Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 02 Dezembro |
São Cromácio de Aquileia
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Como se manter fiel ao sacramento do matrimônio mesmo após o divórcio

ROZWÓD

Kaspars Grinvalds | Shutterstock

Mathilde de Robien - publicado em 25/11/21

"Os efeitos do sacramento perduram além da separação e ainda dão origem a uma vocação para o amor", explica um sacerdote

Por mais paradoxal que pareça, Maria e Francisco, ambos divorciados, desejam permanecer fiéis ao sacramento do matrimônio. Um desejo que se impôs a eles como um choque elétrico. Uma vontade que rondava os seus corações e que se revelou através das palavras de um sacerdote.

Maria tem 62 anos e dois filhos. Ela foi casada por cerca de dez anos, antes de se divorciar, aos 36 anos. O casamento dela começou a passar por momentos difíceis quando os filhos nasceram. “Meu marido não estava pronto para assumir sua responsabilidade como pai. Estávamos passando de crise em crise, tentávamos trabalhar um pouco sobre nós, mas ele se recusava a questionar a si mesmo. Houve até violência física da parte dele. A partir desse momento, a linha vermelha foi ultrapassada e pedi o divórcio”. 

Francisco, 60 anos, é divorciado civilmente há 20 anos e pai de três filhas. Ele e sua ex-esposa investiram muito em seus respectivos empregos. Eles colocaram Deus de lado, confiando em suas próprias forças. E, aos poucos, “seus caminhos de vida tornaram-se caminhos de solidão”. 

“No casamento, vocês não são dois, mas três”

Essas situações dolorosas e os divórcios resultantes viram vidas de cabeça para baixo. Maria diz que estava à beira do suicídio e só sobreviveu por seus dois filhos, então com seis e três anos. Permaneceu, portanto, um questionamento imenso quanto ao sentido da vida, do casamento e da provação que está passando. “O que eu fiz errado? Onde falhamos? Encontrar respostas para tudo isto foi para mim uma questão de sobrevivência, e foi procurando responder e ver um sentido que me aproximei de Deus e à convicção de que Cristo salva ”, explica ela. 

Ao ler o livro Começar uma vida nova? Carta aberta a uma divorciada, do padre Michel Martin-Prével, uma frase abriu outro horizonte para ela: “O padre escreveu: no casamento, vocês não são dois, mas três. Essas palavras me oprimiram. Eu não estava sozinha! Percebi que Deus está sempre presente e que posso contar com ele. Eu, que não me via continuar sozinha, sem recursos e com dois filhos, senti uma grande paz interior, uma confiança na fidelidade do Senhor que estará sempre ao meu lado”. Por sua vez, Francisco também confidencia: “Cristo estava lá desde o início, mas eu não sabia. Eu só descobri isso através da provação da separação ”.

O padre Michel Martin-Prével, especifica à Aleteia que o casamento envolve efetivamente três pessoas: Deus, o homem e a mulher. “A fidelidade é primeiro ao Senhor, depois ao outro… Depois da separação, a graça ativa do sacramento do matrimônio permanece, justamente por sua indissolubilidade”. 

” Você é casado “

Quando a esposa de Francisco pediu a separação, foi um colapso. Uma vez que o divórcio ocorreu, ele se questionou sobre que significado dar a esta “vida após” o casamento. Um dia, um padre disse-lhe: “Você é casado”. “Essa frase, que pode parecer inócua, refletia exatamente a realidade que carregava no fundo do meu coração”, lembra ele. “Permitiu-me encontrar um sentido para a minha vida. Fui chamado a um caminho de fidelidade, de perdão, de esperança. Mesmo depois do divórcio, o sacramento do matrimônio tem poder de vida e salvação ”. 

O amor é possível na separação

“Na separação, ser fiel também é uma forma muito real, embora paradoxal, de viver o amor”, comenta Pe. Michel Martin-Prével. Isso é o que Francisco testemunha hoje. “Algo da graça do sacramento do matrimônio ainda está passando entre nós. Ela nos edifica, apesar de tudo. Mesmo que minha esposa não me aceite mais como marido, busco o bem dela”, confessa. “O sacramento do matrimônio continua a transformar meu coração e a me chamar ao amor, de uma forma diferente da que vivemos em nossa convivência”.

Isso acontece “porque o vínculo conjugal permanece além da separação, não por uma lei da Igreja, mas segundo a lei natural do amor. A graça sacramental do matrimônio carrega este amor em sua fraqueza e em sua pobreza”, sublinha Pe. Michel Martin-Prével . “Os efeitos do sacramento perduram além da separação e ainda dão origem a uma vocação para o amor. Companheiros da eternidade ou quase, eles são dados um ao outro para carregar um ao outro, permanecendo responsáveis ​​pela alma do outro ”. 

“Estes testemunhos de fidelidade conjugal são testemunhos de como Deus é fiel ao homem apesar das suas recusas e como Jesus é fiel ao seu Pai apesar do abandono da sua família”, observa o padre Michel Martin-Prével. Eles comprovam as palavras de Cristo: “O que Deus uniu ao homem não deve separar” ( Mt 19,6 ).

Pais juntos

Na encíclica Amoris Laetitia, o Papa Francisco tem palavras muito fortes sobre filhos de pais divorciados: “Que não sejam os filhos que suportam o peso desta separação, que não sejam usados ​​como reféns do outro cônjuge, que cresçam ouvindo a mãe dizer coisas boas do pai, embora não estejam juntos, e que o pai fale bem da mãe ”. 

Francisco, o nosso personagem, ficou profundamente comovido com estas palavras de sua ex-esposa: “Nossas filhas têm sorte de ter você como pai”. 

Enfim, que todos os pais separados assumam juntos e com o mesmo entusiasmo a educação dos filhos. Porque “os pais divorciados são sempre dotados da graça da educação e da santificação dos filhos”, especifica o padre Michel Martin-Prével. 

Tags:
AmorDivórcioFilhos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia