Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 27 Janeiro |
Beato Jorge Matulaitis 
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

O que significam as correntes e cadeados de “escravo de Maria”?

Consagração a Nossa Senhora como escravo de Maria

Fr Lawrence Lew, O.P. | CC BY-NC-ND 2.0

Reportagem local - publicado em 22/12/21

Atitudes interiores e símbolos exteriores: entenda o que é e como um fiel pode fazer a sua consagração pessoal a Cristo como "escravo de Maria"

Muitas pessoas se perguntam o que significam as correntes e cadeados de “escravo de Maria”, cujo uso tem crescido entre católicos, e de onde veio essa prática.

Trata-se de símbolos externos de consagração pessoal a Nossa Senhora. O ato de consagrar-se a Maria é essencialmente uma disposição interior de viver, como ela, em plena fidelidade ao seu Filho Jesus Cristo, comprometendo-se de modo profundo com a vivência do Evangelho em todos os âmbitos da vida. Portanto, envolve fundamentalmente atitudes interiores, mas também se apoia em práticas exteriores voltadas a contribuir para a própria santificação.

As cadeias com o cadeado fazem parte dos símbolos externos dessa consagração porque recordam ao próprio fiel consagrado (e testemunham às pessoas ao seu redor) a sua livre e espontânea entrega como “escravo de Maria”, de acordo com os termos do “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, escrito por São Luís Maria Grignion de Montfort no século XVIII.

O teólogo brasileiro Natalino Ueda, missionário da Comunidade Canção Nova, explica que cada pessoa consagrada a Nossa Senhora tem a liberdade de escolher em que parte do corpo deseja usar a cadeia com o cadeado, considerando que o Tratado de São Luís Maria sugere principalmente o tornozelo, o pulso ou o pescoço – também é possível optar por usá-la no dedo, como uma espécie de anel, ou envolta à cintura, como se fosse um cinto, por exemplo.

A consagrada Cynthia Marcenes, de São Gonçalo, RJ, é fundadora do apostolado “Dilectus Mariae”, descrito em sua página oficial no Facebook como “a primeira missão católica apostólica romana, brasileira, dedicada às necessidades exteriores dos que buscam consagrar suas vidas a Jesus através da Virgem Maria Santíssima, pelo método ensinado por São Luís G. Montfort”. Mesmo fornecendo artigos religiosos de interesse dos fiéis que desejam adotar esse modelo de consagração pessoal a Nossa Senhora, Cynthia faz questão de recordar que os símbolos externos são insuficientes em si mesmos.

A este propósito, ela escreveu um texto em 2017, compartilhado na rede social do seu apostolado, no qual enfatiza que os símbolos externos de consagração pessoal perdem o sentido quando não são acompanhados pela verdadeira transformação interior que caracteriza uma conversão autêntica. Eis um fragmento desse texto:

“(…) O Tratado virou revista, a cadeia virou adorno, Maria virou ponto de encontro. Será que Maria está preocupada com quem é seu padrinho/madrinha de consagração ou com quantas vezes você lê a Bíblia no seu dia a dia? Será que ela quer saber o tamanho do seu cadeado ou o tamanho do seu sacrifício diante do que o mundo te oferece? Será que importa mais um Tratado lido ou uma comunhão bem feita com Aquele que morreu na Cruz pra nos dar vida nova? Que escravo é esse que não abre mão do mundo? Que escravo é esse que sobrevive de arrepios e não de responsabilidades? Que senzala é essa com filtro de instagram e tapinha nas costas? Cadê o Fiat? Cadê o silêncio? Cadê a contemplação? A Santíssima Virgem não é popstar para ter fãs e tietes. O Tratado não é Gibi, para ler enquanto assiste TV. A cadeia não é pulseira da Pandora, pra usar de enfeite nas missas e festa. A Consagração não é uma roupa que hoje você veste, amanhã joga fora e segue o baile. É para a vida toda. É responsabilidade. É compromisso. É Maria. É Jesus. Leva a sério!”.

Escravo de Maria

Natalino Ueda também ressalta que as correntes são um sinal visível da total entrega do fiel por amor a Jesus Cristo mediante Nossa Senhora. Por isso mesmo, também simbolizam “o rompimento com a escravidão do pecado”.

Mas de que se precisa para ser escravo de Maria?

Requisito imprescindível é ter recebido os sacramentos do Batismo, Primeira Comunhão e Crisma e cumprir os próprios compromissos fundamentais como católico: participar regularmente da Santa Missa, confessar-se validamente e conforme a frequência recomendada pela doutrina católica, assim como seguir os mandamentos da Igreja.

Adicionalmente, o fiel precisa ler e compreender o conteúdo do Tratado.

Em seguida, é necessário marcar com razoável antecedência uma data para a consagração, de preferência uma data mariana. A antecedência deve prever que a preparação para a consagração leva de 30 a 33 dias. O próprio Tratado orienta sobre como preparar-se, quais são as orações que devem ser rezadas ou quais livros de exercícios espirituais podem ser adotados.

Ao se aproximar a data marcada para a consagração, é altamente recomendado que o fiel se confesse sacramentalmente.

Finalmente, chegado o dia marcado, o fiel realiza o ato de consagração preferencialmente dentro da celebração da Santa Missa, utilizando a fórmula previamente impressa ou escrita de próprio punho.

Vale recordar que o uso da corrente é recomendado por São Luís Maria, mas não é obrigatório – afinal, é um símbolo externo que só faz sentido na medida em que contribui de fato para as necessárias disposições interiores de santificação por meio da consagração pessoal a Cristo como “escravo de Maria”.

Tags:
DevoçãoMariaNossa Senhorasimbolos
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia