Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Cristo que é Rei do Universo

CHRIST THE KING

Zvonimir Atletic | Shutterstock

Dom Orani João Tempesta - publicado em 22/11/21

Como Jesus pode ser Rei de um mundo que não aceita ser o Seu reinado?

“O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra. A Ele a glória e poder através dos séculos” (Ap 5,12; 1,6). Estas palavras são da Antífona de Entrada da Solenidade, ocasião de clausura do ano litúrgico chamado A em que nos acompanhou o Evangelista São Marcos, e dão o sentido profundo desta celebração da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo.

Uma pergunta que pode vir – deveria vir! – ao nosso coração é esta: Jesus é Rei? Como pode ser Rei, num mundo paganizado, num mundo pós-cristão, num mundo que esqueceu Deus, num mundo que ridiculariza a Igreja por pregar o Evangelho e suas exigências? Pelo menos do Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo o mundo não quer saber. Todas as certezas, todas as esperanças parecem esfarelar-se diante de nós.

Como, então, Jesus pode ser Rei de um mundo que não aceita ser o Seu reinado? E, no entanto, hoje, no último Domingo deste ano litúrgico de 2018, ao final de um ciclo de tempo, voltamo-nos para o Cristo, e O proclamamos Rei: Rei de nossas vidas, Rei da história, Rei dos cosmo, Rei do universo. A Igreja canta, neste dia, na sua oração: “Cristo Rei, sois dos séculos Príncipe,/ Soberano e Senhor das nações!/ Ó Juiz, só a vós é devido/ julgar mentes, julgar corações”.

O texto do Apocalipse citado no início dá o sentido da realeza de Jesus: Ele é o Cordeiro que foi imolado. É Rei não porque é prepotente, não porque manda em tudo, até suprimir nossa liberdade e nossa consciência. É Rei porque nos ama, Rei porque Se fez um de nós, Rei porque por nós sofreu, morreu e ressuscitou, Rei porque nos dá a Vida. Ele é aquele Filho do Homem da primeira leitura (Ap 1,5-8): “Foram-Lhe dados poder, glória e realeza, e todos os povos, nações e línguas O serviam: Seu poder é um poder eterno que não Lhe será tirado, e Seu Reino, um Reino que não se dissolverá”. Com efeito, o reinado de Cristo não tem as características dos reinados do mundo.

Ele é Rei não porque Se distancia de nós, mas precisamente porque Se fez “Filho do homem”, solidário conosco em tudo. Ele experimentou nossas pobrezas e limitações; Ele caminhou pelas nossas estradas, derramou o nosso suor, angustiou-Se com nossas angústias e experimentou tantos dos nossos medos. Ele morreu como nós, de morte humana, tão igual à nossa. Ele reina pela solidariedade.

Ele é Rei porque nos serviu: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mc 10,45). Serviu com toda a Sua existência, serviu dando sempre e em tudo a vida por nós, por amor de nós. Ele reina pelo amor.

Ele é Rei porque tudo foi criado pelo Pai “através Dele e para Ele” (Cl 1,15); tudo caminha para Ele e, Nele, tudo aparecerá na sua verdade: “Quem é da verdade, ouve a Minha voz”. É Nele que o mundo será julgado. A televisão, os sites e blogs, os canais da internet, os modismos, os sabichões de plantão podem dizer o que quiserem, ensinarem a verdade que lhes forem conveniente. Mas, ao final, somente o que passar pelo teste de Cruz do Senhor resistirá. O resto, é resto: não passa de palha. Ele reina pela verdade.

Ele é Rei porque é o único que pode garantir nossa vida; pode fazer-nos felizes agora e pode nos dar a vitória sobre a morte por toda a eternidade: “Jesus Cristo é a testemunha fiel e verdadeira, o Primogênito dentre os mortos, o soberano dos reis da terra”. Ele reina pela vida.

Sim, Jesus é Rei: “Eu sou Rei! Para isto nasci, para isto vim ao mundo!” (Jo 18,37) Mas Seu Reino nada tem a ver com o triunfalismo dos reinos humanos – de direita ou de esquerda! Nunca nos esqueçamos que Aquele que entrou em Jerusalém como Rei, veio num burrico, símbolo de mansidão e serviço. Como coroa teve os espinhos; como cetro, uma cana; como manto, um farrapo escarlate; como trono, a cruz. Se quisermos compreender a realeza de Cristo, é necessário não esquecer isso! A marca e o critério da realeza de Cristo é e será sempre, a Cruz!

Hoje, assistimos, impressionados, a secularização do mundo, e perguntamos: onde está a realeza do Cristo? – Onde sempre esteve: na Cruz: “O Meu Reino não é deste mundo. Se o Meu reino fosse deste mundo, os Meus guardas lutariam para que Eu não fosse entregue aos judeus. Mas o Meu Reino não é daqui”(Jo 18,36). O Reino de Jesus não é segundo o modelo deste mundo, não se impõe por guardas, pela força, pelas armas: Meu Reino não é daqui! É um Reino que vem do mundo do amor e da misericórdia de Deus, não das loucuras megalomaníacas dos seres humanos. E, no entanto, o Reino está no mundo: “Cumpriu-se o tempo; o Reino de Deus está próximo” (Mc 1,15); “Se é pelo Dedo de Deus que eu expulso os demônios, então o Reino de Deus já chegou para vós” (Lc 11,20).

O Reino que Jesus trouxe deve expandir-se no mundo! Onde ele está? Onde estiverem o amor, a verdade, a piedade, a justiça, a solidariedade, a paz. O Reino do Cristo deve penetrar todos os âmbitos de nossa existência: a economia, as relações comerciais, os mercados financeiros, as relações entre pessoas e povos, entre membros da família e vizinhos, nossa vida afetiva, nossa moral pessoal e comunitária.

Celebrar Jesus Cristo Rei do Universo é proclamar diante do mundo que somente Cristo é o sentido último de tudo e de todos, que somente Cristo é definitivo e absoluto. Proclamá-Lo Rei é dizer que não nos submetemos a nada nem a ninguém, a não ser ao Cristo; é afirmar que tudo o mais é relativo e menos importante quando confrontado com o único necessário, que é o Reino que Jesus veio trazer. Num mundo que deseja esvaziar o Evangelho, tornando Jesus alguém inofensivo e insípido, um deus de barro, vazio e sem utilidade, proclamar Jesus como Rei é rejeitar o projeto secularista do mundo atual e proclamar: “O Cordeiro que foi imolado é digno de receber o poder, a divindade, a sabedoria, a força e a honra. A Ele a glória e poder através dos séculos”. Amém (Ap 5,12; 1,6).

Tags:
BíbliaJesusLiturgia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia