Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Série mostra facetas menos exploradas de Elvis Presley

MUSIC; ELVIS PRESLEY

nito / Shutterstock.com

Octavio Messias - publicado em 22/07/21

Disponível no Netflix, The Searcher traz o olhar pessoal do artista 

Recentemente foi disponibilizada no Netflix a série documental Elvis:The Searcher, que apresenta um retrato íntimo da vida de Elvis Presley (1935–1977), da infância humilde cheia de privações na pequena cidade de Tupelo, no estado norte-americano do Mississipi, à trágica e solitária morte aos 42 anos, passando pelas primeiras gravações em Memphis, Tennessee, a ascensão no rádio e pela TV, o recrutamento pelo exército, a fase gospel, a carreira como astro de Hollywood e fim da carreira tocando dois shows por noite em Las Vegas. Dividida em dois episódios, a série consiste no “documentário definitivo sobre Elvis”, segundo a viúva Priscilla Presley, que oferece depoimentos íntimos sobre o artista. Além dela, os músicos Bruce Springsteen, Tom Petty e Emmylou Harris narram e comentam a história do primeiro rock star de todos os tempos. 

RETRATO FIEL

Diferentemente de biografias anteriores, que apresentam visões mais romantizadas, The Searcher cita as glórias e sublinha os tumultos na trajetória do primeiro músico a se tornar popular na televisão norte-americana. A começar pela perda do seu irmão gêmio no parto, o que levou o jovem Elvis, ainda quando criança, a cantar em frente a igrejas da comunidade para homenageá-lo. Ou a tumultuada relação com o pai, Vernon Presley, preso por falsificar um cheque quando seu filho ainda era um garoto. O relacionamento próximo com a mãe, Gladys Presley, cuja morte, em 1958, pela primeira vez desestabilizou a ascensão da estrela meteórica, gerando o primeiro hiato em sua carreira. 

Os documentários ainda ampliam a visão de como a carreira de Elvis era controlada e até manipulada pelo seu empresário, Tom Parker, por quem o artista mantinha obediência e subserviência inexplicáveis. Como quando Elvis volta a se apresentar ao vivo no começo dos anos 1970, após uma longa e frustrante carreira como astro de filmes açucarados de Hollywood – por exigência de Parker –, e manifesta o desejo de se apresentar na Europa e no Japão, para o que não faltavam convites. Mas como o empresário secretamente era um imigrante, que não poderia entrar de volta nos EUA, ele secretamente sabotou os planos do astro. E para ajudar a dissuadí-lo, arquitetou o primeiro show de música com transmissão ao vivo via satélite para todo o mundo na história, Aloha from Hawaii, de 1973, que teve 1 bilhão de espectadores. 

VISÃO ARTÍSTICA

Outro aspecto menos explorado de Elvis que aparece nas duas partes do documentário é sua genuína visão artística. Desde o início da carreira, quando foi o único artista branco a frequentar os salões de música negra do Sul dos EUA e se interessar elementos de blues, soul e gospel que se tornariam característicos do seu trabalho. Tanto que quando no final dos anos 1960, quando voltou a gravar com seriedade, fez questão de contar com músicos negros, como o conjunto de cantoras The Sweet Inspirations, que o acompanhou nos shows. E como Elvis considerava a igreja católica e a música gospel suas raízes. Quando saiu do exército após dois anos servindo na Alemanha, bandas de rock como Beatles e Rolling Stones estavam virando o mundo de ponta cabeça. Em vez de tentar acompanhar e retomar o caráter subversivo do início da carreira, Elvis optou por gravar um álbum gospel.

Depois de anos preso por contrato aos filmes de Hollywood, como a série mostra, que detestava fazer, seu verdadeiro retorno à música só ocorreu no show televisivo Elvis Comeback Special, em 1968. No documentário vemos que Elvis sofreu um branco antes de subir no palco e por pouco não desistiu. Mas também transperece como, a partir do momento em que pegou o microfone, ficou relaxado e totalmente presente. Preocupado com a escalada dos conflitos sociais nos EUA no final dos anos 1960, inflamados ainda mais pela morte de Martin Luther King, Elvis optou por encerrar a apresentação com uma interpretação brilhante de If I Can Dream, que fala sobre paz, união e um mundo mais justo. Os documentários são uma boa oportunidade de entender o homem por trás do Rei do Rock. 

Tags:
CinemaMúsica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia