Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 30 Novembro |
Santo André
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

3 feridas afetivas do nosso tempo

shutterstock_1948035805.jpg

RaffMaster | Shutterstock

Luisa Restrepo - publicado em 22/07/21

Estas feridas nos impedem de amar, mas podem ser curadas pelo amor que excede a nossa própria capacidade de amar: o amor de Deus

É muito comum termos algumas feridas afetivas. São, de fato, feridas que atravessam gerações e que podemos, sem dúvida, reconhecê-las em todos nós.

O problema é que muitas vezes não olhamos com o equilíbrio suficiente para aquilo que acontece em nossa mente e aquilo que está em nosso coração.

Muitas vezes, damos mais peso ao que pensamos, ao invés do que realmente sentimos. Precisamos, de fato, integrar os dois aspectos, não se opor a eles.

O Senhor, em seu Evangelho, nos ensina como integrar pensamentos e emoções. Ele constantemente nos chama para trabalhar nossos pensamentos com o coração, porque o coração tem uma maneira de “pensar e ver”, e não apenas sentir. Jesus nos convida a pensar segundo o seu Coração.

Mas a afetividade e as feridas afetivas devem ser abordadas em nossas vidas, devem ser tratadas com consciência e responsabilidade. O Monsenhor José Ignacio Munilla nos diz que existem três feridas afetivas em nosso tempo:

1. O narcisismo

É a incapacidade de transcender nosso eu. Isso torna impossível o chamado que nos é feito para nos rendermos e amarmos o nosso próximo.

O narcisista sofre muito e implora carinho em todos os lugares, pois não conheceu o amor verdadeiro. Você sempre se sente esquecido, não amado e vitimado.

Esta ferida pode ser curada com o anúncio do amor de Deus, que reestabelece a nossa autoestima. Um amor que nos enraíza na certeza de que somos amados e, assim, passamos a existir. Não somos amados por um amor fugaz e suave, mas por um amor que dá sua vida por nós.

dedicação generosa às verdadeiras vítimas da vida também nos ajuda a colocar em perspectiva a nossa condição de vitimização.

2. O pansexualismo

Em nosso mundo, uma das coisas que nos dá “liberdade” gerou grande escravidão. O sexo do amor, o sexo da própria vontade e identidade de uma pessoa, foi fragmentado.

É preciso ressignificar o que somos na unidade, sem divisão, porque ninguém pode se render sem antes possuir a si mesmo. Integrar nossa sexualidade na vocação concreta ao amor ao qual Deus nos chama.

Podemos responder a isso mostrando a castidade e sua face libertadora e integradora.

3. A desconfiança

Coronavírus: o que os católicos devem fazer?

Nasce das decepções em relação ao amor, às referências do “amor para sempre” que nos decepcionaram e das más experiências acumuladas que nos levaram a encerrar- nos na solidão.

Essas feridas nos impedem de amar, mas são curadas pelo amor que excede nossa própria capacidade. É preciso pedir ao Senhor que nos dê seu amor para que possamos amar.

Aquele que tem consciência de que o mais importante em sua vida é ser amado e chamado a amar supera essas feridas .

Contra as feridas afetivas: amar

Só quem encontra um amor maior consegue reordenar a vida a partir do tesouro descoberto, como na parábola do tesouro escondido.

Renúncias e sacrifícios são possíveis quando prevalece a motivação do amor.

É viver gozando da vocação a que fomos chamados. Nada pior do que viver a “fidelidade” e não gostar, habituar-se a ela. Esse é o drama do filho mais velho na parábola do filho pródigo.

Chaves para lutar contra as feridas afetivas

  • Não basta ser sincero, você tem que ser verdadeiro;
  • Não se conforme com a perseverança, mas busque a fidelidade;
  • Descubra a chave sobrenatural para o amor humano: o amor conjugal. Não se relacione apenas com o Senhor como um amigo ou como um pai. No amor esponsal, Deus se mostra como um marido vulnerável que deseja nosso amor. É necessário cultivar esse relacionamento em todos os estados de vida.

Enfim, nosso coração não é daquele que o quebra, mas daquele que o repara. Não importa quantas feridas tenhamos, a última palavra não vem daquele que nos feriu, mas daquele que nos restaurou.

Tags:
Amor
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia