Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 17 Setembro |
São Roberto Belarmino
home iconEstilo de vida
line break icon

Uma pessoa competitiva pode aprender a ser cooperativa?

CANOE

Shutterstock | Diego Barbieri

Michael Rennier - publicado em 14/09/21

Quando se trata de competição versus cooperação, há um equilíbrio: não é preciso que criemos perdedores para nos tornarmos vencedores

Quando eu era criança, meu pai tinha uma filosofia. Ele estava determinado a derrotar a mim e a meus irmãos em toda e qualquer competição esportiva até que pudéssemos vencê-lo legitimamente por nossos próprios méritos. No basquete, ele não mostrava misericórdia. Mesmo que me deixasse marcar algumas cestas, eu nunca teria permissão para ganhar.

Todas as perdas me motivaram a melhorar – e eu passei muito tempo treinando. Aprendi a lidar com perdas, estabelecer metas e trabalhar para transformar fraquezas em forças. 

Então, um dia, quando eu era adolescente, ganhei um jogo. Foi bom, porque eu sabia que merecia. Ele não me deixou vencer. Todo aquele aborrecimento, toda aquela frustração ao longo dos anos por não ser capaz de vencê-lo, se esvaíram em um instante. Até hoje eu faço questão que ele saiba que eu fui o campeão. Algum dia, meus próprios filhos crescerão o suficiente para me derrubar. É o círculo da vida.

Nós somos três irmãos e éramos naturalmente competitivos. Mas crescer não era só uma disputa. Também houve esforço cooperativo. Nós nos juntamos e lutamos contra nosso pai. Formamos uma equipe para construir uma sede do clube no quintal (garotas não eram permitidas). Incitamos um ao outro a fazer proezas físicas ousadas, aprendemos um com o outro e nos tornamos melhores.

Competição X cooperação

Quando se trata de competição versus cooperação, há um equilíbrio. Há grande valor em experimentar a competição em uma idade jovem, quando há poucas chances de perder. Tive de aprender a lidar com a frustração de perder aqueles jogos de basquete e era melhor que o fizesse o mais cedo possível. Ter um acesso de raiva quando criança faz parte do crescimento, e precisamos passar por essa fase para controlar a situação e não continuar tendo ataques de raiva quando adultos. 

Como sou uma pessoa altamente competitiva, demorei um pouco para entender que também há valor no esforço cooperativo. Quando eu era mais jovem, queria destruir a competição. Eu queria o primeiro prêmio na mostra de arte, entrar na melhor faculdade. Queria o melhor futuro possível, a melhor carreira, ser amplamente admirado. Se outras pessoas tinham que perder para que eu pudesse ter sucesso, pensava que esse fosse simplesmente o preço do jogo. Seria inevitável. Se alguém vai ganhar, então outra pessoa tem que perder. Eu iria tentar o meu melhor para ser o vencedor.

Vitória coletiva

Eu não vejo mais dessa forma. Minha opinião sobre a ideia de competição e cooperação mudou, especialmente agora que sou um pai com seis filhos e quero que todos se saiam bem. Sei que toda a minha família pode vencer em conjunto, cooperando e apoiando uns aos outros.

Também quero que minha paróquia vença, meus amigos e meu bairro. Não é uma competição para destruir todos os outros para que eu e os meus possamos vencer. Em vez disso, é uma competição em que nos engajamos juntos, cooperativamente, em muitos níveis diferentes em um cenário onde todos ganham.

Cooperação e sobrevivência

Existe uma área de estudo chamada biomimética, que trata do comportamento coletivo das plantas. Uma das pioneiras científicas da biomimética é Janine Benyus. A pesquisadora aponta que a natureza não é realmente explicada muito bem por uma teoria darwinista de sobrevivência do mais apto. As plantas não tentam competir e destruir umas às outras. O que elas realmente fazem é cooperar para ajudar umas às outras, construindo sistemas ecológicos nos quais as plantas dependem umas das outras e ajudam umas às outras a prosperar.

Na verdade, quanto mais pressão existe sobre as plantas para sobreviver em um clima difícil, mais elas cooperam. Benyus escreve: “Quanto mais estressante for o ambiente, maior será a probabilidade de você ver as plantas trabalhando juntas para garantir a sobrevivência mútua.” Uma planta sombreia outras plantas que, por sua vez, atraem polinizadores ou enriquecem o solo. As plantas maiores bloqueiam o vento e as plantas menores retribuem o favor cultivando o solo.

Lutar pelo bem comum

Há uma lição nisso para nós. Frequentemente, quando estamos sob pressão, voltamos aos velhos instintos competitivos porque acreditamos que fazer outra pessoa perder significa que podemos vencer. É uma reação de estresse, mas é a errada. A verdadeira maneira de vencer é engajar-se em um tipo de empreendimento competitivo completamente diferente, que é lutar pelo bem comum.

Assim, vejo que outros seres humanos não são meus concorrentes. Eles são minha família, meus amigos, meus vizinhos. São pessoas que quero ver bem-sucedidas. E, quando elas têm sucesso, isso significa que também tenho sucesso. 

Enfim, esses são os tipos de lições que quero ensinar a meus filhos. Não quero que eles cresçam pensando que precisam competir com outras pessoas para serem felizes, que precisam criar perdedores para que possam ser vencedores. Em vez disso, quero que vejam que a bondade deste mundo é inesgotavelmente rica. Portanto, quanto mais a compartilharmos e lutarmos por ela coletivamente, mais haverá riqueza na bondade.

Tags:
ValoresVirtudes

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
3
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: e ela explic...
4
Papa Francisco pede homilias mais curtas
Francisco Vêneto
Papa Francisco pede aos padres: façam homilias mais curtas
5
porta
Reportagem local
Capelão de hospital: ação dos anjos é fundamental na hora da mort...
6
Ricardo Sanches
Menino de 4 anos brinca de missa, conhece vários santos e surpree...
7
ROSARY
Philip Kosloski
É verdade que meu Anjo da Guarda termina de rezar o Rosário se eu...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia