Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 24 Janeiro |
São Feliciano de Foligno
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

É verdade que Jesus elogiou o administrador desonesto?

Parábola do administrador desonesto

Marinus van Reymerswaele, Public domain, via Wikimedia Commons

Francisco Vêneto - publicado em 08/11/21

Não! Entenda o sentido desta polêmica parábola do Evangelho

No Evangelho segundo São Lucas, 16, 1-8, Jesus conta aos discípulos uma parábola cuja interpretação costuma gerar certa polêmica: será mesmo verdade que Jesus elogiou o administrador desonesto?

Eis o que diz a parábola:

“Havia um homem rico que tinha um administrador. Este lhe foi denunciado de ter dissipado os seus bens. Ele chamou o administrador e lhe disse: Que é que ouço dizer de ti? Presta contas da tua administração, pois já não poderás administrar meus bens. O administrador refletiu então consigo: Que farei, visto que meu patrão me tira o emprego? Lavrar a terra? Não o posso. Mendigar? Tenho vergonha. Já sei o que fazer para que haja quem me receba em sua casa quando eu for despedido do emprego. Chamou, pois, separadamente a cada um dos devedores de seu patrão e perguntou ao primeiro: Quanto deves a meu patrão? Ele respondeu: Cem medidas de azeite. Disse-lhe: Toma a tua conta, senta-te depressa e escreve: cinquenta. Depois perguntou ao outro: Tu, quanto deves? Respondeu: Cem medidas de trigo. Disse-lhe o administrador: Toma os teus papéis e escreve: oitenta. E o proprietário admirou a astúcia do administrador, porque os filhos deste mundo são mais astutos do que os filhos da luz no trato com seus semelhantes”.

É verdade que Jesus elogiou o administrador desonesto?

À primeira vista, muitos podem achar que Jesus faz um elogio à desonestidade do administrador. Na verdade, Jesus apenas afirma que o homem rico da parábola é quem declara admirar a esperteza do seu funcionário. Além disso, o próprio homem rico não admira a desonestidade como tal, mas sim a astúcia do empregado ao cultivar favores que lhe serão úteis quando precisar de ajuda dos outros.

O que Jesus comenta, por sua vez, é que “os filhos deste mundo são mais astutos do que os filhos da luz”.

O que quer dizer isso?

Primeiro, quer dizer que a astúcia não é o problema. Jesus, aliás, praticamente lamenta que os filhos da luz não se mostrem espertos como deveriam. Não é a astúcia o que torna alguém “filho deste mundo”: é perfeitamente possível ser um filho da luz astuto em vez de ingênuo.

Filhos do mundo ou filhos da luz

O que diferencia os filhos do mundo e os da luz é o propósito para o qual empregam a sua astúcia ou esperteza. Os filhos do mundo a usam em benefício próprio, inclusive prejudicando o próximo ou fazendo favores com segundas intenções, como no caso do ecônomo desonesto da parábola de Jesus. Entretanto, os filhos da luz devem usar a sua inteligência, perspicácia e esperteza para fazer ainda mais o bem a um número ainda maior de pessoas, sem que para isto precisem agir contra a própria consciência.

De fato, vários comentaristas desta parábola consideram que o núcleo da mensagem está no fato de que, diante de uma situação difícil, o administrador desonesto rapidamente pensa e age para resolver o seu problema, em vez de ficar se lamentando por causa das adversidades. Ele não se abate pela angústia, mas pensa em formas de superá-la. É uma pena que opte por uma estratégia desonesta em vez de usar a sua astúcia para o bem.

Esta é uma lição fundamental para os cristãos: enquanto pessoas desonestas não se deixam abater pelas dificuldades, mas se reinventam para continuar atrás dos seus propósitos, pode-se dizer o mesmo da postura das pessoas alegadamente boas? Ou será que o estado de injustiça que vive a humanidade não se deve em grande medida ao desânimo e à desistência dos bons?

Cabe aos bons, enfim, perguntar à sua consciência se os filhos deste mundo não estão sendo mais perseverantes em suas metas egoístas do que os filhos da luz em suas metas fraternais.

Tags:
BíbliaevangelhoJesusVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia