Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Round 6: crianças podem assistir à série da Netflix?

SQUID GAME

Netflix

Ricardo Sanches - publicado em 14/10/21

Produção sul-coreana já é sucesso mundial entre adultos e crianças, mas especialistas alertam para o conteúdo violento e os impactos sobre os pequenos

A série Round 6 (lançada mundialmente com o título Squid Game) já é a mais vista da história da Netflix. Em menos de um mês, 111 milhões de pessoas assistiram à produção sul-coreana. O recorde anterior era de Bridgerton que alcançou 82 milhões de contas em 28 dias.

Round 6 faz sucesso em todo o mundo, inclusive entre as crianças. E é exatamente isso que preocupa pais e especialistas em educação. A exposição dos menores à trama divide opiniões.

Do que se trata a série Round 6

Com classificação indicativa para maiores de 16 anos, a série gira em torno de um grupo de pessoas que ficaram sem dinheiro e são convidadas a participar de um concurso com jogos populares e infantis, como cabo de guerra e “batatinha frita 1,2,3”. O prêmio é atraente. Então, para conseguir faturar uma bolada, os competidores são capazes de tudo.

É aí que entram cenas macabras, de violência, sexo, tortura psicológica e assassinatos.

No primeiro episódio, por exemplo, os jogadores são baleados por não pararem diante de uma luz vermelha.

Durante o desenrolar da produção há tiros na cara e mortes. Os competidores não sabem que, se perderem, serão mortos. Para cada jogador “eliminado”, há uma quantia em dinheiro que vai para o prêmio final.

Escolas e especialistas alertam

Muitos especialistas em educação estão fazendo alertas aos pais diante do sucesso da série Round 6 entre as crianças.

Em entrevista à Revista Crescer, a neuropsicóloga Deborah Moss falou sobre os impactos que a exposição a conteúdos violentos como esse provoca nas crianças e nos adolescentes. “Alguns podem ficar impressionados, outros admirados. Mas falando especialmente de crianças pequenas, normalmente, elas podem ter pesadelos, medo de ficarem sozinhas, confundir realidade com ficção, ficarem ansiosas”, explicou a especialista.

Preocupadas com o fácil acesso de crianças à série, algumas escolas brasileiras chamaram a atenção dos pais para o perigo desse tipo de conteúdo. Por exemplo: o serviço de orientação psicológica do Colégio Daulia Bringel, de Fortaleza, CE, fez um post no Instagram, dizendo que se sentia “no dever de alertá-los [os pais] sobre a importância de supervisionar os conteúdos que crianças e adolescentes acessam, tendo em vista que os mesmos ainda não têm a maturidade para lidar com vários temas expostos em vídeos, filmes e séries de classificação imprópria à idade deles”.

View this post on Instagram

A post shared by Colégio Daulia Bringel (@colegiodauliabringel)

Para os especialistas, o que acontece em Round 6 pode ser facilmente transportado para a vida real dos pequenos, causando sérios danos. Isso acontece porque, em certas idades, as crianças não sabem diferenciar ficção de realidade.

Antes de proibir, conversar

Os especialistas também são unânimes em afirmar que, antes de proibir os filhos de assistirem à série, os pais precisam conversar com eles.

E esse diálogo deve começar pelo simples fato de que se deve seguir à risca a classificação etária da série. Há, de fato, inúmeros estudos que mostram a sinergia entre essa classificação, a produção audiovisual e o desenvolvimento cognitivo dos espectadores.

Por outro lado, caso o adolescente em idade bem próxima da classificação etária insistir em assistir, os pais precisam estar juntos dele. Neste sentido, o palestrante e escritor Jaime Ribeiro dá uma dica: “perguntar se o adolescente quer assistir e, se positivo, cair pra dentro da maratona junto com ele! Assim, você pode descobrir se seu filho ou filha curte ou não esse tipo de conteúdo. E, se ele(a) gostar, terá a oportunidade de conversar a respeito dos temas extremos com você, e não com o coleguinha da escola que não tem maturidade para orientá-lo”.

Enfim, Round 6 é um lembrete para todos nós de que não é espiritualmente saudável cercar-nos de imagens violentas. Podemos pensar que somos imunes, mas quanto mais saturarmos nossas almas com violência, mais provavelmente agiremos a respeito.

Tags:
CriançasEducação dos FilhospaistelevisaoViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia