Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Equívocos históricos: Lutero, a Sagrada Escritura e a Igreja

Martin Luther

Ferdinand Pauwels (1830–1904) | Wikipedia

Jaime Septién - El Observador - publicado em 29/10/21

O protestantismo erra ao acusar a Igreja de se achar a "dona" da Palavra de Deus

Dom Mario De Gasperín, bispo emérito de Querétaro, no México, viveu o Concílio Vaticano II como sacerdote recém-ordenado e como estudante de Sagrada Escritura na Universidade Gregoriana de Roma. Ao longo da vida sacerdotal e episcopal, ele foi um incentivador constante dos estudos da Palavra de Deus, bem como uma das mentes mais brilhantes da Conferência Episcopal Mexicana.

O bispo emérito escreveu uma série de mais de 30 reflexões sobre o Concílio Vaticano II, sendo uma delas dedicada ao diálogo da Igreja com as confissões protestantes.

Qual foi a reflexão do Concílio sobre a reforma protestante?

Lutero tinha tentado reformar a Igreja da sua época. Segundo ele, a Igreja tinha se posicionado atrás de três muralhas: a supremacia do poder eclesiástico sobre o poder secular; a superioridade do concílio sobre os fiéis; e a interpretação da Bíblia submetida à Igreja.

Nestes três aspectos, a Igreja hierárquica tinha a faca e o queijo na mão e ninguém podia alçar a voz para contestá-la e muito menos para reformá-la. Essa “tripla muralha”, segundo ele, precisava ser derrubada. Ele então dedicou a vida a isso e não poupou esforços nem meios para consegui-lo, recorrendo inclusive ao poder secular.

Como a interpretação da Bíblia parece estar no centro das controvérsias, surge disso a acusação protestante de que Igreja Católica quereria submeter a Bíblia ao seu domínio e à sua vontade. Assim agindo, diziam os reformadores protestantes, a Igreja se pretenderia superior à própria Sagrada Escritura e “dona” da Palavra de Deus, o que é inaceitável.

Lutero alegava querer libertar a Bíblia dessa escravidão. Por isso, propôs e declarou, como princípio interpretativo da Bíblia, o livre exame, ou seja, a livre interpretação individual da Escritura. Cada um poderia lê-la e interpretá-la segundo o que considerasse inspirado pelo Espírito Santo. O cristão deveria guiar-se apenas pela Bíblia – daí a expressão latina “sola Scriptura”, que implica que “a Sagrada Escritura se interpreta por si mesma” e não está submetida ao magistério da Igreja.

Este, evidentemente, não era o sentir da Igreja.

A Sagrada Escritura é o livro da Igreja e para a Igreja, que é a assembleia dos fiéis de Cristo; portanto, deve ser lida em sintonia com a Igreja, sob a guia dos seus pastores. A estes, afinal, São Paulo afirma que Deus confiou a tarefa de “conservar o depósito da fé” e transmiti-lo na íntegra para as novas gerações.

Dessa maneira, o magistério da Igreja não se proclama “superior” nem manipulador da Palavra de Deus, mas sim seu servidor.

O magistério eclesiástico serve à Palavra de Deus, interpretando-a de acordo com a tradição eclesial recebida dos apóstolos e do próprio Jesus Cristo. É dessa forma, diz o Concílio Vaticano II, que o povo cristão inteiro, unido aos seus pastores, persevera sempre na doutrina apostólica, na união, na Eucaristia e na oração, como fazia a primeira comunidade cristã. É um serviço à unidade e à verdade e evita o individualismo e a fragmentação.

E qual é a missão da Igreja, neste sentido?

A primeira atitude da Igreja, especialmente dos pastores, é a de escutar com atenção e respeito a santa Palavra de Deus – e cumpri-la. Com esta atitude humilde, o Concílio começa a falar sobre a Revelação Divina. Diz que a Palavra de Deus deve ser escutada com devoção e proclamada com valentia, obedecendo às palavras de João: “o que vimos e ouvimos, isto vo-lo anunciamos, para que vós também vivais nesta nossa união com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo”.

O Concílio, mais do que escutar a si mesmo, esteve atento ao que Deus lhe dizia. A primeira coisa que o Concílio faz é escutar a Palavra de Deus, com devoção e obediência. Não tem medo de proclamar esta Palavra ao mundo inteiro, para que aquele que a escutar e nela acreditar tenha a vida eterna.

Lutero se enganou: a Igreja não age como dona, mas como fiel servidora da Palavra de Deus – e na íntegra, não por fragmentos.

Tags:
BíbliaDoutrinaIgreja Católicaigrejas
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia