Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
São Manuel Morales
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O testemunho de um padre ao resgatar migrantes no Mar Mediterrâneo

refugiados

Shutterstock | Nicolas Economou

Francisco Vêneto - publicado em 11/11/21

"Não dá para ficar parado olhando isto. Não dá simplesmente para assistir. Você tem que agir"

A agência humanitária espanhola Open Arms (Braços Abertos) resgata migrantes no Mar Mediterrâneo, onde ficam à deriva em águas internacionais enquanto tentam escapar de guerras e miséria nas suas nações de origem. Essas tentativas desesperadas de migração têm sido crônicas na região, com refugiados procedentes da África, do Oriente Médio e da Ásia Central tentando chegar à Europa em embarcações precárias e superlotadas.

Quando o padre italiano Luigi Usubelli viu uma dessas embarcações de madeira com cerca de 70 migrantes, incluindo quatro crianças e seis mulheres, pensou imediatamente:

“Não dá para ficar parado olhando isto. Não dá simplesmente para assistir. Você tem que agir”.

Ele mesmo conta que entrou em ação ajudando a içar os refugiados a bordo de um barco da Open Arms. E relata:

“Foi uma experiência muito especial. Estar no meio do mar e ver em primeira mão a coragem daquelas pessoas que sobem a um barco, sem recursos, e esperam no meio de um mar agitado, é uma experiência poderosa”.

Centenas de migrantes no Mar Mediterrâneo morrem anualmente em naufrágios durante as tentativas de travessia – possivelmente, milhares. O Papa Francisco chegou a declarar, em junho deste ano, que “o Mediterrâneo se tornou o maior cemitério da Europa”.

Junto com estas palavras impactantes, Francisco recordou o naufrágio histórico de 18 de abril de 2015, quando afundou nas águas entre a Europa e a África um barco procedente da costa da Líbia com 700 refugiados que tentavam chegar à Itália. Apenas 28 foram resgatados vivos.

Uma das primeiras visitas de Francisco, aliás, logo após ser eleito Papa em 2013, foi à ilha italiana de Lampedusa, na costa da Sicília. É um dos principais destinos de migrantes da África rumo à Europa.

A preocupação do Papa com os migrantes no Mar Mediterrâneo e em quaisquer outras regiões do globo está no centro do seu pontificado. Todos os anos, ele celebra uma Santa Missa para recordar a visita a Lampedusa e voltar a reforçar a urgência de se resolver o drama persistente dos refugiados. A importância simbólica daquela visita de Francisco é tamanha que o dia 8 de julho foi designado por uma aliança global de organizações sem fins lucrativos como o Dia Internacional do Mar Mediterrâneo, visando aumentar a conscientização sobre esta prolongada emergência humanitária – que não parece próxima de ser superada.

Tags:
MigrantesPadresPapa FranciscoRefugiadossolidariedade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia