Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 21 Abril |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Polêmica no Brasil: querem desapropriar o Cristo Redentor?

Cristo Redentor

Kirilos - CC

Reportagem local - publicado em 24/09/21

Recentemente, o Santuário do Cristo Redentor denunciou frequentes "atos hostis" do Instituto Chico Mendes, que administra o entorno

Tem causado polêmica no Brasil um projeto de lei de autoria do deputado estadual Dionísio Lins (Progressista-RJ), apresentado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), com a proposta de desapropriação do terreno do entorno do monumento ao Cristo Redentor.

A Arquidiocese do Rio de Janeiro é a proprietária do Santuário do Cristo Redentor e do platô em que ele foi construído, no topo do Corcovado. Ela também é responsável pela manutenção do monumento, o que inclui a capela situada em sua base e dedicada a Nossa Senhora Aparecida. Por fim, também cabe à arquidiocese a coordenação das celebrações ali realizadas.

Cristo Redentor

Quanto ao entorno do monumento, a área pertence ao Parque Nacional da Tijuca, hoje administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, que, por sua vez, é vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

Para se chegar ao santuário e monumento ao Cristo Redentor, é necessário atravessar a área do Parque Nacional, o que tem causado recorrentes situações constrangedoras como as que foram denunciadas pela reitoria do santuário recentemente. Saiba mais acessando o artigo sugerido ao final desta matéria.

Segundo a proposta apresentada pelo projeto de lei 4855/2021, a gestão do entorno e do terreno onde se localiza o monumento ao Cristo Redentor “ficará a cargo do Poder Executivo, podendo ainda a Secretaria de Estado de Turismo contribuir também na organização do local”; além disso, a “Arquidiocese do Rio de Janeiro poderá, havendo necessidade e legítimo interesse, efetuar convênios para a gestão da área”.

Em entrevista ao jornal O Dia, o deputado Dionísio Lins afirmou:

“Toda essa discussão em torno de quem manda no local vem trazendo prejuízo não só aos cariocas, como também aos milhares de turistas que visitam diariamente o local. Nossa finalidade é a de resguardar a área para que os atos litúrgicos de todas as religiões sejam mantidos”.

As discussões prosseguem, já que muitos detalhes sobre como funcionaria essa gestão precisam ser mais claramente definidos.

Tags:
IdeologiaPolíticaReligiãoSantuários
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia