Aleteia logoAleteia logoAleteia
Domingo 14 Agosto |
São Maximiliano Maria Kolbe
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Surpreendente: como é ser católico na China

shutterstock_1592627341.jpg

Kit Leong | Shutterstock

Claudio de Castro - publicado em 01/12/21

O testemunho impactante de um católico que explica o que significa seguir a Cristo hoje no maior país comunista da Ásia

O mundo ficou chocado. Em 2018, a Santa Sé assinou um acordo provisório com a China. O objetivo principal era “apoiar e promover o anúncio do Evangelho” no país, “reconstituindo a unidade plena e visível da Igreja“. O acordo visava, especialmente, a nomeação dos bispos e a unidade dos bispos com o Papa. 

“Pela primeira vez em muitas décadas, todos os bispos da China estão em comunhão com o bispo de Roma e, graças à implementação do acordo, não haverá mais ordenações ilegítimas”, informou o Vaticano.

Em outubro de 2020, o Vaticano informou que o acordo foi renovado provisoriamente por mais dois anos.

Os desafios dos católicos na China

Muitas histórias são ouvidas no Ocidente sobre a vida difícil dos católicos na China. Afinal, é um governo comunista, eles não acreditam em Deus. Mas, como conhecer essa realidade? 

Ao ler notícias sobre perseguições aos cristãos, fiquei interessado no assunto dos católicos na China lendo notícias sobre as perseguições. Eles são nossos irmãos na fé.

Comecei, assim um longo caminho, procurando uma fonte confiável que aceitasse compartilhar comigo, a partir de sua perspectiva, o que acontece em nossa Igreja naquele país milenar. Queria que essa pessoa me explicasse como vivem os católicos hoje naquele país.  

Não foi nada fácil. Existe medo de retaliação. Tanto que devo manter minhas fontes anônimas. 

Consegui encontrar alguém disposto a conversar. Por sua integridade, sua segurança e de sua família, omito seu nome.

Por meio de outros católicos, consegui levar minhas perguntas a ele. Há poucos dias recebi as respostas tão esperadas.

Quase imediatamente, imprimi-os em páginas em branco e sentei-me para lê-los, surpreso com o conteúdo. Hoje, eu os compartilho com você.

Vamos saber como vive um católico na China com as dificuldades impostas pelo sistema comunista do país. Como as respostas são um pouco longas, vou dividi-las em três postagens.

Não perca nenhum delas. Elas serão intensas, fortes, interessantes. Comecemos… 

A Igreja Católica na China

Aleteia: O que mais o impressiona sobre a Igreja Católica na China? 

Fonte: O que mais me impressiona é a perseverança da fé. Os poderes instituídos têm imposto à Igreja Católica cada vez mais restrições, desde a proibição do batismo de crianças menores, até propor uma reforma da teologia católica de acordo com as características da política chinesa.

No entanto, muitos fiéis, sacerdotes e religiosos fervorosos não desanimaram com a difícil situação.

E procuram conviver com a situação, procurando todo o possível para poder evangelizar sem conflito com os poderes locais. 

Aleteia: Conte-nos um pouco sobre o que está acontecendo com os católicos na China, para que possamos entender o que está acontecendo agora. Como está a situação para os católicos? 

Hoje, os católicos comuns (os leigos) não têm conflito com os poderes constituídos. Porque os poderes procuram apenas as juntas de freguesia e o pároco, a quem impõem restrições. E eles tentam doutriná-los, “fazer uma lavagem cerebral” neles e forçá-los a controlar os patronos.

No entanto, a situação varia de um lugar para outro. Em alguns lugares, os poderes controlam os católicos por meio de professores. Por meio deles, impedem os estudantes católicos de participarem das missas dominicais. Se não obedecerem, os professores irão puni-los ainda mais, discriminá-los e insultá-los na presença de outros alunos não católicos. Desta forma, os estudantes católicos são frequentemente isolados por não católicos.

Além disso, algumas empresas e fábricas exigem que seus trabalhadores renunciem à sua religião.  

Os padres

Aleteia: Agora vamos falar sobre os padres na China. O que você sabe sobre eles? Como é a vida cotidiana de um sacerdote católico fiel ao Papa e ao Magistério da Igreja? Eles são livres para celebrar missas, fazer homilias e falar sobre o Evangelho? 

Sim, todos os padres (eclesiásticos e patrióticos) podem ser livres para celebrar a missa, fazer suas homilias e falar do Evangelho, mas não podem tocar nas questões da justiça social e dos direitos humanos. No entanto, há um pequeno grupo que está se escondendo e não quer se comunicar com o governo. Eles celebram missa na casa dos fiéis. A vida cotidiana dos sacerdotes se divide em duas partes: a pastoral e o “convite” para oficinas de legislação nacional ou aulas de política, e assim por diante. Tudo isso sob o título “caminhamos juntos por uma sociedade harmoniosa” .

Mas sempre há exceções. Em alguns lugares, houve padres e bispos que foram presos ou mortos.   

Em suma, a vida sacerdotal é como uma partida de futebol: a vitória depende de como os jogadores desempenham suas funções até violar as regras do jogo.

Por isso, uns são livres para cumprir qualquer serviço pastoral e outros só podem celebrar a missa. 

Aleteia: A mídia menciona sequestros, doutrinações, prisões e isolamentos forçados de padres católicos. Tudo o que lemos é verdade?  

A mídia de notícias é 50-60% verdadeira , especialmente a mídia de Hong Kong. Eles sempre usam o que acontece em um lugar ou diocese para interpretar a situação de toda a Igreja Católica no país. Por exemplo, de 2000 até hoje, tenho certeza de que existem mais de 10 cidades onde os padres foram presos, pois há um total de 668 cidades.  

Doutrinação

Aleteia:O governo comunista doutrina os católicos? 

Sim, mas em poucos lugares isso acontece. Hoje, eles exercem os controles de maneiras mais sutis. Se os leigos católicos não expressarem sua fidelidade ao governo, não poderão receber assistência social. Crianças não poderão se inscrever para a bolsa.  

Aleteia:Você poderia nos contar como é o dia a dia de um católico na China? 

O que eu sei é que ele  começa o dia com a oração da manhã e o rosário, ou se ele pode, começa com a missa matinal. A maioria participa da missa todos os dias .

Os aposentados passam o tempo participando de grupos pastorais.

Também há católicos que não rezam, só participam nas missas dominicais, vivem o seu cotidiano como os não católicos.  

* * *

Caro leitor da Aleteia, em artigo futuro acompanharemos essa incrível entrevista. Enquanto isso, oremos pelos nossos irmãos, pela Igreja na China, pela santificação do mundo inteiro. 

Tags:
CatólicoscomunismoPerseguiçãoReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia