Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 27 Janeiro |
Beato Jorge Matulaitis 
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

EUA: cada vez mais trabalhadores pedem demissão de seus empregos

resignation

chayanuphol | Shutterstock

Jim Schroeder - publicado em 09/12/21

E não é apenas por um salário maior...

“Eu desisto.” Essa foi a frase ouvida mais nos Estados Unidos em 2021. Em meio ao que foi a continuação da década que nos trouxe uma palavra (coronavírus) que todos gostaríamos de nunca ter ouvido, algo curioso apareceu este ano.

O mês de abril registrou os maiores números de pedidos de demissão da história dos Estados Unidos. Mas os trabalhadores estavam apenas começando, pois novos registros foram feitos nos meses seguintes. Embora alguns prevejam que a “Grande Renúncia” logo chegará ao fim, a realidade é que os últimos seis meses viram uma tendência diferente do que conhecemos antes. 

Somente em agosto, 7% dos trabalhadores deixaram o emprego na indústria de alimentação e hospedagem. Várias teorias explicam esse fenômeno, incluindo quedas iminentes em certas áreas de negócios, como o turismo, medos relacionados à COVID ou mesmo experiências negativas crescentes com consumidores, como grosseria em companhias aéreas e cabines de restaurantes. 

Por que tantos pedidos de demissão?

Como acontece com qualquer tendência em particular, para ter um entendimento mais completo, temos que olhar para trás, antes que os números se tornassem impressionantes. Nas últimas décadas, tornou-se claro que os trabalhadores estão buscando mais do que apenas um salário decente e um emprego estável. As pesquisas indicam que os trabalhadores querem se sentir valorizados e respeitados em seu emprego. Além disso, querem que seu trabalho tenha um impacto perceptível além mesmo de seu setor imediato. 

Ao contrário de gerações anteriores, em que as pessoas trabalhavam décadas para a mesma empresa apenas para se aposentar com a pensão em mãos, os mais jovens não querem somente um emprego.

Recentemente, Anthony Klotz, professor associado da Texas A&M a quem foi atribuído o termo “A Grande Renúncia”, postulou que quatro fatores principais estão associados a esse fenômeno dos pedidos de demissão.

Esgotamento e trabalho presencial

Entre esses motivos estavam o esgotamento (especialmente em setores onde a pandemia causou mais estresse) e uma aversão a retornar ao escritório após um ano trabalhando de casa devido à COVID. Ele também destacou “a mudança de identidade ou as epifanias pandêmicas que as pessoas tiveram e decidiram fazer grandes mudanças em suas vidas durante a pandemia”. 

De fato, para muitos trabalhadores, parece que esse momento único da história trouxe consigo uma crise existencial. Simplificando: por que eu toleraria me sentir invisível e desprezado no trabalho, quando posso buscar outras oportunidades sozinho ou em uma organização que promete muito mais? Quer as promessas de “pastagens mais verdes” sejam ou não cumpridas, não é incomum para a psique humana buscar opções promissoras em tempos difíceis.  

Significado e propósito

Juntamente com a ideia de se sentir valorizado, está também a ideia de encontrar significado no que se faz. O Dr. Viktor Frankl, sobrevivente do Holocausto e criador da Logoterapia, descobriu que os seres humanos lutam regularmente com “neuroses noogênicas”, mas nem sempre reconhecem isso. 

Ao contrário de uma condição estritamente psicológica, como o medo doentio de cães, uma neurose noogênica é fundamentada no sentido de que o que se está fazendo carece de significado. De muitas maneiras, a pessoa experimenta uma crise existencial. Portanto, embora possam expressar frustração com a redução dos salários, jornadas mais longas ou até mesmo a falta de respeito percebido, Frankl argumentaria que muitos desses trabalhadores simplesmente não encontram significado e propósito no que estão fazendo. Se for esse o caso, então apenas dois mecanismos para maior felicidade estão disponíveis: uma mudança significativa da perspectiva ou uma mudança de emprego.

A realidade é que a insatisfação com o trabalho já existia até mesmo entre os primeiros seres humanos. Mas como empregos e carreiras se diversificaram, a assistência governamental e as opções de crédito explodiram ao longo do século passado. Além disso, as redes sociais proporcionaram um “fórum aberto” sobre as condições dos trabalhadores. Como consequência, os profissionais de hoje vivem em um caldeirão de opiniões sobre seus empregos. 

Algo melhor lá fora

Mesmo nas melhores situações de trabalho, os funcionários não podem deixar de pensar que pode haver algo melhor lá fora. Bryan Kelly, sem dúvida tinha o emprego esportivo mais cobiçado dos Estados Unidos. Entretanto, recentemente, se demitiu da Notre Dame por um negócio extremamente lucrativo com a Louisiana State University.

Aconteça o que acontecer com a “Grande Renúncia”, uma coisa parece clara. Para o bem ou para o mal, nunca houve uma força de trabalho mais engajada psicologicamente do que a que existe hoje. Alguns argumentam que essas demissões e as demandas gerais dos trabalhadores melhorarão o panorama do mercado de trabalho nas próximas décadas. Outros postularam que uma força de trabalho flutuante e expectativas irracionais significarão a ruína para a economia.

Onde quer que esteja a realidade, os trabalhadores de hoje estão fazendo uma declaração. Através de um pedido de demissão, os trabalhadores fazem suas vozes serem ouvidas – e desta vez não é só pelo dinheiro.

Tags:
EconomiaTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia