Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

O inspirador exemplo de superação de uma mulher atacada com ácido quando era bebê

ANMOL RODRIGUEZ

anmol_rodriguez_official | Instagram | Fair Use

Ewa Rejman - publicado em 21/09/21

Ela sobreviveu a ferimentos horríveis, cirurgias e muito preconceito. Hoje, usa as redes sociais para espalhar alegria e inspiração

Ela tinha apenas dois meses de idade quando seu pai, que queria ter um filho homem, jogou ácido nela e na mãe, enquanto ela amamentava. A história de superação de Anmol Rodriguez, uma modelo indiana de 26 anos, é extraordinária.

A jovem percorreu um longo caminho. A mãe dela morreu poucos dias após o ataque, mas a pequena Anmol sobreviveu aos ferimentos. Gravemente queimada, desfigurada e tendo perdido um olho, Anmol passou cinco anos no hospital.

Como nenhum membro da família queria acolhê-la, ela foi para um orfanato. Lá, os educadores cuidaram para que ela não fosse discriminada ou ridicularizada pelas outras crianças.

Tenho apenas lembranças felizes do meu orfanato. Eu tinha quatro amigos que eram muito próximos de mim e nunca pensei que seria tratada de forma diferente deles ”, lembra ela em uma entrevista para Mihika Agarwal da Vogue.

View this post on Instagram

A post shared by 𝗔 𝗡 𝗠 𝗢 𝗟 🦋 (@anmol_rodriguez_official)

Discriminação na universidade

A jovem decidiu cursar a universidade em Mumbai. Foi lá que ela se desiludiu e foi violentamente confrontada com a realidade: quando ela tentou se conectar com outros alunos, eles a rejeitaram.

“As coisas ficaram difíceis para mim quando entrei na minha vida universitária. Fui vítima de discriminação e zombaria devido à minha aparência ”, disse ela em uma entrevista para o The Statesman.

Depois de cair em depressão, ela continuou seus estudos graças a uma tutora que a acompanhou pessoalmente. Ela ajudou Anmol a superar os momentos mais difíceis.

“Minha tutora realmente me ajudou a ver a luz. Ela não apenas me ensinou a focar em mim mesma e em meus objetivos, mas também me ajudou a me formar na universidade e a encontrar um emprego ”, disse.

Aceitação

Para Anmol, a vida nunca foi uma jornada tranquila. Dois meses depois de conseguir seu primeiro emprego, a empresa a demitiu porque sua aparência “incomodava” seus colegas.

“Um belo dia, fui avisada de que não precisava mais aparecer no trabalho. Eles nem me disseram o motivo. Foi só quando perguntei, alguns dias depois, que me falaram que meu rosto estava causando angústia aos meus colegas de trabalho”, revelou à Vogue.

Naquele momento, a jovem decidiu assumir o controle de sua vida. No futuro, ela não seria mais uma vítima, mas uma mulher ativa e livre. Ela criou uma conta no Facebook onde começou a postar fotos de si mesma – a primeira vez para uma mulher atacada com ácido.

“No começo, meus amigos não acharam uma boa ideia. Eles pensaram que as pessoas iriam me enganar. Mas, em vez disso, o que consegui foi apreciação e respostas positivas ”, explicou a modelo.

Ela recebeu muitos comentários positivos e muitas pessoas ficaram interessadas em sua história. Várias marcas a viram e a contrataram.

Sucesso nas redes

No Instagram, Anmol se tornou uma verdadeira influenciadora. Ela posta fotos selfies sem filtro porque, como ela mesma explica, seu objetivo não é se embelezar ou se apresentar de maneira diferente do que ela é. Claro, ela também recebe comentários negativos.

“Estou sempre atenta ao fato de que é um espaço virtual, então nunca levo nada a sério”, diz ela. Hoje, ela não tem medo de compartilhar sua história e testemunhar a jornada que percorreu.

Mensagem

“O ácido não acaba com nossas vidas. Ele só pode mudar nosso rosto; não pode destruir a alma. Somos iguais por dentro; temos que aceitar quem somos e viver felizes”, afirmou Anmol ao The Statesman. Ela ainda acrescentou:

“Exorto as pessoas a não me tomarem como inspiração apenas porque sou uma sobrevivente de ataques de ácido ou por causa do meu passado difícil. Em vez disso, peço que se inspirem em minha jornada para superar esses obstáculos e se posicionem, a fim de se tornarem atores, modelos e influenciadores de mídia social.”

Tags:
Superação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia