Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconEm foco
line break icon

Lições da vitória talibã

Afghanistan

john smith 2021 | Shutterstock

Francisco Borba Ribeiro Neto - publicado em 29/08/21

As condições para a chamada “guerra justa” podem ser sumarizadas numa frase

Assistimos estarrecidos à fulminante vitória talibã no Afeganistão, depois de 20 anos de presença militar norte-americana na região, com um investimento militar avaliado em US$ 2 trilhões. Esse valor é mais de 4 vezes maior que o produto interno bruto (PIB) estimado para o Afeganistão nesses anos todos!

Uma série de erros, surpreendente na máquina de guerra mais poderosa do mundo, que são as Forças Armadas dos EUA, levaram ao desfecho vergonhoso para uns e trágico para milhões. Desde a Guerra do Vietnam, pelo menos, militares de todo o mundo sabem das dificuldades de tropas regulares enfrentarem guerrilheiros em locais com acesso difícil e populações hostis, como era o caso do Afeganistão.

Por outro lado, a ocupação militar e o apoio a líderes políticos locais sem respaldo popular também são estratégias de poder que não se mostram eficientes nos tempos atuais. Novamente trata-se de uma constatação das várias guerras travadas no Oriente Médio nos últimos 30 anos, que tem deixado um longo rastro de terrorismo, genocídios e opressão.

A falácia da “guerra justa”

A Igreja, em sua sabedoria histórica, tem questionado o uso da violência e da força para garantir a paz. As condições para a chamada “guerra justa” (cf. Compendio da Doutrina Social da Igreja, CDSI 497-515) podem ser sumarizadas numa frase: só é justa a guerra que é inevitável. Geralmente, o próprio fato de se ter que justificar uma guerra já atesta que ela é injusta, pois poderia ser evitada.

Já em seu discurso para o Dia Mundial da Paz de 2002, São João Paulo II alertava para o perigo de uma reação militar desproporcional ao terrorismo, que não criasse uma paz efetiva. Os EUA estavam ainda em choque com o atentado de 11 de setembro, mas a imprensa norte-americana identificou no discurso um claro alerta para o perigo do emprego excessivo da força no Afeganistão, que havia sido invadido para combater os terroristas da Al-Qaeda.

“Desenvolvimento é o novo nome da paz”, concluía São Paulo VI na encíclica Populorum progressio. Mas o Afeganistão, apesar de todo o investimento militar norte-americano e do avança recente no reconhecimento dos direitos humanos, permanece um dos países com menores índices de desenvolvimento humano (IDH, que reflete a situação de renda, saúde e educação da população).

Governos sem legitimidade levam à violência

Apesar de formalmente democrático, o governo afegão não contava com apoio popular. Nas últimas eleições, votaram apenas 1,8 milhão de habitantes, numa população de 39 milhões. A corrupção era reconhecidamente endêmica.

O exército afegão, apesar de muito bem armado, não recebia suprimentos adequadamente e estava desmotivado. Rendeu-se a tropas mal equipadas, muito inferiores numericamente, mas fortemente motivadas. Seus modernos equipamentos e armas desfilam agora sob o controle talibã. O investimento armamentista norte-americano na região enriqueceu a indústria bélica dos EUA, mas agora serve aos seus inimigos.

A vitória talibã mostra a todos nós que o bem comum não pode ser construído com a violência e alianças corruptas. O uso da força é sempre a última alternativa e, se absolutamente necessário, deve cessar assim que possível. Raiva e violência trazem mais raiva e violência, numa espiral que só pode ser parada pelo perdão e o diálogo sincero. Muitos se aliam a corruptos para conseguir o poder ou manter-se nele. Tais estratégias podem garantir ganhos pessoais, geralmente pouco lícitos, mas não o bem comum.

E se o Afeganistão fosse aqui?

De tempos em tempos, os brasileiros criam certas identificações com as tragédias de outros países e muitos passam a agir orientados pelo temos (nem sempre realista) de que coisas semelhantes aconteçam entre nós.

Assim foi, por exemplo, com o “efeito Orloff”, “eu sou você amanhã”, que ameaçava os brasileiros de terem no futuro uma crise econômica similar à da Argentina. Até hoje ouvimos falar do perigo de nos tornamos uma grande Cuba – ou então que o PT ou Bolsonaro vão nos transformar numa nova Venezuela…

Não temos esse medo em relação ao Afeganistão. Nenhum grupo fundamentalista parece ameaçar seriamente nossa democracia. Contudo, a tragédia daquele país nos mostra ao menos duas lições importantes: não apostar na violência nem deixar-se levar pela raiva, não imaginar que alianças com corruptos poderosos poderão nos garantir a paz e o nem estar social.

O compromisso cristão – e de todas as pessoas de boa-vontade – é com a política melhor, nas palavras do Papa Francisco na Fratelli tutti. nunca com a violência e a eliminação física ou moral do outro.

Tags:
Guerra

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia