Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 19 Janeiro |
Aleteia logo
Histórias Inspiradoras
separateurCreated with Sketch.

Menininha “incompatível com a vida” aprende a falar mamãe

MEGAN WHYTE

Cassy Gray | Facebook

Annalisa Teggi - publicado em 30/12/21

Megan contrariou todas as previsões dos médicos. Os especialistas recomendaram que ela fosse abortada. Mas a mãe se manteve firme: "não sou dona da vida da minha filha nem de sua morte"

Quando estava grávida, Cassy Gray foi informada de que havia apenas 3% de chance de sua filha nascer com vida. Segundo os médicos, ainda que ela sobrevivesse ao parto, não viveria muito tempo depois. A mãe, uma escocesa de 36 anos, foi fortemente aconselhada a “interromper” a gravidez.

“Decidimos imediatamente que o aborto não era uma opção. Ela é um milagre”, afirmou Gray ao The Sun escocês. “Eu desejava muito um filho e decidi deixá-la nas mãos de Deus. Sou muito grata por isso”, afirmou a mãe ao Daily Record.

A menininha, chamada Megan, sobreviveu ao nascimento e agora tem mais de 18 meses. As palavras da mãe, simples e diretas, têm a força de uma racionabilidade enraizada no afeto: “não sou dona da vida da minha filha nem de sua morte.”

“Não há nada de errado com ela”

Era 2020 e o mundo inteiro estava lidando com a pandemia. Em Fraserburgh, Escócia, Gray e o pai da criança, Zander Whyte, enfrentaram uma gravidez muito complicada. A ultrassom da 12ª semana revelou que o bebê estava sofrendo de uma condição que os médicos consideram “incompatível com a vida”.

A área frontal do cérebro – a sede do pensamento superior, emoções e habilidades motoras – não se separou em duas partes como deveria e parou de se desenvolver. Os médicos “aconselharam fortemente” Gray a fazer um aborto. Ela e seu marido recusaram. Já mencionamos seus motivos: o bebê viveria ou morreria naturalmente, como Deus quisesse.

A malformação

A malformação fetal que a criança sofre tem um nome complicado: holoprosencefalia semilobar. Seu cérebro parou de se desenvolver na quinta semana de gravidez. Cinco dias antes de seu nascimento, a ultrassonografia parecia mostrar uma imagem ainda pior: “feridas abertas na face, sem maçãs do rosto e os olhos esbugalhados”.

O nascimento é sempre um limiar. No caso da pequena Megan, foi o fim das previsões negativas e o início de uma presença visível de carne e osso. Sim, ela tinha apenas 3% de chance de nascer viva, mas era o suficiente.

A mãe dela confessou ao The Herald:

“Quando ela nasceu, tive medo de olhar para ela por causa do quadro que pintaram. Eu sabia que a amaria, mas simplesmente não sabia se gostaria da aparência dela. Porém, assim que ela nasceu, lembro-me de dizer ao pai dela: ‘Não há nada de errado com ela’… Ela sorri, apesar de tudo – e é uma macaquinha atrevida.”

A voz de Megan

As fotos de Megan que sua mãe compartilha no Facebook mostram uma linda garotinha com um sorriso que poderia derreter o Ártico. 

Megan é cega, tem três rins e sofre de epilepsia e diabetes insípido, uma condição rara que causa desequilíbrio dos fluidos corporais.

O cotidiano da família exige cuidados constantes e não esconde o amor e a fragilidade de um ser humano pequeno, que requer cuidados especiais. 

Mesmo assim, notícias surpreendentes se tornaram públicas em novembro de 2021: Megan, aos 18 meses de idade, derrotou todas as terríveis previsões não apenas por viver, mas por começar a falar. E ela o fez seguindo o roteiro mais clássico: numa manhã, ela disse “mamãe”.

Cassy Gray descreve como aconteceu: “Foi muito emocionante, eu não pensava que a ouviria dizer isso. De manhã, ela está sempre falante. Ela apenas gritava – sem palavras em particular – e agora fica dizendo, ‘mamãe, mamãe’, me pedindo para levantar.” 

O jornal Herald acrescenta que Megan também começou a dizer “Nana” – o apelido amoroso de sua avó.

Sim, são vozes como a de Megan – vozes improváveis, correndo o risco de ser silenciadas – que nos convidam a realmente refletir ainda mais sobre o dom da vida.

O poder do sorriso

Um neurologista em Glasgow perguntou à mãe se Megan conseguia sorrir e ela disse que sim. Então a menininha sorriu na hora. O médico, por sua vez, declarou: “É preciso muito mais função cerebral para sorrir do que para fazer muitas outras coisas”.

Talvez devamos sempre ter em mente, além dessa história inspiradora, essa informação sobre o cérebro ter que trabalhar muito para nos fazer sorrir.

Sorrir é um ótimo sinal para Megan, sugerindo um potencial cerebral que os médicos nunca imaginaram. É tentador imaginar o que se passa dentro dela para produzir um sorriso. Pode ser como uma subida muito íngreme que leva a uma vista deslumbrante. É preciso esforço para alcançar essa visão. Para seus pais, ver o rosto dela cheio de alegria é, certamente, um sinal portentoso.

Enfim, sorrir é uma façanha. E o olhar desta menina nos lembra que o melhor que podemos fazer é nos firmar ao lado do mistério da vida.

Tags:
AbortoBebêsDoençaGravidezVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia