Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Golpe “Palavra do Senhor”: o que é real e o que é boato

Palavra do Senhor

Ben White | Unsplash | CC0

Francisco Vêneto - publicado em 21/09/21

Segundo alertas em redes sociais, a quadrilha gravaria a voz da vítima dizendo "permito", "concordo" e "aceito" para depois praticar golpes

Tem circulado por redes sociais e por aplicativos de mensagens um alerta contra o suposto “golpe Palavra do Senhor”, pelo qual os golpistas ligariam para as vítimas perguntando se elas “permitem” que eles leiam uma passagem da Bíblia.

Em seguida, o golpista que telefonou perguntaria se a pessoa que atendeu “concorda” com a mensagem que foi lida e se “aceita” Jesus como Salvador.

Com isso, a quadrilha conseguiria gravar a voz da vítima dizendo palavras como “sim”, “permito”, “concordo” e “aceito”.

Segundo o alerta que está circulando, os golpistas utilizariam essas gravações para confirmar transações financeiras efetivadas por mensagem de voz em nome das vítimas, causando-lhes prejuízos financeiros. O alerta pede que as pessoas fiquem atentas e não forneçam dados pessoais, em especial números de documentos e cartões.

Golpe “Palavra do Senhor”: o que é real e o que é boato

Embora sejam sempre bem-vindos todos os lembretes às pessoas para tomarem precauções com a própria privacidade, o aviso contra o golpe “Palavra do Senhor” é listado como “fake” no site Boatos.org, voltado a desmentir rumores e informações falsas ou imprecisas que viralizam na internet.

Segundo o Boatos.org, “o golpe citado não tem muita lógica” e “não há qualquer prova de que seja real”: não há fontes confiáveis que relatem a sua ocorrência nem registros de vítimas efetivas.

Quanto à viabilidade do suposto golpe, o site observa que a voz gravada só teria uso num sistema de confirmação de transações no qual a mesma pessoa já tivesse previamente cadastrado a sua voz para que pudesse ser reconhecida, como ocorre quando se registram outras modalidades de biometria como as digitais ou a íris.

Os bandidos precisaram saber que a pessoa já registrou a própria voz num banco de dados de áudio e que é “cristã, paciente e inocente” o suficiente para ouvir aquela mensagem completa quando poucos têm disponibilidade para aceitar ligações indesejadas de estranhos. Além disso, teriam de contar com a sorte para que a vítima de fato pronuciasse as palavras esperadas em vez de dizerem expressões mais correntes como “tá bom” ou “pode ser”. “Parece muito trabalho para pouco lucro”, considera o Boatos.org.

O uso de voz em transações bancárias, sempre segundo o Boatos.org, é de fato adotado por alguns aplicativos, mas os comandos de voz que eles empregam são mais complexos do que as palavras citadas no alerta contra o suposto golpe “Palavra do Senhor”. Além disso, as transações requerem confirmação mediante uso de senha.

O que há de verdadeiro nesse alerta?

O site Boatos.org conclui que o golpe em questão não existe.

Como quer que seja, nunca é demais recordar a importância de prestar atenção ao teor de quaisquer solicitações recebidas de estranhos, seja por telefone, seja por meios digitais, seja até presencialmente. A criatividade dos golpistas é demonstradamente ampla.

Tags:
DinheiroInternetSociedade
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia