Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 20 Setembro |
Santos Mártires coreanos (AndréKim Taegon, Paulo Chong Hasang e 101 companheiros)
home iconEm foco
line break icon

Numa época de informação e desinformação, será possível confiar? 

Antoine Mekary | ALETEIA

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 22/08/21

O diálogo com o outro, com aquele que pensa diferente, é um caminho inevitável para quem quer realmente encontrar a verdade

Como vimos no artigo anterior, que partia da polêmica sobre as urnas eletrônicas, frequentemente convivemos com dúvida sobre as informações e os meios de comunicação atuais. Mas o comportamento desinformado é, forçosamente, irracional e desordenado. Sempre que temos dúvidas sobre o que está realmente acontecendo, o certo e o errado, nos tornamos mais inseguros, manipuláveis, amedrontados e ressentidos. A confiança cega, por outro lado, é uma falsa alternativa. Pode nos dar segurança, mas nos torna ainda mais facilmente manipuláveis.

No mundo das ideias humanas, quanto mais conhecimento, mais incerteza. Os bons cientistas sempre souberam disso. A certeza que nasce da fé é uma convicção firme que não pode ser confundida com a relatividade inerente às nossas afirmações. Por outro lado, uma dúvida infundada não é sinal de sabedoria, apenas de insegurança.

Não tenhais medo!

Bento XVI,  no discurso que deveria proferir na Universidade Estatal de Roma La Sapienza, escreveu que o conhecimento nos torna tristes. Saber dos sofrimentos humanos, dos desrespeitos à dignidade de tantos e dos malfeitos dos poderosos – continuamente apresentados e comentados em nossas mídias e redes sociais – nos causa tristeza, ressentimento, desconfiança, medo e raiva.

Contudo, segundo o Papa, o otimismo pode nascer a partir do conhecimento da verdade e do bem, que pode superar a tristeza, o ressentimento e a raiva. Também no conhecimento das coisas do mundo, a fé, a esperança e a caridade andam juntas. Para ter confiança no conhecimento, precisamos ter a esperança bem fundamentada de que a verdade sempre se manifestará, e estarmos imbuídos de um desejo de bem que justifica os nossos esforços. Para nós cristãos, Jesus é o centro da fé, a razão da esperança, o motivo da caridade.

“Não tenhais medo de acolher Cristo e de aceitar o Seu poder! […] Hoje em dia muito frequentemente o homem não sabe o que traz no interior de si mesmo, no profundo do seu ânimo e do seu coração, muito frequentemente se encontra incerto acerca do sentido da sua vida sobre esta terra. E sucede que é invadido pela dúvida que se transmuta em desespero. Permiti, pois […] permiti a Cristo falar ao homem” (São João Paulo II, Homilia de início de pontificado).

Se a experiência cristã não nos traz uma serenidade que é inconformista e ativa, mas livre do medo, do ressentimento e da raiva, é sinal de que não estamos ouvindo a Cristo, mas sim a nossas próprias ideias, ou às ideias de algum guru disfarçado de mestre cristão. O cristianismo não dá resposta a todos os problemas da sociedade – e nem se propõe a tal, pois isso eliminaria a liberdade e o valor do esforço humano – mas nos dá a serenidade, a segurança e o amor para procurarmos as melhores respostas.

Amar mais a verdade

Luigi Giussani, autor que cito frequentemente, em O senso religioso (Jundiai: Paco Editorial, 2017), mostra que o conhecimento não é apenas uma questão de informações e raciocínios, mas implica também um envolvimento moral, que mobiliza toda a pessoa, em sua busca pela verdade. Sintetizava essas ideias com a expressão “amar mais a verdade do que as próprias ideias”. 

Para amar mais a verdade do que as próprias ideias, precisamos de um grande desapego – algo que, olhando friamente, pode parecer impossível. Só os muito amados e os grandes amantes são capazes de tal desprendimento. Por isso, para os cristãos, como dizia São João Paulo II, no trecho acima, é preciso entregar-se a Cristo para encontrar a verdade, que tranquiliza o coração e supera a dúvida. Também por isso, aqueles que vivem querendo mostrar raivosamente os erros dos outros, não estão com a verdade, que se manifesta no amor de Cristo por nós e de nós para com nossos irmãos.

Veemência não é segurança

É comum seguirmos pessoas que falam com muita erudição e veemência, pois acreditamos que são convincentes porque estão mais próximas da verdade. Grande engano! A erudição demonstra muitas informações, mas não obrigatoriamente sabedoria para guiar os demais. A veemência está mais ligada à necessidade de convencer o outro do que à própria convicção. Nos debates é comum as pessoas mais inseguras, com menos argumentos racionais, serem as mais veementes. Querem, a todo custo, se autoconvencer que estão certas e evitar o constrangimento de reconhecer que estão erradas. 

Esses comportamentos geraram a crença de que a falta de convicção seria necessária para uma postura de diálogo. Quem não tivesse convicções firmes estaria aberto a ouvir as razões do outro. Na prática, o que acontece é o contrário. A falta de convicções gera o relativismo, a suposição de que ninguém tem a verdade. Ora, se ninguém tem a verdade, cada um pode ficar com as próprias opiniões, sem precisar interagir com quem pensa diferente. Onde parece haver um clima de harmonia e conciliação, existe na verdade indiferença e individualismo.

Para que haja uma busca frutífera pela verdade, temos que ter convicções firmes sobre o fundamental, mas estarmos dispostos a mudar sempre que novos argumentos demonstrem nossos erros. Quando temos essa postura, não queremos nos impor aos outros, nem temos medo de que os outros se imponham a nós ou àqueles que amamos.

O caminho para a verdade passa pelo diálogo

O diálogo com o outro, com aquele que pensa diferente, é um caminho inevitável para quem quer realmente encontrar a verdade. A recusa a aceitar que o outro possa estar dizendo a verdade é nosso maior obstáculo para chegarmos à verdade. A realidade é sempre muito complexa, cheia de detalhes e aspectos diversos. Só Deus consegue abarcá-la inteiramente. Cada um de nós consegue captar algumas facetas da realidade e procura, a partir daí, compreender o todo.

Como partimos de facetas diferentes, mesmo sendo honestos conosco mesmo e seguindo raciocínios lógicos, podemos chegar a conclusões diversas. Isso não quer dizer, como supõem o relativismo, que qualquer conclusão é igualmente válida. Algumas são, inevitavelmente, mais amplas e bem fundamentadas do que outras, ou seja, são mais verdadeiras, mais próximas da realidade tal qual ela é. Isso não quer dizer que as conclusões erradas não tenham aspectos justos e que devem ser valorizados.

Por exemplo, pessoas de esquerda costumam considerar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) do teto de gastos, que impede o aumento dos gastos públicos por vários anos, um absurdo. Se tentarem compreender as razões do lado contrário, reconhecerão que a proposta nasceu num contexto de crise financeira do Estado, em que não se conseguia encontrar uma solução política para o problema e que, de fato, o governo brasileiro frequentemente gasta mal o dinheiro público, não aplicando nem no bem dos cidadãos, nem na infraestrutura econômica. Por outro lado, as pessoas de direita consideram essa PEC essencial e inegociável. Se tentarem entender as razões da esquerda, verão que um Estado que gasta de forma conscienciosa, aplicando bem os recursos e planejando o pagamento de suas dívidas, não precisa desse tipo de amarra legal. Antagonistas de cada um dos lados não precisam convencer-se que o outro está certo, mas se entenderem suas razões, provavelmente poderão chegar a soluções melhores do que aquelas a que chegariam sozinhos. 

Quando procuramos entender o outro, nossa visão da realidade sempre se amplia e as posições contrárias deixam de nos parecer ameaçadoras, pois conseguimos aderir ao que têm de verdadeiro e apontar com serenidade aquilo que têm de errado. Além disso, nos tornamos mais amigos uns dos outros e os dois lados ganham mais liberdade para reconhecerem seus erros e acertos.

Tags:
DiálogoDoutrina Social da IgrejaPolíticaSociedade

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
7
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia