Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Dezembro |
Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Bispos franceses peitam governo: “não violaremos o segredo da confissão”

Macron

Ludovic MARIN / PISCINE / AFP

Francisco Vêneto - publicado em 15/10/21

Governo de Emmanuel Macron aproveitou o escândalo dos abusos sexuais para atacar o segredo da confissão sacramental

O governo francês está se aproveitando do recente relatório sobre abusos sexuais perpetrados por clérigos criminosos para atacar o segredo da confissão sacramental. O relatório foi elaborado por uma comissão independente, que investigou acusações ao longo de 32 meses e apontou um cenário gravíssimo: teria havido na França, entre 1950 e 2020, pelo menos 330.000 casos de abuso sexual contra menores, cometidos por bandidos dentro do clero ou entre leigos católicos em ambientes ligados à Igreja. A estimativa se baseou em sondagens.

Segredo da confissão na mira do governo

Entretanto, a comissão independente extrapolou as suas atribuições e, entre as suas 45 recomendações à Igreja, sugeriu uma “revisão do sigilo confessional”, o que a Igreja descarta porque o segredo de confissão sacramental é inviolável.

Dom Éric de Moulins-Beaufort, presidente da Conferência Episcopal Francesa, enfatizou em entrevista à rádio France Info que o segredo da confissão “é mais forte do que as leis”. Reagindo a esta declaração, o porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, retrucou que “nada é mais forte que as leis da República”. O governo do atual presidente Emmanuel Macron, aliás, já havia chegado a afirmar, em ocasião anterior, que “as leis da República também estão acima das leis de Deus”. O ministro francês do Interior, Gerald Darmanin, afirmou que receberá dom Éric, a pedido do presidente Macron, para “esclarecer as coisas”. Cabe lembrar que o ministério de Darmanin é o responsável, no governo francês, pela tutela dos cultos religiosos.

A reunião aconteceu neste 12 de outubro e a mídia francesa sugeriu que o arcebispo teria acatado a “sugestão” do governo para que os padres comuniquem à polícia quando alguém confessar sacramentalmente ter perpetrado abusos sexuais. Tais relatos da mídia geraram espanto entre os católicos.

“Não mudaremos o direito canônico na França”

No entanto, a porta-voz do episcopado local, Karine Dalle, esclareceu que a Igreja não vai “negociar” com o governo a inviolabilidade do sigilo da confissão:

“Não podemos mudar o direito canônico na França porque ele é internacional. Um padre que violasse hoje o segredo da confissão seria excomungado”.

A própria legislação francesa reconhece e respeita as normas da Igreja sobre a confidencialidade do sacramento da confissão. O governo Macron, porém, cogita mudar a lei para confessores tal como foi feito no caso de advogados e outros profissionais cujo ofício requer confidencialidade protegida por lei. No caso desses profissionais, eles passaram a ser legalmente obrigados a relatar às autoridades quando viessem a saber de algum abuso sexual contra menores de 15 anos.

Karine Dalle deixou claro que a Santa Sé analisará as sugestões propostas, mas cabe a ela aceitar ou não. Ela também enfatizou que dom Éric jamais afirmou que o segredo da confissão seria deixado de lado.

“Resolver” um problema criando outros

A se confirmarem as estimativas levantadas pelo relatório sobre abusos sexuais na França, teria havido, entre 1950 e 2020, cerca de 3.200 criminosos abusadores sexuais entre os padres, religiosos e leigos católicos da França. O número corresponde a cerca de 3% do total de pessoas consagradas no país, incluindo clérigos e leigos. A ocorrência desses crimes evidentemente exige medidas firmes das autoridades eclesiásticas e civis para punir os bandidos e reprimir contundentemente essa prática abominável, mas este cenário tem servido também de justificativa para generalizações ideologicamente enviesadas e para restrições desproporcionais à liberdade de consciência e de religião, o que equivale a alegar resolver um problema criando novos.

O mesmo cenário tem ocorrido em outros países que também pressionam, indevidamente, pela intervenção estatal no segredo da confissão sacramental. Um dos governos mais agressivos a este respeito é o da Austrália. Confira, a propósito, os seguintes artigos recomendados:

Tags:
BisposConfissãoIgreja CatólicaPadresSacramentos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia