Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Democratas forçam a mais radical lei pró-aborto da história dos EUA

Lei pró-aborto avança no Congresso dos EUA

© DR

Francisco Vêneto - publicado em 28/09/21

Projeto visa anular leis estaduais pró-vida e eliminar limites ao aborto livre para permiti-lo até o momento do parto

O Partido Democrata está forçando a aprovação da mais radical lei pró-aborto da história dos Estados Unidos. Em 24 de setembro, a Câmara dos Deputados norte-americana aprovou, por 218 votos a favor e 211 contrários, o projeto de lei da congressista Judy Chu que visa anular leis estaduais pró-vida e eliminar limites ao aborto livre para permiti-lo até o momento do parto.

Os votos praticamente obedeceram à divisão da Câmara entre os Republicanos, que votaram contra o projeto pró-aborto, e os Democratas, que votaram a favor de ampliar o aborto ainda mais. O único democrata contrário foi Henry Cuellar.

O projeto agora deverá ser votado pelos senadores.

O nome da lei em discussão é “Women’s Health Protection Act“, ou seja, “Lei de Proteção da Saúde da Mulher”, apelando como de costume para a narrativa ideológica de que o aborto livre seria necessariamente uma questão sanitária feminina e não o extermínio de uma vida humana inocente nos seus estágios iniciais de desenvolvimento.

Segundo o projeto, o aborto seria um “direito” prioritário em relação às leis estaduais que o restringem. O texto pretende retirar inclusive os atuais limites aos abortos tardios, feitos após a 24ª semana de gestação, caso se alegue risco à “vida ou saúde” da gestante.

A lei também obrigaria o financiamento do aborto por parte do governo com o dinheiro dos contribuintes norte-americanos, além de violar gritantemente o direito à objeção de consciência ao impor que os profissionais de saúde o realizem independentemente das próprias convicções contrárias.

A conferência episcopal dos Estados Unidos se manifestou com firmeza contra os abusos do novo projeto de lei pró-aborto.

Dom Samuel Aquila, o arcebispo de Denver, declarou:

“Temos muito trabalho a fazer para mudar o coração e a mente de quem enxerga o aborto como algo que deva ser valorizado, especialmente entre os que dizem seguir Jesus Cristo. [O novo projeto] colocará milhares de vidas vulneráveis em risco e devemos evitar que ele seja transformado em lei”.

A deputada democrata Nancy Pelosi, que se declara católica embora desrespeite flagrantemente a doutrina da Igreja, usou o nome de Deus para respaldar o “livre arbítrio” das pessoas para escolherem o aborto – ignorando convenientemente o fato de que a mesma lei atropela o livre arbítrio na hora de obrigar os profissionais da saúde a realizarem abortos contra a própria consciência.

Pelosi também anunciou que a votação da lei de “Proteção da Saúde da Mulher” seria uma resposta à “Lei do Batimento Cardíaco” aprovada no Texas. A lei texana estabelece que, a partir da constatação das batidas do coração do nascituro, fica vetado o aborto no Estado.
Há outras unidades da federação que também restringem o aborto e que, portanto, estão na mira da militância pró-aborto. É o caso do Mississipi, que restringe a maioria dos abortos após a 15ª semana de gravidez. A Suprema Corte analisará este caso em dezembro.

A mais radical lei pró-aborto da história dos EUA

Líderes pró-vida consideraram “radical” o projeto aprovado pelos deputados.

Para Marjorie Dannenfelser, presidente da organização Susan B. Anthony List, a nova legislação “é realmente sobre o aborto até o momento do parto”.

Jeanne Mancini, presidente da March for Life (Marcha pela Vida), foi contundente:

“Se Joe Biden, Nancy Pelosi e seus aliados conseguirem o que pretendem, muito em breve os Estados Unidos não poderão mais se distinguir da Coreia do Norte e da China”.

Chris Smith, deputado republicano co-presidente da Bancada Pró-Vida, foi igualmente enfático:

“Pela primeira vez na história, a lei permitiria a morte legal, a morte violenta, de meninas e meninos não nascidos, por desmembramento, decapitação, expulsão forçada do útero e envenenamento letal, por qualquer razão, até o parto. Esta lei anulará qualquer modesta restrição pró-vida que exista nos Estados”.

Tags:
AbortoIdeologiaPolíticaVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia