Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 20 Janeiro |
São Sebastião
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Juiz da Suprema Corte dos EUA questiona existência do direito ao aborto

Juiz Clarence Thomas

ND Center for Citizenship & Constituional Gov. | YouTube | Fair Use

Francisco Vêneto - publicado em 14/12/21

Juiz Clarence Thomas indaga onde é que está esse direito na constituição dos EUA e em que consiste: liberdade? Autonomia? Privacidade?

A inexistência do alegado direto ao aborto tem estado novamente na pauta da Suprema Corte dos Estados Unidos. Entre os magistrados, quem está se destacando em reiterar que esse “direito” não existe é o juiz Clarence Thomas, que integra o tribunal supremo desde 1991.

Católico, Thomas foi apenas o segundo afro-americano a integrar a máxima instância da justiça dos EUA. Ele sempre se opôs à famigerada resolução Roe versus Wade, a sentença da Suprema Corte que legalizou o aborto no país em 1973, com base em… uma mentira.

Na ocasião, a jovem Norma McCorvey, que usava o pseudônimo “Jane Roe”, recorria ao Supremo para ser autorizada a abortar porque alegava ter engravidado em decorrência de um estupro. Durante o processo, ela deu à luz uma bebê que foi entregue para adoção. A Suprema Corte decidiu que os Estados norte-americanos não podem proibir abortos antes da assim chamada “viabilidade do feto”, que a própria corte determinou que acontece entre as semanas 24 e 28 da gestação.

Anos mais tarde, porém, Norma McCorvey confessou que o seu relato perante a Suprema Corte havia sido mentiroso e que ela tinha sido manipulada por ativistas pró-aborto. Norma acabou se convertendo ao catolicismo e passou a dedicar-se à causa pró-vida. Ela faleceu em fevereiro de 2017. Em outras palavras, a decisão Roe versus Wade, que legalizou o aborto nos EUA, se baseou numa mentira e, por conseguinte, num erro crasso dos magistrados.

Constitucionalidade em causa: suposto direito ao aborto se baseia em quê?

Atualmente, a Suprema Corte dos Estados Unidos está revendo a constitucionalidade do aborto legalizado a partir do caso Roe versus Wade. Os magistrados deram início, em 1º de dezembro, às oitivas de um caso cujo cerne é a restrição legal, no estado do Mississipi, aos abortos após a 15ª semana de gestação. As partes no caso são o próprio estado do Mississipi, representado pelo secretário de Saúde Thomas E. Dobbs, e a Jackson Women’s Health Organization, uma clínica de abortos que processa o estado por causa dessa restrição, implementada em 2018. O caso é identificado, portanto, como Dobbs versus Jackson Women’s Health Organization.

Conforme matéria do portal LifeNews, o juiz Clarece Thomas perguntou ao advogado da clínica de abortos durante uma das recentes audiências:

“Você poderia me dizer especificamente, afirmar especificamente qual é o direito? É especificamente o aborto? É uma liberdade? É liberdade? É autonomia? É privacidade?”

O advogado tentou passar a seguinte interpretação:

“O direito se baseia no componente de liberdade da 14ª Emenda (constitucional), mas eu penso que também diz respeito à autonomia, integridade corporal, liberdade e igualdade. E eu penso que é especificamente o direito ao aborto aqui, o direito de uma mulher de poder controlar, sem que o Estado a force a continuar uma gravidez, se ela quer ou não gestar aquele bebê até o parto”.

Ou seja, o advogado não citou absolutamente nenhum trecho da constituição nem da 14ª Emenda: apenas discursou em cima da sua própria interpretação subjetiva de um direito que não é reconhecido porque não existe.

O juiz então questionou:

“Eu entendo que estamos falando sobre aborto. Mas o que é confuso é que, se nós estamos falando sobre a Segunda Emenda, eu sei exatamente do que estamos falando. Se estamos falando sobre a Quarta Emenda, eu sei do que estamos falando. Porque está escrito lá. Mas qual é especificamente o direito do qual estamos falando aqui?”.

O advogado respondeu, ainda sem apontar qualquer base constitucional para o suposto “direito” ao aborto:

“É o direito da mulher, antes da viabilidade [do feto], de decidir se vai continuar a gravidez”.

A constituição norte-americana protege a vida, não o “direito ao aborto”

Ironicamente, a 14ª Emenda, citada pelo advogado na tentativa de justificar o “direito” ao aborto, protege na realidade o direito à vida.

De fato, uma detalhada pesquisa sobre a história da legislação norte-americana, apresentado pelos professores John Finnis (University of Notre Dame Law School) e Robert P. George (Princeton University), comprova que os bebês ainda não nascidos já eram reconhecidos como pessoas pela 14ª Emenda desde pelo menos 100 anos antes da sentença Roe versus Wade.

O atual caso Dobbs versus Jackson Women’s Health Organization pode ser a oportunidade da Suprema Corte norte-americana de corrigir os erros do passado no tocante ao aborto nos Estados Unidos – e, dada a sua influência planetária, também de mudar o cenário do aborto em dezenas de outros países.

Tags:
AbortoIdeologiaJustiça
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia