Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 07 Agosto |
São Sisto II
Aleteia logo
Para Ela
separateurCreated with Sketch.

O que fazer quando o instinto materno demora a aparecer

shutterstock_1184139907.jpg

paulaphoto I Shutterstock

Claire de Campeau - publicado em 04/11/21

É normal uma mãe demorar muito para se apegar ao bebê? Como não se sentir culpada se isso acontecer?

Quando seu filho mais velho nasceu, Aurore se arrependeu de não ter sentido imediatamente o amor “visceral” descrito em todos os lugares: “Eu estava longe do ‘você verá, você o amará loucamente assim que colocá-lo em seu peito.’ Eu tive dificuldade em dizer a mim mesma que eu era sua mãe, que ele era meu filho, mas estava feliz em vê-lo e cuidar dele.” 

Sophie, por sua vez, nem sentiu vontade de cuidar da filha e chorou sem parar nas primeiras três semanas pós-parto: “Acabei me fazendo perguntas. Sim, eu estava respondendo às necessidades do meu bebê como uma babá, mas o amor de que todos falam… Eu não sentia… Ninguém percebeu que eu estava em pânico. Todo mundo sempre fala que o instinto materno virá naturalmente, mas…”, explica a jovem.

Um encontro diferente do esperado

Anne-Sophie Nourrain-de Asis, parteira que atua na cidade de Paris, confirma que o assunto ainda é tabu.“A imagem ideal da maternidade e do amor à primeira vista ainda está bem estabelecida. Na realidade, todos os casos existem. Algumas mulheres têm o clique logo que ficam grávidas, às vezes até antes! Para outras, será o encontro físico que criará o vínculo, e algumas retornarão à maternidade depois de alguns dias, semanas, meses ou anos! Em meu consultório, as mulheres se revelam e me mostram o que todas nós realmente somos: mulheres maravilhas persistentes e comprometidas, mas também cansadas e frágeis. Em suma, perfeitamente imperfeitas…”, explica a profissional.

A grande culpa pela ausência do instinto materno

“48h… 48h para me perguntar: sou normal? Tenho algum problema psicológico? Devo falar sobre isso? Eu olho esse bebê que não é meu, que não é meu … não sinto nada. Não posso chorar, meu marido está aqui, não posso falar com ele … Como ele me veria? O que as pessoas vão pensar de mim? Eu só quero fugir. Tudo o que me disseram sobre ser mãe, aquele famoso instinto materno, por que não o sinto quando todo mundo (e eu tinha certeza) sente isso? Serei como minha mãe, fria e distante, quando realmente não quero ser como ela? E todos ao meu redor tão felizes como se tudo estivesse bem? Eu estou entorpecida no meio de tudo isso.”

 O testemunho de Pauline resume a terrível culpa que permeia as jovens mães, ao mesmo tempo em que revela uma queda hormonal desestabilizadora que não ajuda em nada. Ela explica que não poderia contar a ninguém: “Eu estava com muito medo, do julgamento, do fato de que eles poderiam tirar o bebê de mim, do fato de que eles poderiam deixar de me amar porque eu não era capaz… de amar um bebê… “, acrescenta a mãe.

Em sua prática como parteira, Anne-Sophie, que também é mãe, entende claramente essa culpa das mães por não sentirem o instinto e amor maternos: “A criança ainda está na imaginação coletiva que se supõe, após o casamento, ser o ápice da vida. Realização feminina, a última missão que deve sublimar a mulher. Quem não se encontra neste diagrama duvida da sua normalidade, muitas vezes sente-se à parte, culpada, incompetente perante o filho, perante ela própria, o marido, a família, a sociedade. Muitas vezes, também é uma grande tristeza não dar a esse pequeno ser o amor que ele deveria receber, a preocupação com sua construção psíquica, com seu futuro”.

A importância de procurar ajuda

Anne-Sophie sublinha a importância de não se calar sobre este sofrimento que pode ser abismal. “A mãe pode falar com o filho, expressar-lhe as suas fraquezas. Ele sente tudo, ele a conhece bem, ele foi gerado nela. É um trabalho de construção para duas pessoas. Ela também pode falar sobre isso, quando possível, com o marido, uma amiga ou um profissional: parteira, psicóloga, enfermeira de berçário… ”, afirma a especialista.

Aurore aplicou o seguinte conselho: “Quando falei com minha parteira, também apreensiva por reviver a mesma culpa, ela me tranquilizou imediatamente. Ela me explicou que esse bebê recém-nascido é nossa carne, mas também um ser completo, que temos que aprender a conhecer e também a amar … e que isso pode levar tempo. Muitos amigos me disseram que se sentiam da mesma maneira. Acho que não falamos o suficiente sobre isso, que isso prejudicaria essa imagem do amor absoluto e, óbvio, da maternidade. Seria apenas necessário dizer que cada nascimento, mas também cada apego com seu bebê é único e nem sempre acontece como se desejaria.”

Sophie, por sua vez, contou com o apoio do marido, da parteira e depois da psicóloga após uma depressão pós-parto: “Fiz sessões com o psiquiatra o tempo todo. Todas as semanas, durante três meses. Um dia minha filha sorriu para mim e ali senti algo que ainda não sentia por ela. Ela tinha quatro meses! Quando contei para a psiquiatra, ela entendeu que eu ficaria melhor daquele momento em diante.”

O que significa o apego tardio ao filho?

“Para mim, uma mãe que se questiona sobre suas habilidades já está no caminho certo! Ela já quer dar o melhor para o filho. Os sentimentos virão depois, cada um seguindo seu próprio ritmo. Aconselho-as a ouvir os seus sentimentos, a não se censurar, a aceitar que o ser humano é constituído por questões tanto positivas quanto negativas. Acontece o mesmo com o amor. É construído passo a passo, em interação, ao longo do tempo. Às vezes balança, mas sempre evolui”, tranquiliza Anne-Sophie.

A especialista ainda afirma: “As razões para essas dificuldades de apego são múltiplas, mas o que eu frequentemente noto é que isso acontece devido a preocupações com maturidade psíquica, dificuldades de transição transgeracional (tornar-se mãe, em vez de sua mãe), um perfeccionismo exacerbado ou uma falta de autoconfiança que torna impossível comprometer-se com este pequeno ser por medo de não estar à altura da tarefa. A fadiga também é um grande fator. Uma pessoa exausta não tem energia para dar a outra. Ela já está se salvando. Nisso, o fim da gravidez e as noites agitadas dos primeiros meses não ajudam!”

Crescimento compartilhado

Precisão sublinhada por Anne-Sophie Nourrain-de Assis, muito reconfortante sobre o instinto materno: “As dificuldades de apego não necessariamente se repetirão com os outros filhos. Aqui, novamente, todos os casos existem. Uma mulher cresce e se constrói. A gravidez e o próximo filho acontecem em um contexto diferente, onde tudo tem que ser reescrito. Algumas mulheres são grandes amantes, outras amantes modestas, outras ainda amam pouco. Na maternidade é a mesma coisa, tem todos os perfis. Se uma mãe é uma novata quando seu filho mais velho nasce, seu bebê também começa a crescer do lado dela. Eles serão construídos juntos, não devemos nos esquecer disso.”

Aurore confirma: o relacionamento dela com o filho e seu instinto materno estão evoluindo, felizmente! “Hoje sinto todo o amor que uma mãe pode ter por ele e temos um ótimo relacionamento! Ele teve duas irmãzinhas que imediatamente senti que amava profundamente. Provavelmente porque coloco menos pressão sobre mim mesma, eu deixo as coisas acontecerem. Sem dúvida também que os amei desde o início, já conhecendo todas as alegrias que a maternidade pode trazer… graças ao irmão mais velho!”, conclui.

Tags:
AmorDepressãoFilhosGravidezMaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia