Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 24 Janeiro |
São Feliciano de Foligno
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Facebook censura fundação pontifícia que denunciou abusos contra mulheres no mundo islâmico

Facebook censura fundação pontifícia

Getty Images

Francisco Vêneto - publicado em 24/12/21

"Estamos horrorizados de que a nossa campanha, que visa ajudar mulheres sofredoras, tenha sido censurada de maneira tão draconiana"

Depois de diversos casos nada razoáveis de bloqueios e censuras a páginas ou postagens católicas na maior rede social do mundo, conforme o leitor poderá recordar nos artigos recomendados ao final desta matéria, agora o Facebook censura a fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, mais especificamente o seu braço britânico Aid to the Church in Need UK. O alvo da censura é uma campanha organizada pela entidade católica para denunciar abusos contra mulheres e meninas que sofrem sequestros, conversões forçadas e casamentos contra a própria vontade em países islâmicos. A maioria das vítimas é cristã.

No início de novembro, a fundação lançou a campanha juntamente com o relatório “Hear Her Cries” (Ouça os gritos dela), escancarando os abusos sistemáticos perpetrados contra mulheres e meninas de fé cristã ou de outras minorias religiosas por parte de radicais islâmicos, principalmente em países como a Nigéria, o Egito e Moçambique, no continente africano, e o Paquistão, a Síria e o Iraque, na Ásia.

Esses intoleráveis abusos, embora cometidos habitualmente e em larga escala nesses e em vários outros países, são hipocritamente ignorados pelo resto do mundo – inclusive por entidades que gostam de se arvorar como as “salvadoras da humanidade”: desde a onerosíssima e ineficacíssima ONU, com sua infinidade de sub-entidades igualmente ineficazes, burocráticas, ideologizadas e em muitos casos demonstradamente corruptas (leia aqui sobre o escândalo dos milhares de abusos sexuais atribuídos a funcionários impunes da organização), até uma miríade de ONGs, associações e fundações que se definem como feministas, mas que selecionam cuidadosamente quais pautas ideológicas interessam muito mais a elas próprias do que às mulheres necessitadas de socorro.

Facebook censura fundação pontifícia

Em 10 de novembro, o Facebook anunciou à fundação uma ampla limitação aos seus anúncios na rede, sem especificar o motivo. De modo genérico, a notificação enviada pela rede social informava que “muitos anúncios foram ocultados ou denunciados para contas de anúncios associados a esta empresa”, acrescentando que a alegada causa da restrição seria o fato de que “as pessoas ocultam e denunciam os anúncios porque os consideram ofensivos, enganosos, sexualmente inadequados, violentos, sobre um assunto delicado ou por outros motivos”.

No mesmo contexto em que o Facebook censurou a fundação pontifícia, registrou-se ainda um bloqueio contra a Aid to the Church in Need UK no Instagram e no WhatsApp. Os dois aplicativos também pertencem à gigante tecnológica Meta, o novo nome adotado pelo Facebook na tentativa de melhorar a própria reputação – esta sim manchada mundialmente por escândalos, polêmicas e questionamentos éticos concretos, como o uso não autorizado de dados pessoais, a corresponsabilidade na propagação de “fake news” e a negligência quantos aos efeitos negativos dos seus produtos e serviços na saúde mental de adolescentes.

Após sofrer as restrições repentinas, a Aid to the Church in Need UK informou que não conseguiu qualquer contato com a Meta além de um e-mail genérico assinado por um certo “Alex”, que seria analista de suporte da rede social. O e-mail afirmava: “Compreendemos perfeitamente a urgência deste assunto e a sua importância para vocês, mas situações assim requerem investigação e solução detalhadas e, dadas as circunstâncias, não podemos estabelecer um prazo”.

Neville Kyrke-Smith, diretor da filial britânica da Ajuda à Igreja que Sofre, declarou enfaticamente em nota:

“Estamos horrorizados de que a nossa campanha, que visa ajudar mulheres sofredoras, tenha sido censurada de maneira tão draconiana. Ao alegar ter banido o nosso anúncio por violar suas diretrizes, mas ao mesmo tempo recusar-se a apontar quais diretrizes e de que forma teriam sido violadas, o Facebook se arvorou em juiz, júri e carrasco. Ao bloquear esta campanha, eles estão silenciando essas mulheres duas vezes. Elas são silenciadas quando são arrancadas de suas casas e forçadas a viver com seus sequestradores e agora foram silenciadas novamente pelo Facebook”.

Tags:
IdeologiaMulherRedes sociaisViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia