Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 13 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A vida no Haiti entre fome e funerais, três semanas após o terremoto

HAITI

Richard Pierrin / AFP)

Francisco Vêneto - publicado em 06/09/21

Responsável pelo Serviço Católico de Assistência testemunha: "uma das coisas que me mais impressionaram é o número de funerais"

A vida no Haiti continua decorrendo entre fome e funerais três semanas depois do terremoto que tornou ainda pior a já catastrófica situação do país mais pobre das Américas e um dos mais frágeis do planeta.

Em 14 de agosto, um sismo de magnitude 7,2 matou mais de 2.200 pessoas e deixou cerca de 12.200 feridos, superlotando as precárias estruturas de atendimento médico. Mais de 130 mil casas ficaram danificadas e cerca de 50 mil acabaram completamente destruídas. As estimativas do governo haitiano, que, diga-se de passagem, também está muito fragilizado institucionalmente. Fazia poucas semanas, antes do terremoto, que o presidente da República havia sido assassinado.

Grupos da Igreja Católica estão há décadas entre as instituições de ajuda humanitária mais ativas no país. Uma dessas entidades é o Serviço Católico de Assistência (CRS, pela sigla em inglês), mantido pelos bispos dos Estados Unidos.

A vida no Haiti entre fome e funerais

A responsável pelos programas do CRS no Haiti é Beth Carroll, que declarou ao Catholic News Service:

“Uma das coisas que me mais impressionaram é o número de funerais, porque isso traz uma sensação de dor avassaladora. As pessoas já estavam estressadas com a situação no Haiti e esse terremoto agravou mais ainda a condição de todos”.

A situação em questão é a longa e gravíssima crise política, social e econômica do Haiti, que parece interminável.

Desde o terremoto de agosto, o CRS tem priorizado entre as suas atividades a distribuição de kits de higiene e a disponibilização de abrigos provisórios, visando proporcionar aos haitianos uma forma de alojamento e evitar que eles precisem recorrer a tendas nas ruas.

Devido ao caos, o país enfrenta um agudo aumento na ação de gangues. Uma onda de sequestros é uma das pragas que infernizam a vida dos cidadãos.

Tags:
fomePobrezaTestemunhoTragédia
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia