecido pela Declaração Universal em seu artigo 16,3 e inserido em nossa Constituição, em seus artigos 205, 206 e 209, foi expressamente declarado constitucional por nossa Corte Suprema, em 2018.

De fato, a questão já tramita no Congresso Nacional há praticamente 27 anos. Após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), houve forte expectativa com relação à agilização da regulamentação, contando também com grande estímulo do governo. Infelizmente, porém, ainda continuamos lutando pelo óbvio direito. De fato, clarividente, pois a família precede a sociedade e o Estado, que a protege não só pela realidade patrimonial que envolve, mas principalmente pela garantia de sua continuidade, incluindo a educação daqueles que nela são gerados ou abraçados.

Nesse sentido, desde o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, temos defendido esse direito natural – e o homeschooling como corolário e não como sistema educativo preferencial – fundamentando-nos preciosamente na liberdade constitutiva do ser humano e em sua autoderteminação ao bem, com a devida autonomia e responsabilidade, o que é claramente preconizado em nossa Carta Magna.

Por essa mesma razão, apoiamos os pais homeschoolers, mas também as escolas abertas, híbridas ou comunitárias, e, tudo o que derive da iniciativa dos pais em favor do maior interesse da criança, tendo ainda em conta que a lei acompanha a vida – e não a enjaula! – correspondendo aos legítimos anseios dos cidadãos.

No caso, se, antropologicamente, a proposta da educação domiciliar deriva de um direito, de um bem e da liberdade, e, se, sociologicamente, sua prática saudável já é uma realidade, compondo o binômio fato bom – valor bom, falta somente norma que possa protegê-la juridicamente, bem como aos interessados e à sociedade como um todo.

Por fim, o que desejamos destacar é a prioridade dos pais na escolha do gênero de educação a ser conferida aos filhos, bem como o pluralismo de ideias e concepções pedagógicas bem delineados nos referidos artigos da Declaração e de nossa Constituição.

Toda a discussão em torno dessa prerrogativa trouxe algo positivo, também promovido, de certa forma, pela pandemia. Um despertar de alguns pais para o seu fundamental dever de acompanhar o desempenho escolar de seus filhos e a comprovada eficácia para sua segurança e futura projeção profissional. Nesse sentido, estamos também construindo, junto com o Ministério da Educação, o Programa “Família na Escola”, para fomentar maior participação, evitando omissões ou simples delegação às instituições de ensino.

Esperamos que, guiados por essa perspectiva humana, jurídica e cidadã, não completemos 28 anos de luta, aprovando urgentemente a modalidade em questão e abrindo também alas para a criatividade dos pais em busca do melhor para seus filhos, como, por exemplo, as escolas comunitárias. Dessa forma, poderão oferecer para estes, com maturidade, liberdade e responsabilidade, plataforma firme para voarem alto – como águias! – em favor da sociedade.

(Publicado em Jornal O São Paulo)

Tags:
EducaçãoFamília
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia