Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Gestão: 3 boas razões para reconhecer seus limites

WEB2-MANAGEMENT-shutterstock_1960379689.jpg

Par eamesBot I Shutterstock

Agnès Pinard Legry - publicado em 01/09/21

A fragilidade e a aceitação dos limites levam ao relacionamento e à cooperação, gerando, assim, mais benefícios para a vida pessoal e profissional

Ultrapasse os seus limites, supere os seus medos, supere os seus bloqueios… Seja na vida pessoal ou na profissional. Você tem que ousar, deixar o medo de lado e constantemente se superar. O limite? Bem, “o céu é o limite”. 

De fato, frases como essas que você leu acima são comuns no mundo dos negócios, nos nossos círculos de amizade e até nas redes sociais. 

Disponibilidade, capacidade de resposta, versatilidade, sociabilidade, eficiência… Mas empurrar os cursores ao máximo em todas as áreas é o exemplo que o chefe de uma empresa ou o gestor deve mostrar? E para que serve a gestão?

Reconheça o limite e aceite a fragilidade

A teóloga francesa Fabienne Alamelou-Michaille, autora do livro Manager avec son âme (“Gerente com alma”), nos convida a rever a noção que temos de gestão, levando em conta a dimensão espiritual que reside em cada um de nós. 

Entre os muitos conselhos, ela identifica três motivos que levam o líder a reconhecer o limite e a aceitar a fragilidade.

Para ela, negar o limite é contraproducente. É confortável para o proprietário ou gerente de uma empresa parecer sólido, não mostrar fraquezas ou dúvidas. Mas negar o que nos torna humanos nos leva a caminhos íngremes. Gera relacionamentos contaminados com mentiras, para que apareçam e entrem no ciclo vicioso da violência em todas as suas formas. 

Aceitar os limites é, portanto, libertador. O contrário traz à tona tensões psíquicas. “Na maioria das vezes, líderes que preferem não mostrar suas falhas por acharem que isso não é aceitável para seus parceiros sofrem grande solidão e impõem-se fortes constrangimentos que, a longo prazo, são prejudiciais para eles”, explica Fabienne.

Limites, fragilidades e cooperação

Descobrir-se incompleto faz o indivíduo abrir-se para o trabalho colaborativo e reconhecer a contribuição do outro. Podemos pensar da seguinte forma: fragilidade e limites levam ao relacionamento e à cooperação. 

De fato, o líder que sabe que é vulnerável aceita a noção de falta. Mas a falta abre a alteridade! Por outro lado, o excesso de autoconfiança limita a capacidade do gerente de aceitar feedbacks, comentários e avaliações de outros, como explica a autora. “Eles podem levar a sentimentos de onipotência e envolver os líderes em planos irracionais”, esclarece Fabienne.

Ao contrário da imagem que gostamos de ter, os limites (e sua aceitação) devem ser vistos como uma oportunidade, uma abertura à colaboração. “Não é um ponto negativo, mas um ponto positivo: mais relacionamento, mais conexão”, alerta a autora.

Enfim, descobrir-nos perfectíveis nos torna abertos ao progresso e permite o progresso de todos. “Fragilidade e fracasso são fontes de emergência do radicalmente novo”, indica a autora do livro. 

Portanto, se bem compreendida, aceita e apoiada, a experiência da fragilidade é um tremendo trampolim para se revelar e progredir…Em toda a humanidade.

Tags:
Trabalho
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia