Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 09 Agosto |
Santa Teresa Bendita da Cruz (Edith Stein)
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Papa Francisco sobre calúnia: “Quem fala mal do próximo é um assassino”

Papa Francisco fala do silêncio contra a calúnia

© Antoine Mekary / ALETEIA

Reportagem local - publicado em 15/12/21

"Sem a prática do silêncio, o nosso falar adoece e pode tornar-se uma arma perigosa"

O Papa Francisco usou palavras fortes na audiência geral desta quarta-feira, 15, ao tratar da gravidade da calúnia: “Quem fala mal do próximo é um assassino”. Ele convidou os católicos a seguirem o exemplo de São José para “cultivar tempos de silêncio nos quais possa surgir outra Palavra: a do Espírito Santo que habita em nós”.

Francisco afirmou que “não é fácil reconhecer essa Voz em meio às tantas vozes das preocupações, tentações, desejos e esperanças que ouvimos em nosso interior”, mas completou que “sem esse treinamento, que vem da prática do silêncio, as nossas palavras podem adoecer”.

O Papa ilustrou também o que acontece quando nossas palavras deixam de ser sadias:

“Jesus o disse claramente: quem fala mal do irmão ou da irmã, quem calunia o próximo, é assassino. Mata com a língua. Não acreditamos nisto, mas é a verdade. Se nos lembrarmos das vezes em que matamos com a língua, nos envergonharemos! Mesmo assim, [reconhecer isto] nos fará muito bem”.

Silêncio: remédio para conter a calúnia e outros crimes da língua

Ele explicou que, “sem a prática do silêncio, o nosso falar adoece. Em vez de fazer a verdade resplandecer, [o nosso falar] pode tornar-se uma arma perigosa. As nossas palavras podem tornar-se adulação, jactância, mentira, maledicência, calúnia. É um fato da experiência: como nos lembra o Eclesiástico, ‘a língua mata mais do que a espada’”.

Francisco citou a carta de São Tiago, que “desenvolve o tema do poder positivo e negativo da palavra”, e o livro da Sabedoria, que diz que “quando a noite estava no silêncio mais profundo, a tua palavra desceu à terra”, fazendo referência à Encarnação da Palavra de Deus em Seu Filho Jesus Cristo.

A respeito de São José como exemplo de sadio silêncio, o Papa observou que “os Evangelhos não registam quaisquer palavras de José de Nazaré: nada, ele nunca falou”. E Francisco explicou o motivo: “À medida que cresce em nós a Palavra, o Verbo que se fez homem, diminuem as palavras. À medida que Jesus cresce, as palavras diminuem”.

Francisco prosseguiu, indo além do objetivo de evitar a calúnia e destacando outros frutos do silêncio virtuoso:

“José, com o seu silêncio, nos convida a abrir espaço para a presença da Palavra feita carne, Jesus. O silêncio de José não é mutismo: é um silêncio cheio de escuta, um silêncio laborioso, um silêncio que faz emergir a sua grande interioridade. Jesus cresceu nesta ‘escola’, na casa de Nazaré, com o exemplo diário de Maria e José. E não surpreende que Ele próprio procurasse espaços de silêncio nos seus dias e convidasse os seus discípulos a fazerem esta experiência: ‘Vinde, retiremo-nos a um lugar deserto, e repousai um pouco’”.

Imitando São José, o Papa nos convida a “recuperar esta dimensão contemplativa da vida, aberta precisamente pelo silêncio”. Mas admitiu: “não é fácil: o silêncio nos assusta um pouco porque nos chama a entrar em nós mesmos e encontrar a parte mais verdadeira de nós. Muita gente tem medo do silêncio”. Ele recordou uma frase do filósofo Pascal: “toda a infelicidade dos homens provém de uma só coisa: não saberem ficar quietos num quarto”.

Francisco exortou:

“Cada um olhe para dentro de si mesmo: muitas vezes estamos fazendo um trabalho e, quando terminamos, procuramos imediatamente o celular para fazer outra coisa. Somos sempre assim. E isto não ajuda, nos faz escorregar na superficialidade. A profundidade do coração cresce com o silêncio, um silêncio que não é mutismo, mas que deixa espaço à sabedoria, à reflexão e ao Espírito Santo. Não devemos ter medo: o silêncio nos fará muito bem”.

Tags:
FofocaPapa FranciscoSão JosésilencioVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia