Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 28 Novembro |
Santos Papiniano e Mansueto, bispos de Vita e Urúsi 
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

O testemunho das freiras que trabalham com refugiados na Grécia

REFUGEES

LOUISA GOULIAMAKI | AFP

I.Media para Aleteia - publicado em 02/12/21

As necessidades estão lá, mas somos prejudicadas por questões administrativas, dizem as religiosas, no contexto da visita do Papa

Depois de vários anos trabalhando com migrantes na ilha grega de Samos, no Mar Egeu, as Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo tiveram seu acesso ao novo campo de refugiados negado em setembro passado.

Entrevistada por I.MEDIA, Ir. Melanie, religiosa francesa que vive nesta comunidade há três anos, expressa o desejo dos missionários de que a situação seja desbloqueada com a visita do Papa Francisco a Lesbos, em 5 de dezembro de 2021.

A comunidade fundada na França por São Vicente de Paulo se estabeleceu na Grécia em 1872, na ilha de Syros, a quatro horas de barco de Atenas. Sete irmãs, incluindo uma vietnamita, uma croata e quatro gregas, compõem a comunidade local com Ir. Melanie, que administra uma casa de repouso para 35 idosos. Os residentes e a equipe de enfermagem da casa são metade ortodoxos e metade católicos.

Drama

Quando a crise migratória explodiu em 2015, a ilha de Syros não foi afetada, pois está longe da rota dos barcos. Mas as irmãs se sentiram preocupadas. “O coração do carisma da nossa congregação”, explica Ir. Melanie, “é ir até as pessoas mais pobres, as mais necessitadas, para onde ninguém vai”.

Nesse sentido, elas ofereceram sua ajuda ao bispo da diocese, que as enviou para Samos, uma ilha sem padre permanente, onde uma grande comunidade católica africana acabara de chegar.

Foi uma jornada difícil, já que levou nada menos que 8 horas de barco para chegar a Samos a partir de Syros. As religiosas trabalham no local dois fins de semana por mês: “Nós ensinamos catequese, ouvimos, demos apoio moral e demos ajuda material com roupas, comida e lonas para as tendas.”

Assim como em Lesbos, a situação é crítica: “Enquanto o campo inicial em um quartel militar foi planejado para 650 pessoas, houve até 7.000 chegadas no coração do inverno de 2019”, lembra Ir. Melanie.

Uma rede de colaboração foi criada com várias ONGs e Caritas, bem como com o hospital estadual da ilha, que ficou sobrecarregado pelo afluxo de pacientes. As habilidades de enfermagem de Ir. Melanie, em particular, foram usadas por uma ONG médica francesa.

Acesso difícil

Mas em setembro de 2021, o campo foi transferido da cidade para zona rural. Para os 400 migrantes que agora vivem lá, as condições materiais estão melhores. No entanto, os controles de segurança são mais severos.

As autoridades do campo não deram permissão ao Pe. Tony, um jesuíta em missão com os refugiados, nem às religiosas, para entrar no campo para oferecer acompanhamento espiritual — um duro golpe para a comunidade católica de refugiados. Além disso, devido à dificuldade de obter acesso, muitas ONGs deixaram Samos.

“É frustrante porque as necessidades estão lá e somos prejudicadas por questões administrativas”, lamenta o Ir. Melanie, que nos diz que as religiosas esperam que a visita do Papa Francisco desbloqueie a situação.

A mesma situação existe em Lesbos, a maior das ilhas que fazem fronteira com a Turquia: os novos campos “fechados” são de fato proibidos a pessoas não autorizadas, explica uma fonte local.

Embora os migrantes cristãos possam, em teoria, ir às igrejas, a localização remota do campo de Samos torna as viagens mais complicadas.

Visita do Papa

As Filhas da Caridade não cessaram sua missão com os migrantes: “Enquanto acompanhamos uma família congolesa e um menino de Camarões que obteve uma autorização de trabalho, continuamos ajudando aqui em Syros”, diz Ir. Melanie.

“Nós os ajudamos em seu processo de integração, especialmente aprendendo o idioma e acompanhando-os. Também continuamos a apoiar os refugiados que deixaram Samos e agora estão em Atenas.”

Ir. Melanie e a superiora de sua comunidade, Ir. Anna, estarão presente no encontro do clero e religiosos com o Papa Francisco em Atenas em 4 de dezembro, bem como na missa no dia seguinte na capital grega.

O que o Ir. Melanie diria se tivesse a oportunidade de falar com o Bispo de Roma? “Eu agradeceria a ele por seus desafios, que nos encorajam a ser ousadas em nossa missão”, diz ela. “Seu amor pelos pobres me estimula na minha vocação. E então eu pediria a ele para interceder junto aos líderes políticos pela causa dos refugiados na Grécia.”

Tags:
MigrantesPobrezaRefugiados
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia