Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
São Manuel Morales
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Fé e morte: como superar a dor da perda

cemetery

studiojaskrawo - Shutterstock

Padre Reginaldo Manzotti - publicado em 01/11/21

Superar a perda não significa esquecer aqueles que amamos e já partiram, pois o amor não termina com a interrupção da vida biológica. O amor é redirecionado

O mês de novembro nos convida a refletir sobre a vocação à santidade, a qual é inerente a todos nós. Nesse mês, em vista do dia de finados, refletimos também na efemeridade da vida, e como superar a dor da perda. 

Viver é um aprendizado, e experimentar perdas faz parte da nossa trajetória desde que nascemos, passamos por elas aceitando-as com certa naturalidade, e nesse caminho adquirimos conhecimento, capacidades e sabedoria.

Contudo, existem também outras áreas de nossa vida em que as perdas provocam grande sofrimento e precisam ser elaboradas para que não se transformem em um sofrimento permanente.

Estamos vivendo uma situação extrema, onde muitas vidas foram perdidas para a terrível Covid-19, causada pelo novo coronavírus. É difícil de aceitar que aqueles que amamos estavam bem, e de uma hora para outra se foram. Especialmente quando não podemos velá-los e sepultá-los com a dignidade que mereciam, para evitar o contágio, medidas necessárias de segurança, mas difíceis. 

A dor da perda

As perdas ferem e chorá-las é necessário. Sem dúvida, a perda de alguém querido é uma das maiores dores que o ser humano pode sentir. Para ela, nunca estamos preparados. 

Deus não mandou a pandemia e quando me questionam sobre o porquê da morte, sempre faço questão de reforçar que essa nunca foi a vontade de Deus. A morte é uma contingência humana, ou seja, faz parte da fragilidade do ser humano e entrou no mundo pelo Pecado Original.  “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5, 12).

Luto

A perda provoca em nós uma reação imediata que é chamada de luto. Trata-se de um processo que pode se estender por mais ou menos tempo, e a maneira de vivenciá-lo depende de cada um e do quão significativo é aquele ou aquilo que foi perdido. Segundo os especialistas, em geral o luto é marcado, num primeiro momento, pelo choque diante do inesperado ou do incontrolável, gerando uma espécie de anestesia, principal indicador de que a perda ainda não foi assimilada. 

Depois, vem a fase em que a “ficha cai”, como se diz popularmente. Nela, entendemos a dimensão do ocorrido, mas resistimos em aceitar; muitos chegam a acreditar que irão acordar e a realidade será outra. Quando, finalmente, percebemos que nada mudará, vem o sofrimento, o choro, a falta que a pessoa começa a fazer. Então, chega o momento da revolta e também da culpa, quando entra em cena o “se”: “se tivesse feito diferente”, “se isso…”, “se aquilo…” Por fim, como em outras perdas, chega a aceitação e o necessário retorno à rotina. 

Fiz essa detalhada descrição para enfatizar que é muito importante vivenciar integralmente o luto e, assim, conseguir superar a perda e continuar a viver. Não podemos ignorar a ausência de um ente querido, mas temos de aprender a seguir em apesar disso, evitando a instalação de um sofrimento desordenado e duradouro, que traria consequências negativas para a saúde do corpo, da mente e do espírito.

Fé e morte

No caso da morte, superar a perda não significa esquecer aqueles que amamos e já partiram, pois o amor não termina com a interrupção da vida biológica. O amor é redirecionado. Os mortos não fazem mais parte da nossa vida terrena, mas continuam em nosso coração e, se dóceis à graça de Deus, no céu. A saudade e a lembrança devem ser cultivadas; o sofrimento, não.

A fé é determinante para encarar a morte como início de nova etapa, e seu fundamento está na Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo e na certeza de que Aquele que O ressuscitou também nos ressuscitará, como ensina São Paulo:  “Deus, que ressuscitou o Senhor, ressuscitará também a nós pelo seu poder“ (1 Cor 6, 14). 

Tags:
LutoMorteSofrimentoSuperação
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia