Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 19 Janeiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Devemos obedecer a todas as leis humanas? Nem sempre!

MARCH FOR LIFE 2021; WASHINGTON

JEFFREY BRUNO

Vanderlei de Lima - publicado em 29/08/21

Somos, em consciência, obrigados a seguir todas as leis justas

Para bem entender o assunto, importa recordar com São Tomás de Aquino († 1274) que a Lei é “uma determinação da razão em vista do bem comum, promulgada por quem tem o encargo da comunidade” (Suma Teológica I-II 90, 4 ad 1. Cf. Dom Estêvão Bettencourt, OSB. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2014, p. 417). 

Daí a lei positiva humana ser aquela sancionada pela autoridade tendo em vista aplicar, concretamente, a Lei de Deus às circunstâncias em que vivem os homens. Via de regra, deve ser obedecida (cf. Mt 16,24; Lc 2,51; Mt 17,24-27; Mt 26,47-55), pois devido ao pecado original, que afeta a todos os seres humanos, é preciso ter normas seguras aptas ao cerceamento da maldade no mundo. Sem tais leis, os bons perderiam – por própria covardia ou por sedução dos maus – o ânimo na prática do bem ou seriam arrastados, por suas próprias más inclinações, aos atos errados (cf. Rm 13,1-3). 

Isto posto, surge uma importante pergunta: Devemos, enquanto católicos, seguir, indiscriminadamente, todas as leis que provenham das autoridades civis, ou podemos nos opor a algumas delas? – A resposta será formulada em quatro breves tópicos: 

1. Somos, em consciência, obrigados a seguir todas as leis justas. Elas, pelo fato de, em sua natureza, serem justas, ajudam-nos a melhor professar a lei de Deus da qual são ecos fiéis (cf. Rm 13,1-5; Mt 22,21; 1Pd 2,13s; Tt 3,1; Pr 8,15). Quem as desobedece há de arcar com as consequências no plano natural e sobrenatural.

2. As leis que preceituam o impossível não obrigam. Entenda-se aqui como algo impossível aquilo que supera a capacidade física ou psíquica de alguém. Não devemos, contudo, confundir o impossível com o difícil. Pode, por exemplo, ser difícil para alguns a obediência a determinada autoridade, mas isso não isenta a pessoa de ser obediente. Deus dá a graça necessária para que cada um resista à tentação de desobedecer (cf. 1Cor 10,13). O impossível, porém, seria o Estado fazer uma pessoa que ganha um salário mínimo para sustentar a si e à família ter de pagar, além de todos os impostos embutidos no que usa, mais 30% de tributos extras. Em consciência, tal cidadão não está obrigado a esse pagamento, pois lhe seria impossível arcar com mais essa despesa sem deixar de suprir as necessidades básicas de sua família.

3. As leis injustas não obrigam. Uma lei é injusta quando quem a fez (o legislador) ultrapassa os limites de sua competência, colocando-se no lugar de Deus. É injusto, do ponto de vista moral, por exemplo, o Estado intervir em matérias religiosas que fogem à sua alçada, como quando tenta impedir que os fiéis tenham liberdade de prestar culto a Deus ou não lhes permite viver – em seu ambiente familiar, de trabalho ou de lazer – de acordo com os princípios de sua reta fé e moral.

4. As leis desonestas não obrigam a ninguém. Uma lei que obrigue a algo imoral (assassinar uma criança inocente e indefesa no ventre materno por meio do aborto, por exemplo) não tem poder moral de obrigar alguém a cumpri-la. Razão? – Se todas as leis devem ser subordinadas à Lei Natural Moral, as que fogem dessa subordinação perdem a sua força.

Portanto, as leis humanas só devem ser seguidas se estiverem em conformidade com a Lei de Deus. Não se pode, pois, forçar um ser humano livre a fazer algo contra a Lei do Criador gravada em sua consciência. O fiel que é colocado no difícil dilema de ter de obedecer à Lei Divina ou à lei humana, pode resistir a cumprir esta última, pois “mais vale obedecer a Deus do que aos homens” (At 5,29). 

O que expusemos está em plena concordância com o Catecismo da Igreja Católica, números 2242-2243, e também com o Compêndio da Doutrina Social da Igreja, números 393-395 (Leis humanas e autoridades) e 396-398 (Força moral das autoridades), e podem ser melhor estudadas em nosso livro Obedecer antes a Deus que aos homens: a objeção de consciência como um direito humano fundamental, publicado pela Cultor de Livros, de São Paulo.

Tags:
Sociedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia