Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 23 Janeiro |
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

“São Bernardo de Claraval” – a melhor fonte sobre o santo

Leemage via AFP

"La vierge apparait a saint Bernard de Clairvaux", de Filippino Lippi (1486), Badia Fiorentina, Italie

Vanderlei de Lima - publicado em 24/10/21

A presente Vida de São Bernardo difere de todas as outras em dois aspectos importantes

O título deste artigo é o da obra de Ailbe J. Luddy publicada pela Cultor de Livros. Tem 756 páginas e pode ser considerada a melhor fonte sobre Bernardo de Claraval (1090-1153), o grande monge cisterciense canonizado pelo Papa Alexandre III, em 1174, e proclamado Doutor da Igreja, em 1830, pelo Papa Pio VIII.

O autor expõe, com detalhes, logo no início, a metodologia que segue em seu livro: “A presente Vida de São Bernardo difere de todas as outras em dois aspectos importantes, dá maior proeminência ao seu ensino e recorre com maior frequência aos seus escritos, nomeadamente cartas. […] Uma biografia baseada largamente na correspondência do visado, na qual lhe é permitido tanto quanto possível falar por si próprio possuirá o vigor e o caráter íntimo de uma autobiografia, livre de artifícios inevitáveis nestas últimas produções. […] As cartas do Santo são, felizmente, numerosas e das mais íntimas que jamais se publicaram; focam quase todos os tópicos importantes da sua atarefada vida, desde o começo em Claraval até à sua agonia de morte, e expõem com clareza os diversos aspectos do seu caráter. Mesmo que se utilize moderadamente esse material, será possível fazê-lo reviver, por assim dizer, e apresentá-lo ao leitor como ele apareceu aos homens da sua geração ‘pleno de graça e de verdade’. Foi esta a nossa intenção. Outros decidirão até que ponto fomos bem sucedidos” (p. 16-17). De nossa parte, dizemos que o autor, além de bem sucedido, prestou grande serviço, pois entregou aos leitores uma obra séria e em linguagem acessível.

Interessa-nos, a título de pequeno exemplo das riquezas trazidas por Luddy, apresentar um breve trecho do livro no qual São Bernardo, analisando a negação de Pedro (cf. Mt 26,69-75), conclui que o Príncipe dos Apóstolos pecou e explica a razão: “O apóstolo amava o seu Mestre e era incapaz de renegá-lo; porém, agora tratava-se de separação ou morte. A primeira condição era-lhe dolorosa; todavia, não tanto como a segunda. E assim, contra a sua vontade e apenas para escapar à morte, renegou o seu Senhor. Possuía, portanto, duas vontades opostas: uma para escapar à morte, que nada tinha de censurável; a outra para permanecer leal ao seu Mestre, digna de todos os encômios. Onde estava, pois, a sua falta? Pecou ao pretender salvar a vida com uma falsidade, e ao preferir a vida do corpo à da alma. Não que odiasse ou desprezasse o seu Mestre, mas amava-se a si próprio excessivamente, e a súbita emoção do medo não gerou, mas somente manifestou aquele amor vicioso. […] Decidido, portanto, a salvar a vida a todo o custo, viu-se compelido a renegar o seu Mestre. Porém, não constituirá isto uma aceitação de que o livre arbítrio pode ser coagido? Sim, mas não por força alguma estranha a si próprio. A violência que o livre arbítrio sofre provém da sua própria determinação livre; é, pois, voluntária e as ações praticadas sob essa influência são, por consequência, livres. Portanto, aquele que foi compelido a negar Cristo por sua própria vontade, fê-lo porque assim queria; ou antes, não foi, de modo algum, compelido, mas acedeu, e a nenhuma outra força além da sua própria vontade, a fim de escapar à morte a todo o custo… […] que o perigo apenas revelava. Visto isso, o apóstolo foi precipitado na sua queda, não por temor da espada, mas por sua livre vontade” (p. 248-249).

Antes o santo doutor registrou o que entendia por livre arbítrio. “Definirei livre arbítrio como a faculdade pela qual a alma possui o domínio dos seus atos, com exclusão de toda a violência e coação. O seu consentimento não pode ser dado ou recusado senão livremente…” (p. 244). E, logo adiante, trata de outra questão teológica clássica: se os méritos são dádivas de Deus, como podem ser méritos? – Bernardo responde: “O que é uma dádiva como fruto da graça livre de Deus, é mérito como fruto da cooperação do homem” (p. 250 – itálicos nossos).

Eis, pois, uma obra de grande e variada utilidade ao Povo de Deus em geral.

Mais informações aqui.

Tags:
História da IgrejaLivrosSantos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia