Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 07 Dezembro |
São Ambrósio
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Por que tantas tragédias no Haiti?

HAITI

Reginald LOUISSAINT JR / AFP

Jaime Septién - publicado em 19/08/21

Morte do presidente, terremoto, violência e pandemia afundam o país no caos político, econômico e social

Haiti, agosto de 2021. As autoridades falam em 1.400 mortos, 7.000 feridos, milhares de casas e hospitais destruídos e rede de saúde saturada, principalmente na região sudeste do país. Os números são consequências do grave terremoto que atingiu o país recentemente.

De fato, o terremoto aconteceu pouco mais de um mês após o assassinato do presidente Jovenal Moïse. Junte-se a isso uma cadeia de infortúnios que afunda cada vez mais no caos esta que foi a segunda república do continente americano a conquistar sua independência (1791, só depois dos Estados Unidos). Podemos citar: a pandemia de coronavírus, a violência desencadeada nas ruas por gangues criminosas, a fome, as condições insalubres e a instabilidade política.

Haiti: vítima de quem ou do quê?

Depois do terremoto de sábado, 14 de agosto de 2021, o historiador francês nacionalizado mexicano, Jean Meyer, escreveu um artigo no El Universal, no qual pergunta: “Haiti: vítima de quem ou do quê? Da natureza que a atinge com tremores e ciclones? De seus vizinhos imediatos ou distantes? De uma longa história que começou com a cana-de-açúcar e a escravidão? Ou de seus líderes após a independência? “

Talvez de uma mistura de tudo isso. Meyer cita o escritor haitiano Lyonel Trouillot: “Nosso país não é amaldiçoado. As realidades são consequências das ações humanas, daqueles que nos governam”. E também do que diz respeito ao enorme atraso que a população sofre. A vizinha República Dominicana, segundo o historiador Jean-Marie Théodat, é hoje dez vezes mais rica que o Haiti, “com uma população semelhante e os mesmos riscos climáticos”.

É verdade que o Haiti e a República Dominicana compartilham o território. Portanto, a força dos furacões os atinge com a mesma intensidade. Mas a infraestrutura do Haiti é muito menos resistente ao ataque da natureza. E outro fato: a falha que permite tremores de maior intensidade no Haiti do que no país vizinho – a falha Enriquillo-Plantain Garden – começa no Lago Enriquillo, no sudoeste da República Dominicana, bem próximo à fronteira com o Haiti.

Enquanto a base continuar podre, o Haiti não se recuperará

A falha que produz os movimentos tectônicos atravessa a península de Tiburon, onde está Les Cayes (a cidade mais afetada no recente terremoto) e a área centro-sul do país, onde fica Porto Príncipe, a capital e o centro da devastação após o terremoto de 2010. Nisto se difere da parte oriental da ilha, onde também está localizada a República Dominicana.

“É frequentemente mencionado que os edifícios no Haiti não são construídos com os mesmos padrões que os edifícios na Califórnia, Nova Zelândia ou Chile (todos no Círculo de Fogo do Pacífico), onde terremotos são comuns. Mas isso não explica todo o quadro. Como o Haiti é frequentemente afetado por tempestades ou mesmo furacões, as construções estão mais preparadas para os golpes do tempo do que para os movimentos da terra ”, disse a geofísica Susan Hough à CNN.

Além disso, outra questão fundamental pela qual o Haiti não se recupera e sofre devastações como a que está acontecendo agora é a questão da corrupção governamental. “Enquanto a base permanecer podrem, o Haiti não será capaz de avançar”, enfatizou Théodat. “No passado, o Haiti se beneficiou de muita ajuda, especialmente após o terremoto de 2010”, explica Meyer em seu artigo no El Universal.

No entanto, essa ajuda não chegou ao povo haitiano; em vez disso, favoreceu grupos governamentais. “Todas as grandes ONGs trabalham ativamente no Haiti, e as igrejas também, especialmente a católica. Obra de Sísifo. Hoje a população está tão exausta, a violência tão presente, que não dá para ver o que os haitianos podem fazer sozinhos ”, finaliza Meyer.

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia