Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 19 Setembro |
Santos Mártires coreanos (AndréKim Taegon, Paulo Chong Hasang e 101 companheiros)
home iconReligião
line break icon

Menino de 8 anos acusado de blasfêmia no Paquistão foi preso e sofreu risco de pena de morte

Paquistão

ARIF ALI I AFP

Francisco Vêneto - publicado em 13/08/21

A lei antiblasfêmia em vigor desde 1986 é frequentemente instrumentalizada para perseguir minorias religiosas no país

Um menino de 8 anos acusado de blasfêmia no Paquistão foi preso e sofreu risco de pena de morte. Segundo o jornal britânico The Guardian, ele ficou detido durante uma semana sob custódia policial e foi libertado após pagamento de fiança.

O alegado crime de blasfêmia atribuído ao menino foi o de urinar propositalmente em um tapete na biblioteca de uma madrassa, escola religiosa islâmica, na província do Punjab, perto da fronteira com a Índia.

Aliás, o menino e sua família são hindus e tiveram de se esconder para escapar de um furioso ataque da população local, majoritariamente muçulmana. E não apenas eles: muitos outros hindus da região chegaram a ter de fugir de casa, ainda segundo o The Guardian, porque uma multidão islâmica invadiu um templo hinduísta com paus e barras de ferro depois da soltura do menino.

Um membro da família da criança declarou ao jornal que o menino sequer tem noção do que seja blasfêmia, nem entende qual teria sido o tão grave crime que o levou a merecer uma semana de prisão. Ele acrescentou:

“Toda a comunidade está assustada e temos medo de represálias. Não queremos voltar para esta área, não vemos ações concretas sendo tomadas quanto aos culpados, nem para proteger as minorias que vivem aqui”.

A polícia local declarou que está em busca dos agressores, mas ninguém foi detido. O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, condenou o ataque, pressionou a polícia a agir e afirmou que o governo vai custear a restauração do templo. O ministério de Assuntos Exteriores da Índia também protestou formalmente contra a violência e exigiu segurança para os hindus que moram no país vizinho.

Menino de 8 anos acusado de blasfêmia

O nome do menino que esteve em risco de ser condenado à morte não foi divulgado pelo The Guardian, embora a sua identidade seja publicamente conhecida no Paquistão. Ele é a pessoa mais jovem já acusada até hoje do crime de “blasfêmia” desde a promulgação da assim chamada “lei antiblasfêmia” no Paquistão em 1986. No entanto, está bem longe de ser o único.

Desde que entrou em vigor, essa legislação já impôs o seu peso, frequentemente desproporcional e injusto, sobre as costas de pelo menos 230 cristãos, além dos seguidores de outras religiões. Os dados são da própria Comissão Nacional de Justiça e Paz (NCJP) do Paquistão.

O caso mais famoso internacionalmente foi o de Asia Bibi, mulher católica, esposa, mãe de cinco filhos, condenada a morrer enforcada porque bebeu água de um poço do seu próprio vilarejo e, em decorrência, foi acusada por um grupo de mulheres muçulmanas de ter contaminado a água pelo simples fato de ser cristã. Asia Bibi reagiu questionando a fé das suas acusadoras e foi denunciada por “blasfêmia”. Passou quase dez anos presa, os últimos dos quais numa cela fria e mal iluminada do corredor da morte, sem saber o dia nem a hora em que, a qualquer momento, poderia ser assassinada. Diante de uma repercussão inusual no exterior, fomentada com grande empenho por grupos cristãos que tiveram a coragem de não se calar, a Corte Suprema do Paquistão revogou em 2018 a sua condenação à morte. Mas Asia Bibi, junto com sua família, teve de abandonar a própria nação para não acabar assassinada pela horda de fanáticos que queriam vê-la executada de qualquer maneira, mesmo após a sua soltura.

Este processo acabou chegando a uma resolução positiva apesar dos anos de absurdo tormento, mas, desde 1990, mais de 20 cristãos foram executados no Paquistão sob a acusação genérica de “blasfêmia”.

Saiba mais sobre a lei antiblasfêmia do Paquistão:

Tags:
CristãosJustiçaMuçulmanosPerseguição

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
7
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia