Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 24 Janeiro |
São Feliciano de Foligno
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

“Perdi a filha e a fé no mesmo dia”: testemunho de uma mãe enlutada

Hélène Machelon

Mathilde de Robien - publicado em 28/12/21

Todos esses anos depois, sua filha ainda está presente no seio de sua família

Hélène Machelon é uma decoradora que trabalha na indústria de eventos e que viveu ao redor do mundo com seu marido Gilles. Depois de viajar para muitos lugares, eles se estabeleceram na França. Na Argélia, no México e no Vietnã, eles tiveram a alegria de adotar três filhos: Paul (17), Capucine (13) e Olivia (6). Mas a família só está completa se também mencionarmos Jeanne, sua garotinha que morreu há 18 anos, ainda antes de completar um ano de idade.

Hélène conta a história de Jeanne, um “bebê bolha” com síndrome da imunodeficiência grave, em um livro tocante publicado em francês, Envolée. Aleteia se encontrou com Hélène, que conta abertamente sua dor de perder um filho e sua fé, bem como seu retorno gradual à vida e à própria fé.

Jeanne

Hélène e Gilles são ambos portadores de uma anomalia genética que lhes dá uma em cada quatro chances de ter um filho com quase nenhum sistema imunológico. Sua primeira filha, Jeanne, nascida nove meses após o casamento, lutou por quase um ano com essa doença. Quimioterapia, transplantes de medula óssea, quartos esterilizados… todos os tratamentos não conseguiram salvá-la. Suas orações não pareciam ser mais eficazes, o que foi algo particularmente perturbador para Hélène na época.

Católica praticante, Hélène se lembra das muitas orações que dirigiu a Deus para salvar sua filha, mesmo “deitando-se prostrada no chão das capelas” para implorar à misericórdia do Senhor. Correntes de oração foram organizadas em todo o mundo. Ela estava absolutamente certa de que o milagre aconteceria. Ela estava esperando por isso; eles mereciam, ela disse a si mesma. Seria a recompensa por sua fé e sua esperança infalível. “Com a ajuda de rosários, ladainhas de santos e adoração ardente, nos sentimos o mais merecedores possível da cura”, escreve ela em seu livro.

Mas o milagre nunca veio. “Perdi Jeanne e minha fé no mesmo dia”, diz ela.

Além da dor que tomou conta de seu coração materno, ela ficou sobrecarregada com um sentimento de raiva insaciável. Ela parou de rezar e ficava do lado de fora da igreja quando sua família estava lá dentro. Durante um longo período de luto, ela rejeitou sua fé, mas sem conseguir realmente perdê-la.

Embora Hélène não tivesse mais seu espírito de antes, ela acordou uma manhã sentindo-se mais leve. Ela se permitiu rir novamente, alegrar-se com as boas notícias de seus entes queridos. Aqueles ao seu redor também poderiam respirar mais livremente novamente.

O processo de adoção e a chegada de seus filhos facilitaram sua reconciliação com Deus. “Tivemos a chance de adotar três filhos. O milagre estava lá! Graças a essa nova fecundidade, encontramos nosso lugar, nossa missão.”

“Trazer nossos entes queridos para nossas casas é um pouco como ter o céu em sua sala de estar.”

Foi no México que Hélène encontrou uma certa aceitação após a morte de Jeanne.

“Os mexicanos têm uma relação muito diferente com a morte. No Dia de Todos os Santos, por exemplo, há uma espécie de dessacralização dos cemitérios. As pessoas trazem cores, cantam, dançam e rezam até o amanhecer.”

O cemitério, um lugar onde ela se forçava a ir, mas onde sua dor ainda estava muito presente. “Como os mexicanos, tiramos Jeanne do cemitério, metaforicamente”, explica ela. “Lá, as pessoas colocam pequenos altares com retratos dos falecidos em suas casas. É um pouco como ter o céu na sua sala de estar.” É um gesto consolador e restaurador.

Jeanne permaneceu presente no meio deles. Hélène tem a impressão de sempre ter a filha sentada nos ombros. Ela fala com ela, meditando frases e pensamentos curtos. Seus filhos são particularmente ativos em abrir espaço para Jeanne e reconhecer que há outra criança que faz parte da família. Depois de seu sofrimento e raiva, Hélène gradualmente alcançou a aceitação. “Jeanne não foi feita para esta vida,” suspira Hélène.

Nas últimas linhas de seu livro, Hélène ilustra magnificamente como o amor nunca deixa de ser transmitido através da comunhão dos santos, como imagina sua filha dizendo: “Você me deu colo. Você se importava comigo. Você tornou minha vida linda. Você é fiel a mim. Você me ama com amor incondicional e eterno. Não duvide, estou em todos os seus passos.”

Tags:
FilhosMorteSofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia