Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Como o Caminho de Santiago ajudou esta jovem a vencer o luto

Carolina-Prati

Carolina Prati | Facebook

Silvia Lucchetti - publicado em 03/12/21

O Caminho de Santiago de Compostela foi uma trilha de renovação e cura diante da dor pela perda da mãe

Esta história é como um pequeno facho de luz. Não é um testemunho dramático — nada extraordinário ou surpreendente — mas é repleta do sentimento mais puro. É a história de como uma italiana de 25 anos, chamada Carolina, fez o Caminho de Santiago para superar a dor do luto após perder sua mãe.

Caminho de renovação

Carolina escreveu no grupo público do Facebook Camino di Santiago: “Eu estava ‘morta’ até então, mas a minha caminhada me trouxe de volta à vida.”

Em agosto, Carolina decidiu fazer a peregrinação a Santiago. Era o primeiro aniversário da morte de sua mãe.

Ela escreveu no Facebook:

Acordei em 1o de agosto e disse: “Eu tenho que fazer o Caminho de Santiago!” Abri o aplicativo Ryanair e reservei minha partida para domingo, 12 de setembro, e meu retorno na sexta-feira, 17 de setembro, logo durante a única semana de férias que tive. (…) Tenho vinte e cinco anos e estou sem mãe há exatamente um ano, desde 13 de setembro de 2020, e um ano depois, 13 de setembro de 2021 foi meu primeiro dia de caminhada.

Aqueles que partem na jornada carregam esperança em seu coração

Perder a mãe, para uma jovem, significa um tipo particular de solidão. De repente, ela se viu só, já crescida, mas sentindo-se abandonada.

O Papa Francisco disse uma vez que “uma cristã sem Nossa Senhora é órfã”. Eu gostaria de poder dizer a Carolina que ela não está realmente sem mãe, já que Maria é a mãe de todos nós.

Mas este é o aspecto que mais me impressiona: em vez de deixar o luto sufocá-la, de se fechar em sua casa, Carolina começou uma jornada.

A peregrinação sempre alimenta o fogo interior, mesmo que nosso ânimo esteja fragilizado. Um peregrino(a) é alguém que têm esperança. Caminhar nos leva a olhar para frente, a perceber a vista e a natureza, a conhecer outras pessoas — mas acima de tudo conhecer a si mesmo.

“Agora eu entendo o amor que me cerca”

Carolina escreveu no Facebook:

Ausências não se tornam presenças, a dor nunca desaparecerá e algumas perguntas ficam sem resposta, mas sei que fazer o Caminho foi o gesto MAIS PURO e AMOROSO que já fiz em relação a mim mesma… Quando sofremos, muitas vezes ficamos com raiva porque os outros não sabem como nos ajudar. Mas isso é um erro: devemos primeiro nos encontrar para obter ajuda para nós mesmos; para entender o amor que nos cerca, devemos primeiro perceber que estamos “vivos”. Eu estava “morta” até então, mas a minha caminhada me trouxe de volta à vida. Agora eu entendo o amor que me cerca, só porque eu busquei e me encontrei.

COMPOSTELA

O Caminho de Santiago e a superação da dor

Ela continua:

Esta é a minha experiência; é esse pouco que posso compartilhar. Eu não sou uma heroína. Eu não fiz nada de extraordinário, exceto tentar me amar novamente e entender que ainda há tanta beleza na minha vida. Se eu fiz isso, qualquer um pode fazer. Experimente, nunca pare. Acredite em si mesmo. É preciso coragem para se ver devastada, mas NUNCA hesite em querer reconstruir! O luto é um poço sem fim; o truque é não cair nele.

Carolina reconhece que precisou se encontrar e aprender a amar a si mesma novamente.

Ou seja, aceite a si mesmo, aceite até mesmo as coisas que você não gosta em si mesmo: as limitações, as falhas. Assim como uma mãe faz com seus filhos. E aceite sua própria história também, incluindo os eventos ruins e incompreensíveis que você gostaria de apagar, sem se deixar prender na teia da dor.

COMPOSTELA

“Eu trouxe minha mãe comigo”

Carolina conclui seu post assim:

Claro que eu trouxe minha mãe comigo, ela que me deu tanta força e sempre foi minha pessoa favorita para conversar.

E, de fato, as fotos provam isso; durante várias etapas da peregrinação, Carolina mostra seu sorriso mais bonito enquanto segura em suas mãos uma foto de sua mãe. De fato, quem amou e foi amado(a) nunca será verdadeiramente órfão.

Tags:
MorteMulherperegrinacao
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia