Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 16 Abril |
Aleteia logo
Cultura & Viagem
separateurCreated with Sketch.

Por que tem a estátua de um padre na Times Square de Nova York?

father Duffy square

ARTYOORAN | Shutterstock

Zelda Caldwell - publicado em 11/11/21

O padre Duffy, capelão militar altamente condecorado na Primeira Guerra Mundial, foi pároco em Nova York

No extremo norte da Times Square, em Nova York, bem em frente à escadaria vermelha, está uma estátua de um padre católico.

A estátua de 2,5 metros de altura retrata o padre Francis Duffy (1871-1932), o clérigo mais condecorado da história do Exército dos Estados Unidos. Ele aparece de pé em um pedestal, com uma enorme cruz celta nas costas. De fato, essa área da Times Square é conhecida como a Father Duffy Square.

Capelão

Esse padre canadense havia servido como capelão militar durante a Guerra Hispano-Americana e, mais tarde, como pároco da paróquia de Nosso Salvador, no Bronx, quando foi chamado para servir como capelão de um Regimento de Infantaria da Guarda Nacional de Nova York, em 1914.

Seu Regimento, chamado de Fighting 69th, era composto principalmente por descendentes irlandeses. O grupo entrou em serviço em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial. Enviado para o front na França, ao longo de 180 dias em combate, 900 de seus homens foram mortos. A história deles foi imortalizada no filme de 1940 The Fighting 69th (James Cagney interpretou o capelão).

O padre Duffy é lembrado por sua bravura no campo de batalha, administrando os últimos ritos aos soldados, cuidando dos feridos e encomendando os mortos. Indo muito além dos deveres de um capelão, o padre Duffy serviu como um verdadeiro líder entre os soldados, trabalhando seu moral enquanto eles se preparavam para entrar na batalha e confortando os feridos. O general Douglas MacArthur disse mais tarde que o padre Duffy chegou a ser cotado para a função de comandante regimental.

História

Em seu livro Father Duffy’s Story, o sacerdote conta a história do seu Regimento. Ele narra, por exemplo, a celebração da Missa de Páscoa no pátio de uma igreja em uma aldeia francesa.

“Eu tenho uma congregação fiéis, aproximadamente três mil almas. Eles geralmente estão espalhados por cinco ou seis vilarejos franceses, quando não combatem, ou estão nas trincheiras”, disse ele, de acordo com o site de arquivos históricos da Arquidiocese de Nova York.

Antes de uma batalha, o padre Duffy caminhava pelas trincheiras concedendo absolvição aos soldados. Ao final dos combates, ele descreve a “tarefa de partir o coração” de enterrar os mortos.

Irmãos

“Eu conhecia esses homens tão bem e os amava como se fossem meus irmãos mais novos. Era o dia mais triste da minha vida. De qualquer forma, é o último ato de amor que posso realizar pelos que retornam a casa”, escreveu ele.

Por seus serviços, o padre foi altamente condecorado. Recebeu a Distinguished Service Cross, a Distinguished Service Medal, a Conspicuous Service Cross (NY), a Légion d’Honneur (França) e a Croix de Guerre (França).

Depois da guerra, o padre Duffy serviu como pároco da Igreja da Santa Cruz, localizada a um quarteirão da Times Square, onde sua estátua está hoje. Lá, ele estabeleceu a Missa das 2:15 da madrugada, aos domingos e feriados, para atender aqueles que frequentavam e trabalhavam nos teatros locais.

O padre Duffy morreu em 26 de junho de 1932. Uma missa militar solene foi celebrada na Catedral de St. Patrick, com milhares presentes. Uma procissão de soldados, veteranos, policiais e bombeiros formou o cortejo fúnebre entre a Igreja da Santa Cruz e a catedral.

Tags:
GuerraHistória da IgrejaPadres
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia