Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconEm foco
line break icon

Os pais e a dinâmica do testemunho

FATHER AND SON,

Oksana Polakova | Shutterstock

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 08/08/21

Os sacrifícios que os pais fazem por seus filhos são um testemunho que nunca será esquecido, mesmo que negado em um momento de rebeldia

Em um artigo anterior (Desenhos animados perigosos?), escrevi sobre a importância dos filhos receberem um testemunho adequado dos pais, argumentando que a força desse testemunho seria maior que as influências recebidas do ambiente e dos meios de comunicação.

Fui questionado sobre o que seria esse “testemunho adequado”, que para alguns pareceu um conceito demasiadamente vago. De fato, existem muitas formas de se testemunhar, com efeitos diferentes dependendo tanto da pessoa que dá o testemunho quanto daquela que o recebe. Seria inadequado querer fazer um “manual do testemunho cristão”. Além disso, o testemunho não pode ser simulado, seguindo um plano para impactar o outro. Tem que nascer naturalmente, a partir da conduta que brota do íntimo de nosso coração.

Dito isso, sem desejar querer fazer um esquema, traço algumas características que, ao longo dos anos, tenho encontrado nas pessoas e encontros que me parecem ser testemunhos mais impactantes, no bom sentido, e adequados às pessoas. Insisto que não se trata de um esquema ou de uma “fórmula” a ser seguida, apenas a constatação de algumas evidências. Como esse domingo, em particular, é Dia dos Pais, é bom também esclarecer que essa reflexão vale para pais, mães e todos aqueles que se sentem chamados a dar um testemunho cristão.

Testemunhar a ação de um Outro

É comum que pais, professores e líderes queiram demonstrar a sua potência e coerência, mostrar o quanto são bons. É uma aspiração natural, que pode nascer de um justo desejo de se mostrar correto e confiável para aqueles que amamos ou de um não tão justo desejo de ser seguido e obedecido pelos demais.

Mas a primeira característica importante do testemunho cristão é justamente que retrata a ação de um Outro, não a nossa. É Deus quem age, ainda que por meio de nós e com a nossa colaboração. Isso faz toda a diferença. Se nossos pais são muito bons e muito fortes, sentimos a obrigação moral de sermos como eles. Quando nos percebemos ajudados e somos bem-sucedidos, essa obrigação moral conta como um grande incentivo. Mas, quando falhamos – e todos nós falhamos em algum momento – essa obrigação parece um peso a mais para ser carregado, um fardo e não um apoio. É uma experiência diferente daquela que transmitimos ao testemunhar que é Deus quem faz, por nós e em nós. Nesse caso, a alegria não deixa de existir no momento da coerência e do sucesso, mas existe uma possibilidade de ternura e amparo também na fraqueza. É uma vivência que suscita muito mais afeto e paz.

Em segundo lugar, esse testemunho refere-se a uma vida plena de sabor e de sentido. De que vale viver com responsabilidade, seguindo o que há de mais nobre na natureza humana, fazendo o bem aos demais, se a vida não tem sabor, é cinzenta e opaca, esmagada pelo peso dos acontecimentos? Muitas vezes é assim que os filhos veem a seus pais. Podem até se sentir imensamente gratos a eles por seus sacrifícios, mas não querem viver como eles.

É particularmente nessa brecha, a da aparente falta de sentido e sabor na vida e nos ensinamentos dos pais, que se infiltra aquilo que chamamos de “más influências”. Se a vida dos pais não vale a pena, parece justo procurar outros atrativos que ajudem a ser alegre, a obter a felicidade pela qual todo ser humano anseia. Nesse caso, não são os maus exemplos que são fortes, é o nosso exemplo de beleza que é fraco. E o bem e a verdade não conseguem se firmar se não estão iluminados pela beleza…

A semente de felicidade

É importante que os jovens recebam testemunhos tanto de coerência, compromisso com o que é bom e justo, quanto de felicidade, alegria de viver. Mas o primeiro testemunho é o da felicidade, pois quem é infeliz dificilmente poderá levar a felicidade a outros. Fique claro que a felicidade não equivale à satisfação de nossas vontades, lição difícil de ser aprendida por todos, ainda mais nesses tempos de hoje. Além disso, os sofrimentos da vida podem embaciar o brilho da felicidade, não seria justo ocultar essa verdade.

A questão é que, para os cristãos, a felicidade não se identifica com a simples satisfação das vontades ou ausência de sofrimentos. Somos felizes porque fazemos a experiência de sermos amados que preenche a realidade de sentido e a vida de sabor. E é por isso que também somos capazes de amar. Esse sentido e esse sabor não anulam a dureza da vida, mas nos permitem conhecer pelo menos uma semente de felicidade que tende a se expandir por toda a existência. É essa semente, grande ou pequena, depende das condições e da liberdade humana, que – com a graça de Deus – semeamos nos jovens com o nosso testemunho.

A coerência que importa

A coerência também é muito importante nesse testemunho. Contudo, a coerência que importa não é a do seguimento a regras e normas sociais, ou do esforço pessoal para chegar ao sucesso. A coerência que realmente importa é aquela do amor. Os cristãos anunciam o amor de Cristo, é fundamental que os jovens vejam nos adultos cristãos pessoas que agem segundo esse amor.

Amar também pode significar corrigir e exortar ao bem – e novamente falamos de coisas difíceis de serem compreendidas à luz da mentalidade dominante. Mas aqui não se trata de fazer discursos moralizantes, mas de ser capaz de sacrifícios e ternura diante do outro, daquele que amamos e daquele que vemos sofrendo – e daí tirar as consequências morais justas. Jesus diz que não há mérito em amarmos só os que nos amam (Mt 5, 38-48). Do mesmo modo, nosso testemunho cristão não parece verossímil se a correção ou o anúncio dos valores não vem antecedido por provas de amor e ternura.

Os sacrifícios que os pais fazem por seus filhos são um testemunho que nunca será esquecido, mesmo que negado em um momento de rebeldia. Para os filhos, a solidariedade que os pais prestam ao que sofre orienta toda uma vida voltada ao bem. Por outro lado, a intransigência, a norma proposta sem a devida ternura, a condenação que não aceita reconciliação, até o bem vivido como formalismo se tornam dúvidas e suspeitas que corroem a mensagem cristã e a formação humana, moral e espiritual, dos jovens.

O testemunho não pode ser fingido

Nos preocupamo-nos muito com a formação de nossos filhos, com as lições que transmitimos a eles, com a coerência moral que demonstramos. Contudo, nosso único grande desafio é aderir sempre mais a Cristo, deixarmo-nos determinar pelo Seu amor por nós… E, no devido tempo, respeitando a liberdade humana, tudo mais nos será acrescentado (cf. Lc 12, 29-34) – inclusive o testemunho que daremos a nossos filhos.

Tags:
paisValoresVirtudes

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia