Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 15 Agosto |
São Manuel Morales
Aleteia logo
Espiritualidade
separateurCreated with Sketch.

Você já conhece ou usa o “Escapulário do Carmo”?

SCAPULAR

SHUTTERSTOCK

Vanderlei de Lima - publicado em 05/12/21

O grande bem espiritual – ou mesmo físico – realizado por Deus, pela intercessão de Nossa Senhora, através do “Escapulário do Carmo”, foi tão grande que essa devoção logo se expandiu

Este artigo deseja, de modo sintético, expor a difundida devoção mariana do “Escapulário do Carmo”.

Ele é uma peça com dois pedaços de pano marrom ligados entre si por uma fita (mais ou menos larga) que vai sobre os ombros de quem o usa. Graças a essa fita um dos panos fica sobre o peito e outro sobre as costas. O nome Escapulário vem de escápula (ou omoplata), osso achatado e triangular, localizado na parte superior das costas, cuja função é estabilizar e auxiliar a movimentação dos ombros. 

Dito isso, pergunta-se: como surgiu e se difundiu o “Escapulário do Carmo”? – A história diz que, no século XIII, São Simão Stock, sexto superior geral dos carmelitas (ordem religiosa colocada sob a proteção de Nossa Senhora do Carmo ou do Monte Carmelo), em meio a grandes provações, teve uma visão. Nela, a Virgem Maria, com o menino Jesus no braço, lhe entregava o Escapulário e dizia: “Recebe, diletíssimo filho, este Escapulário de tua Ordem como sinal distintivo e a marca do privilégio que eu obtive para ti e para todos os filhos do Carmelo; é um sinal de salvação, uma salvaguarda nos perigos, aliança de paz e de uma proteção sempiterna. Quem morrer revestido com ele, será preservado do fogo eterno” (Plinio Maria Solimeo. A grande promessa de salvação: o escapulário de Nossa Senhora do Carmo. São Paulo: Artpress, 2000, p. 27).

O grande bem espiritual – ou mesmo físico – realizado por Deus, pela intercessão de Nossa Senhora, através do “Escapulário do Carmo”, foi tão grande que essa devoção logo se expandiu. Tal expansão levou a Igreja a conceder aos que o usam o chamado “privilégio sabatino”. Sobre ele, escreve o Papa Paulo V: “É permitido pregar… que, após a morte, a Santíssima Virgem socorrerá, com a Sua contínua intercessão, com os Seus sufrágios e méritos e com a Sua especial proteção, sobretudo no sábado, dia particularmente consagrado pela Igreja à mesma Santíssima Virgem Maria as almas dos irmãos e irmãs da Confraria da Santíssima Virgem Maria do Monte Carmelo que, durante a vida, tiverem usado o hábito [Escapulário], guardando a castidade segundo o estado, e recitado o Ofício Menor [ou as orações indicadas pelo sacerdote que o impôs]… ou, não sabendo recitar o Ofício, tiverem observado os jejuns da Igreja e guardado a abstinência de carne nas quartas-feiras e sábados (a menos que quaisquer destes dias coincida com a festa do Natal)” (idem, 35-36).

Este privilégio foi estendido aos fiéis em geral. Note-se, porém, que não basta usar o Escapulário por usar. Ele tem de ser (ao menos o primeiro) bento e imposto por um sacerdote católico. Mais: quem o usa há de viver uma vida piedosa, casta e rezar diariamente para merecer o privilégio prometido. O escapulário deve ser de lã, na cor marrom (ou preta), e pode ser protegida por plástico (concessão do Papa Pio XI em 1925), como muito se vê nos nossos dias. Ainda: quem já recebeu o escapulário de lã, pode substitui-lo pela chamada “medalha-escapulário” (concessão do Papa São Pio X em 1910), que tenha, de um lado, o Sagrado Coração de Jesus, e, de outro, a Santíssima Virgem, mas esta – ao contrário do Escapulário – deve ser benta cada vez que for trocada.

A título de ilustração, citamos o seguinte fato prodigioso envolvendo o Escapulário: “Na madrugada de 9 de junho de 1948, um terrível incêndio atingiu um dos pavilhões do Hospital São Pedro, em Porto Alegre. Destruindo-o, apesar dos esforços dos bombeiros, ameaçava atingir os outros pavilhões. A Irmã Filipina, que estava no pavilhão de Tisiologia – um dos mais ameaçados –, tirou o Escapulário e arremessou-o contra o fogo, dizendo: ‘Nossa Senhora, apagai este incêndio’. Imediatamente o fogo foi cessando, deixando intacto o referido pavilhão” (ibidem, p. 60).

Adquira, pois, o seu Escapulário, leve-o para ser abençoado e imposto por um sacerdote. Use-o, de modo consciente, como um sacramental (objeto bento pela Igreja) a ajudá-lo(la), com a graça de Deus, nos grandes embates da vida. 

Vanderlei de Lima é eremita de Charles de Foucauld

Tags:
DevoçãoMariaMilagreSacramentais
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia