Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 09 Dezembro |
São Cipriano de Genouillac
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Regime comunista chinês paga cidadãos para denunciarem cristãos

Regime comunista chinês

gopixa/Shutterstock

Francisco Vêneto - publicado em 25/08/21

Não se trata de nenhuma novidade num regime ditatorial de extremo controle da população, como é o caso do sistema comunista

O regime comunista chinês paga cidadãos para denunciarem cristãos e outras minorias religiosas consideradas “ilegais”, o que se aplica a todos os que abraçam uma fé religiosa que não esteja previamente censurada e aprovada pelo governo ditatorial de Pequim.

As informações foram publicadas pelo site China Christian Daily. Segundo a matéria, o partido comunista determinou que os cidadãos se espionem mutuamente e delatem toda “atividade religiosa ilegal”. Inicialmente implantada em áreas do nordeste da China, a medida recompensa cada denúncia comprovada em até 150 dólares. É o que está ocorrendo, por exemplo, na cidade de Qiqihar, na província de Heilongjiang, cuja administração chegou a publicar um documento intitulado “Sistema de Recompensa para Denúncias de Crimes de Atividades Religiosas Ilegais”.

O objetivo declarado é o de “fortalecer o controle das atividades religiosas ilegais no distrito, prevenir qualquer contágio por covid-19 resultante de reuniões religiosas, mobilizar o público para se engajar na prevenção e repressão de atividades religiosas ilegais e garantir um ambiente harmonioso e estável para o cenário religioso”.

Regime comunista chinês paga quem denuncia cristãos

Não se trata de nenhuma novidade num regime ditatorial de extremo controle da população, como é o caso do sistema comunista. Na falida União Soviética, a delação entre cidadãos também era fortemente incentivada. Na China sob controle do Partido Comunista, esse mesmo tipo de prática vem sendo denunciado há tempos por organismos internacionais de defesa dos direitos humanos. Há registros de sistemas semelhantes de recompensa por delação de práticas religiosas em cidades e províncias como Fujian, Guangxi, Henan, Hebei e Liaoning.

Segundo a organização Christian Concern, que monitora a perseguição religiosa contra os cristãos no mundo todo, “é evidente que as igrejas domésticas estão sendo suprimidas” na China.

O regime de Pequim impõe aos católicos locais que se filiem à assim chamada Associação Católica Patriótica Chinesa, que, apesar do nome, nada tem de católica. É uma entidade criada pelo próprio governo, sem qualquer vínculo com a Santa Sé, visando controlar os católicos e impedir a sua obediência ao Papa.

Tags:
comunismoIdeologiaPerseguiçãoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia